Saúde

“Saber reanimar é um dever cívico” e saber usar desfibrilhador pode vir a ser obrigatório para futuros condutores

3.333

A medida surge da recomendação de um grupo de trabalho criado pelo Ministério da Saúde para estudar a requalificação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa. "É um ato fácil".

Getty Images

Futuramente, poderá ser obrigatório ter formação no uso do desfibrilhador automático externo (DAE) enquanto se tira a carta de condução, independentemente da categoria. O objetivo é ter cada vez mais pessoas capazes de socorrer vítimas em paragem cardio-respiratória (PCR), aumentando a possibilidade de sobrevivência. Alunos do ensino secundário e “todos os alunos do ensino superior das ciências da Saúde e do Desporto” também deverão receber formação, assim como forças de segurança, tripulação de aviões e nadadores-salvadores são algumas das profissões que também poderão ser abrangidas pela medida por se tratarem de grupos mais expostos a situações de paragem cardiorespiratória.

As propostas estão inscritas num relatório de um grupo de trabalho criado pelo Ministério da Saúde para estudar a requalificação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa, concebido em 2009. O grupo de trabalho, apoiado pelo INEM, é constituído por 12 elementos. São eles:

  1. João Morais, presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e coordenador do grupo;
  2. Raquel Ramos, diretora do departamento de emergência médica do Institutio Nacional de Emergência Médica, I. P. (INEM)
  3. Teresa Pinto, diretora do depertamento de formação em Emergência Médica do INEM
  4. Daniel Ferreira e Miguel Oliveira, “peritos nesta matéria” (segundo o despacho publicado em Diário da República)
  5. António Marques da Silva, presidente da Comissão Nacional de Trama
  6. Guilherme Portugal, da Direção Geral de Saúde
  7. Vítor Almeida, da Ordem dos Médicos
  8. Nuno Sérgio Machado Domingues Branco, da ordem dos Enfermeiros
  9. Nuno Miguel Fonseca Ferreira dos Santos, “da região autónoma dos Açores”
  10. António Brazão, da região autónoma da Madeira
  11. Gabriel Boavida, do movimento cívico Salvar + Vidas

O relatório pede que o número de desfibrilhadores em locais públicos aumente nos próximos anos. Atualmente existem 2073 DAE licenciados pelo INEM instalados em 1617 espaços públicos, 122 ambulâncias (não INEM) e 108 viaturas. Há ainda 20 mil operacionais formados. Desse número, apenas 544 pertencem aos quadros do INEM e dos seus parceiros.

Além da maior dotação de profissionais e equipamentos, o relatório sugere que “estão reunidas as condições de segurança para que, em situações particulares”, o manuseio de desfibrilhadores “possa ser feito por cidadãos não treinados”, já que “saber reanimar é um dever cívico“, a paragem cardio-respiratória “pode ser revertida com a intervenção rápida de leigos” e “a renimação com DAE é um ato fácil que deve ser iniciado o mais rápido possível” em momentos de necessidade. “Qualquer pessoa, de qualquer faixa etária, pode aprender a identificar uma PCR e ser capaz de salvar uma vida“, lê-se ainda. Preferencialmente, refere-se, consultando (telefonicamente, quando a situação o permitir) serviços de emergência.

São estes os fatores que, no entender dos especialistas, justificam que se alargue o universo de cidadãos formados e capacitados para utilizar estes aparelhos. Um universo muito menor do que o número de pessoas com formação (mais básica) em Suporte Básico de Vida (SBV), que tem vindo a aumentar nos últimos anos com “bons resultados”, segundo os autores do relatório. Os dados que evidenciam esses bons resultados, porém, não surgem no documento já possível de consultar no site do INEM, assim como não surgem estimativas de custos de implementação das medidas em causa, estudos consultados para apontar recomendações (fala-se apenas em “vários estudos existentes” ou em “vários estudos internacionais existentes”) ou dados relativos ao combate às PCR em Portugal.

O crescente envolvimento de diversos atores da sociedade, para além dos profissionais de saúde, implicará também crescente responsabilidade para as estruturas formativas do Ensino Superior nas áreas de Ciências da Saúde e Desporto, onde, por força maior, a formação atualizada em suporte de vida precisa de ser garantidas. Igual preocupação deve ser assumida pelas Unidades de Saúde prestadoras de cuidados assistenciais”, lê-se no documento.

Atualmente, em casos excecionais, os desfibrilhadores podem ser utilizados por pessoas que não têm formação sob instruções do INEM. A prioridade será mesmo a formação das forças de segurança, de acordo com o coordenador do grupo de trabalho, João Morais. “Todos os novos agentes da PSP, Polícia Municipal, GNR e Polícia Marítima” deverão estar abrangidos, segundo o relatório.

O documento refere ainda a necessidade de disponibilizar o equipamento em locais onde passem, em média, mais de mil pessoas por dia. Na prática, centros comerciais, hotéis, monumentos, áreas de diversão, embarcações turísticas, aviões comerciais, comboios, escolas e unidades de saúde deverão integrar a lista de espaços legalmente obrigados a ter programas de DAE.

Os registos dos casos de PCR em Portugal deixam muito a desejar. O grupo de trabalho detetou “importantes lacunas” nesse sentido e deixou a sugestão de que sejam criadas novas bases de dados para registar os casos e perceber o impacto do uso dos DAE. Em declarações ao Jornal de Notícias, João Morais afirmou que agora o importante é “definir prioridades e os aspetos legais e técnicos que têm de ser adotados para implementar as recomendações”. O Ministério da Saúde, para já, não diz se dará seguimento às propostas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
622

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
298

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Ministério da Saúde

A ministra incendiária /premium

José Manuel Fernandes
2.959

O PS enganou-se no campo de batalha, pois querer tratar como “supletivo” 42% do nosso sistema de saúde não é apenas uma loucura ideológica, é uma facada no coração da classe média. Em ano de eleições.

Saúde

Brincar com a saúde! /premium

Manuel Villaverde Cabral
149

A gerigonça tem muitas batatas quentes nas mãos mas estas duas (saúde e envelhecimento) talvez possam ser politicamente iludidas nas próximas eleições mas não no futuro financeiro e económico do país.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)