Rádio Observador

Alterações Climáticas

Universidade do Porto vai acolher uma conferência de negacionistas das alterações climáticas

1.037

A Universidade do Porto recebe este fim de semana uma conferência que reúne palestrantes que negam a influência humana nas alterações climáticas. A instituição demarca-se, os especialistas condenam.

A Universidade do Porto sublinha que "não promove" a conferência, somente "acolhe"

“(Des)construir algumas ideias sobre alterações climáticas.” É este o objetivo declarado da conferência “Basic Science of Climate Change”, organizada pelo Independent Committee on Geoethics, que acontece entre sexta-feira e sábado, 7 e 8 de setembro, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Ainda assim, ao analisar de forma mais aplicada os oradores que vão marcar presença e os títulos dos variados painéis, parece que os parêntesis são escusados e que a ideia é mesmo desconstruir – e recusar – a ideia de que as alterações climáticas são fruto das ações do ser humano.

Para Maria Assunção Araújo, geógrafa, professora da Universidade do Porto e presidente do comité de organização da conferência, o objetivo do evento é bastante claro: reunir “pessoas cientificamente muito válidas” para debater cientificamente a ideia generalizada e globalmente aceite de que o aquecimento global é provocado pelo Homem, algo que considera “alarmista”. Em declarações ao Diário de Notícias, a geógrafa defendeu que apesar de não negar a existência das alterações climáticas a acumulação de CO2 na atmosfera “não pode” ser o motivo fulcral das alterações climáticas, até porque “é uma pequeníssima parte dos gases na atmosfera e a maior parte nem é produzido pelos humanos”.

Sobre o facto de todos os palestrantes serem negacionistas – ou seja, recusarem a responsabilidade humana nas alterações climáticas -, Maria Assunção Araújo considera que “não interessa ter alguém a dizer que a causa das alterações climáticas é o CO2”, até porque isso seria “política” e não “ciência”. Esta é, aliás, a opinião que interliga os organizadores e palestrantes na conferência. Um deles, o sueco Nils Axel-Morner, tem tido algum destaque devido às declarações negacionistas que tem feito sobre as alterações climáticas, é crítico do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e coloca ainda em causa a subida dos níveis médios da água dos oceanos. Outro, Piers Corbyn – que é irmão de Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista do Reino Unido -, defende que a intervenção humana no aquecimento global é “mínima” e que o gradual e progressivo aumento da temperatura no planeta Terra deve-se ao aumento da atividade solar.

A Universidade do Porto emitiu entretanto um comunicado onde rejeita que “as posições assumidas pelos oradores e participantes sejam um reflexo da visão da Universidade do Porto sobre o tema em debate”. “O combate às alterações climáticas e a sustentabilidade ambiental são uma prioridade para a Universidade do Porto”, acrescenta a Universidade, ainda que ressalve que “a partilha de diferentes ideias e perspetivas deve ser valorizada” já que “a censura de opiniões não faz, nem deve fazer, parte da natureza das instituições de ensino superior e é nesse contexto que a Universidade do Porto irá acolher a referida conferência”.

Ao Observador, Raúl Santos da Universidade do Porto reiterou que a instituição “não promove” a conferência, “acolhe”. “Foi uma iniciativa de uma docente que pediu para organizar nas instalações da Universidade e a Universidade acedeu ao pedido, sem julgamento das ideias em debate”, explica, acrescentando que foi tomada uma de duas decisões possíveis: “Havia duas maneiras: ou colidir e não permitir ou deixar as pessoas tomar as suas posições e estar sujeitas ao escrutínio exterior. Achámos que a segunda era a melhor”. Questionado sobre se a Universidade pode sofrer represálias por acolher a conferência, a resposta é simples: “Esperemos que não”.

Já João Lourenço Monteiro, da Comunidade Cética Portuguesa, concorda com a Universidade do Porto quando reconhece que “a academia e as universidades são um espaço de debate e de troca de ideias” mas rejeita que seja esse o caso desta conferência. “É tendenciosa. Está explícito no subtítulo [“How Processes in the Sun, Atmosphere and Ocean Affect Weather and Climate”] e nos títulos dos painéis. Vão debater todos os processos exceto alguns. O público em geral tem de perceber que os consensos científicos não surgem de reuniões com uma data de cientistas sentados a uma mesa de onde sai um consenso – mas sim das publicações científicas. Aqui não há qualquer debate nem qualquer controvérsia”, explica.

João Lourenço Monteiro salienta ainda que a Universidade do Porto “não deve dar voz a todas as ideias principalmente às que não são científicas” e aponta as semelhanças entre este caso e as organizações que tentam fazer apresentações sobre o criacionismo – a crença de que foi Deus a criar o Universo, que Lourenço Monteiro considera um “negacionismo da evolução das espécies” – em universidades.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)