Ciência

“É um filme que conheço bem”, diz Marcelo a bolseiros da ciência em protesto

O Presidente da República foi abordado por bolseiros de investigação científica que participavam num protesto contra a precariedade laboral e disse-lhes que esse "é um filme" que conhece bem.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O Presidente da República foi abordado esta quarta-feira por bolseiros de investigação científica que participavam num protesto contra a precariedade laboral, o qual juntou uma centena de pessoas e disse-lhes que esse “é um filme” que conhece bem.

Em frente ao Centro de Congressos de Lisboa, onde decorre o encontro “Ciência 2018″, os cerca de cem manifestantes formaram duas filas, aguardando a chegada de Marcelo Rebelo de Sousa, mas o chefe de Estado saiu do carro um pouco mais à frente.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/contratos-a-termo-a-prazo/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”80″ slug=”contratos-a-termo-a-prazo” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/contratos-a-termo-a-prazo/thumbnail?version=1522167086673&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

Alguns deles dirigiram-se então a Marcelo Rebelo de Sousa e abordaram-no quando este caminhava para a entrada do edifício, entregando-lhe documentação sobre a situação como bolseiros de investigação científica em Portugal, enquanto ao fundo os outros manifestantes gritavam “contratos, sim, bolsas não”.

“Boa tarde, senhor Presidente, nós somos bolseiros de investigação científica. Estamos há muitos anos a trabalhar como bolseiros de investigação e merecemos um contrato”, queixaram-se.

Então não sei. Eu sei, eu conheço o problema, como imaginam”, foi a resposta do chefe de Estado, que continuou a andar até à porta do Centro de Congressos de Lisboa.

Numa curta conversa, sempre em andamento, os bolseiros alegaram que “as instituições e a tutela estão a boicotar” a regularização da sua situação e pediram ao Presidente da República que, “dentro da sua magistratura,” tente intervir.

Já no interior do edifício, enquanto subia as escadas, Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou: “É um filme que eu conheço bem”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)