Alterações Climáticas

Universidade do Porto vai acolher uma conferência de negacionistas das alterações climáticas

1.037

A Universidade do Porto recebe este fim de semana uma conferência que reúne palestrantes que negam a influência humana nas alterações climáticas. A instituição demarca-se, os especialistas condenam.

A Universidade do Porto sublinha que "não promove" a conferência, somente "acolhe"

“(Des)construir algumas ideias sobre alterações climáticas.” É este o objetivo declarado da conferência “Basic Science of Climate Change”, organizada pelo Independent Committee on Geoethics, que acontece entre sexta-feira e sábado, 7 e 8 de setembro, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Ainda assim, ao analisar de forma mais aplicada os oradores que vão marcar presença e os títulos dos variados painéis, parece que os parêntesis são escusados e que a ideia é mesmo desconstruir – e recusar – a ideia de que as alterações climáticas são fruto das ações do ser humano.

Para Maria Assunção Araújo, geógrafa, professora da Universidade do Porto e presidente do comité de organização da conferência, o objetivo do evento é bastante claro: reunir “pessoas cientificamente muito válidas” para debater cientificamente a ideia generalizada e globalmente aceite de que o aquecimento global é provocado pelo Homem, algo que considera “alarmista”. Em declarações ao Diário de Notícias, a geógrafa defendeu que apesar de não negar a existência das alterações climáticas a acumulação de CO2 na atmosfera “não pode” ser o motivo fulcral das alterações climáticas, até porque “é uma pequeníssima parte dos gases na atmosfera e a maior parte nem é produzido pelos humanos”.

Sobre o facto de todos os palestrantes serem negacionistas – ou seja, recusarem a responsabilidade humana nas alterações climáticas -, Maria Assunção Araújo considera que “não interessa ter alguém a dizer que a causa das alterações climáticas é o CO2”, até porque isso seria “política” e não “ciência”. Esta é, aliás, a opinião que interliga os organizadores e palestrantes na conferência. Um deles, o sueco Nils Axel-Morner, tem tido algum destaque devido às declarações negacionistas que tem feito sobre as alterações climáticas, é crítico do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e coloca ainda em causa a subida dos níveis médios da água dos oceanos. Outro, Piers Corbyn – que é irmão de Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista do Reino Unido -, defende que a intervenção humana no aquecimento global é “mínima” e que o gradual e progressivo aumento da temperatura no planeta Terra deve-se ao aumento da atividade solar.

A Universidade do Porto emitiu entretanto um comunicado onde rejeita que “as posições assumidas pelos oradores e participantes sejam um reflexo da visão da Universidade do Porto sobre o tema em debate”. “O combate às alterações climáticas e a sustentabilidade ambiental são uma prioridade para a Universidade do Porto”, acrescenta a Universidade, ainda que ressalve que “a partilha de diferentes ideias e perspetivas deve ser valorizada” já que “a censura de opiniões não faz, nem deve fazer, parte da natureza das instituições de ensino superior e é nesse contexto que a Universidade do Porto irá acolher a referida conferência”.

Ao Observador, Raúl Santos da Universidade do Porto reiterou que a instituição “não promove” a conferência, “acolhe”. “Foi uma iniciativa de uma docente que pediu para organizar nas instalações da Universidade e a Universidade acedeu ao pedido, sem julgamento das ideias em debate”, explica, acrescentando que foi tomada uma de duas decisões possíveis: “Havia duas maneiras: ou colidir e não permitir ou deixar as pessoas tomar as suas posições e estar sujeitas ao escrutínio exterior. Achámos que a segunda era a melhor”. Questionado sobre se a Universidade pode sofrer represálias por acolher a conferência, a resposta é simples: “Esperemos que não”.

Já João Lourenço Monteiro, da Comunidade Cética Portuguesa, concorda com a Universidade do Porto quando reconhece que “a academia e as universidades são um espaço de debate e de troca de ideias” mas rejeita que seja esse o caso desta conferência. “É tendenciosa. Está explícito no subtítulo [“How Processes in the Sun, Atmosphere and Ocean Affect Weather and Climate”] e nos títulos dos painéis. Vão debater todos os processos exceto alguns. O público em geral tem de perceber que os consensos científicos não surgem de reuniões com uma data de cientistas sentados a uma mesa de onde sai um consenso – mas sim das publicações científicas. Aqui não há qualquer debate nem qualquer controvérsia”, explica.

João Lourenço Monteiro salienta ainda que a Universidade do Porto “não deve dar voz a todas as ideias principalmente às que não são científicas” e aponta as semelhanças entre este caso e as organizações que tentam fazer apresentações sobre o criacionismo – a crença de que foi Deus a criar o Universo, que Lourenço Monteiro considera um “negacionismo da evolução das espécies” – em universidades.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Alterações Climáticas

O termóstato humano /premium

José Diogo Quintela
833

Quando sai uma notícia a dizer que Portugal é o 5º país da Europa onde é mais difícil aquecer a casa, na realidade quer dizer que somos o 5º país da Europa que melhor descarboniza. Parabéns a nós.

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
191

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)