O ministro da Ciência, Manuel Heitor, foi hoje apupado por bolseiros de investigação científica enquanto discursava na sessão de encerramento do encontro Ciência 2018, em Lisboa.

Dezenas dos que haviam protestado horas antes contra a precariedade laboral na ciência, no exterior do Centro de Congressos, acompanharam de pé, na sala, a intervenção de Manuel Heitor com assobios quando o ministro disse que o Governo está “sempre a favor de mais emprego científico e mais diálogo”.

Alguns dos manifestantes viraram costas ou pontuaram o discurso do ministro gritando “cumpram a lei!”, numa referência à legislação que prevê a contratação de investigadores-doutorados em substituição de bolsas de formação de pós-doutoramento.

Precários protestam às portas de encontro sobre ciência

Irredutível, Manuel Heitor fez o balanço do Ciência 2018 e passou em revista as reformas feitas pelo Governo no setor e as metas alcançadas, como o de a despesa privada em investigação superar “pela primeira vez” a despesa pública.

Dirigindo-se indiretamente aos manifestantes, que volta e meia se riram quando falava, o ministro afirmou, irónico: “Todos queremos que todos vocês se riam”.

No final do discurso, os bolseiros, que vestiam t-shirts pretas com um ponto de interrogação nas costas, voltaram a assobiar Manuel Heitor e gritaram “Carreiras é preciso” e “Contratos sim, bolsas não”.

Os mesmos bolseiros já tinham abordado o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quando este chegava ao mesmo evento, entregando-lhe documentação e pedindo-lhe uma intervenção nesta matéria. “Esse é um filme que conheço bem”, respondeu Marcelo.