Rádio Observador

Prémios Emmy

Da televisão para a red carpet: o melhor, o pior e o amarelo nos Emmy

A indústria do entretenimento retomou a ronda de prémios com os Emmy Awards. O amarelo predominou, as plumas deram um ar da sua graça e até houve quem reciclasse o vestido de noiva.

Prémios à parte, é na passadeira vermelha (que, neste caso, era bege) que se causa a primeira impressão. Nesta segunda-feira à noite, antes da 70.ª edição dos prémios Emmy distinguir os que mais se destacaram no universo da ficção e do entretenimento televisivo, foi na red carpet que dezenas de estrelas posaram para os fotógrafos. Houve quem monopolizasse as atenções pelos melhores motivos, houve quem tivesse acertado ao lado e conquistado um lugar na caderneta de nódoas do famoso pre-show.

Mas comecemos pelas mais elegantes da noite. Evan Rachel Wood, da série Westworld, foi uma vencedora unânime. A escolha distanciou-se do óbvio com um casaco de cauda que deixou espaço para que brilhasse a maquilhagem e o conjunto de flores no cabelo da atriz. Allison Janney também não desapontou. Mais do que habituada a estas andanças (não tivesse ela corrido todas as passadeiras vermelhas da temporada passada), escolheu o brilho das lantejoulas e a vivacidade do fúcsia de um vestido desenhado pelo designer Prabal Gurung. Rachel Brosnahan e Claire Foy, atrizes das séries The Marvelous Mrs. Maisel e The Crown, respetivamente, souberam tirar partido da tez pálida. A primeira usou um vestido vermelho forte, a segunda vestiu-se de branco e juntas protagonizaram uma lição de estilo e simplicidade. Uma última menção para Scarlett Johansson. A atriz não costuma ser especialmente brilhante nas escolhas que faz. Pelo menos nesta segunda-feira à noite, quando chegou ao Microsoft Theatre, em Los Angeles, redimiu-se do inexplicável vestido que usou na última Met Gala.

As atrizes Gwendoline Christie, Alison Brie e Adina Porter foram de amarelo para a passadeira vermelha (que, na realidade, foi bege) dos prémios Emmy

Se tivéssemos de eleger a cor da noite, não haveria dúvidas. O amarelo não deu tréguas. Contámos, pelo menos, oito canários a desfilar na passadeira vermelha dos Emmy Awards, entre eles Sophie Hunter, mulher de Benedict Cumberbatch, Gwendoline Christie, da série A Guerra dos Tronos, Alison Bire, protagonista de Glow, Adina Porter, de American Horror Story, e Judith Light, do elenco de American Crime Story.

E as plumas? Também deram um ar da sua graça. Penelope Cruz e o seu Chanel de alta costura dominaram o campeonato da penugem. A atriz tem muitos talentos, mas o de escolher (ou o de escolher quem lhe escolha) os vestidos para as passadeiras vermelhas que percorre não é um deles. Sarah Paulson, em Oscar de la Renta, usou e abusou das plumas mas em preto. Keri Russell foi a mais discreta e a mais bem sucedida na missão. Limitou-se a usar um vestido preto de Zuhair Murad com algumas plumas a marcarem-lhe a cintura.

Incontornável é também a afirmação do estilo juvenil a que o mundo assistiu. Do elenco de Stranger Things, também já não se espera outra coisa. Embora o sucesso da escolha seja discutível, Millie Bobby Brown esforçou-se quando escolheu o seu Calvin Klein by Apointment (o que quer dizer que o vestido foi feito à medida para a atriz de 14 anos). Ainda assim, acabou por ser ofuscada por uma outra pequena adolescente, Marsai Martin. Com a mesma idade, a jovem atriz de Black-ish acertou na muche quando decidiu, contra todas as probabilidades, levar um vestido da dupla holandesa Viktor & Rolf. Não temos qualquer informação quanto ao sucesso escolar de Marsai, mas, no que toca à sua passagem pela passadeira vermelha dos Emmy Awards, conquistou a nota máxima. Os meninos não podiam ter estado melhor. Noah Schnapp, Gaten Matarazzo e Caleb McLaughlin, os três de Stranger Things, vestiram Fendi, Dolce & Gabbana e Louis Vuitton, respetivamente. Todos juntos, também deram a lição de estilo: quando uma geração falha, temos sempre os mais novos para restaurar a esperança na humanidade.

Alex Borstein usou o vestido com que casou há 20 anos © Kevin Winter/Getty Images

Lembra-se de Rita Moreno, a atriz que, nos últimos Óscares, repetiu o vestido de 1962? Pois bem, os Emmy desta segunda-feira tiveram uma cena parecida. Alex Borstein, atriz que arrecadou o prémio de Melhor Atriz Secundário numa Série de Comédia, usou, nada mais, nada menos do que o próprio vestido de noiva. A peça pareceu estar em boas condições, apesar de ter 20 anos, e o toque acetinado, bem como a cor cinzenta, tornaram-na absolutamente insuspeita. Assim de repente, conseguimos pensar em cinco ou seis atrizes que mais facilmente passariam por noivas.

No campeonato das escolhas menos felizes, temos de começar por Issa Rae. Vera Wang? Um vestido macacão ao estilo loja de noivas, daquelas que também têm uns modelitos para convidadas? Era escusado. Enquanto isso, Chrissy Teigen continua a dividir opiniões. Há quem adore, há quem acho que a receita de estilo da mulher de John Legend simplesmente não resulta. Deste lado, pendemos mais para a segunda opção.

Na fotogaleria, juntámos o melhor e o pior dos Emmy — antes dos prémios.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)