Rádio Observador

Passadeira Vermelha

Anjos, papisas e demónios: a moda e catolicismo na passadeira vermelha da Met Gala

110

Nova Iorque voltou a ser o centro do mundo das atenções. Sob o tema "moda e imaginário católico", a Met Gala foi antecedida pela passadeira vermelha mais extravagante do ano. Veja os looks.

Há quem lhe chame os Óscares da Moda e, nesta segunda-feira, a Met Gala voltou a fazer jus ao título, no Metropolitan Museum of Art. Dezenas de celebridades pisaram a passadeira vermelha que antece a gala anual do museu nova-iorquino, incluindo Madonna, Rihanna, Kim Kardashian West, Blake Lively, Jennifer Lopez, Donatella Versace e as irmãs Hadid. Desfile mais extravagante do que este não há, nem mesmo quando o tema é a relação da moda com o catolicismo. Crucifixos, auréolas, rendas, mitras papais, bordados, brocados, vermelho cardeal e dourado, muito dourado.

No topo das extravagâncias esteve, entre outras, Katy Perry. Graças às duas enormes asas cobertas de penas, a cantora teve de chegar num Rolls Royce descapotável. Rihanna brilhou numa criação da Maison Margiela e foi a única convidada a usar uma mitra, devidamente estilizada, claro. Os acessórios usados na cabeça foram, sem sombra de dúvida, as estrelas da red carpet. Das várias auréolas douradas ao pequeno altar que Sarah Jessica Parker usou no topo do seu penteado, foram várias as peças que deram que falar. Mas se, por um lado, houve lugar para as silhuetas mais clássicas — Kate Bosworth, Diane Kruger, Gigi Hadid e Blake Lively desfilaram como verdadeiras divas de Hollywood –, também houve quem decidisse fazer interpretações bem mais profanas (ou pouco católicas, se preferir) do tema, a começar com Solange Knowles e o seu look desenhado por Iris van Herpen. Além dela, também Zoë Kravitz e Zendaya arrojaram no outfit. Duas últimas notas: Madonna, que percorreu a red carpet com o seu amigo de longa data Jean Paul Gaultier, e Cardi B, grávida, de braço dado com Jeremy Scott e com um vestido inspirado na rainha Isabel I.

Quando menos se esperava, um pedido de casamento na red carpet. Os protagonistas foram o rapper 2 Chainz e a namorada Kesha Ward © Jamie McCarthy/Getty Images

Mas a passadeira vermelha desta segunda-feira à noite também esteve repleta de casais. Hailey Baldwin e Shawn Mendes estrearam-se, enquanto casal, numa red carpet, tal como Cole Sprouse e Lili Reinhart, atores da série Riverdale. Houve mesmo um pedido de casamento em plena escadaria. O rapper 2 Chainz ajoelhou-se e propôs-se à namorada Kesha Ward em frente aos fotógrafos. No que toca a marcas, a noite foi da moda italiana, já que várias casas carregam a herança dos elementos sacros no seu ADN. A Versace, co-anfitriã do evento em conjunto com a revista Vogue, superou todas as outras ao vestir o maior número de celebridades para a festa.

Com inauguração marcada para dia 10 de maio, “Heavenly Bodies: Fashion and the Catholic Imagination” é a maior exposição de sempre do Metropolitan Museum of Art e, como manda a tradição, foi ela a ditar o tema da edição de 2018 da gala. Entre as dezenas de peças expostas ao público até outubro estão tesouros dos Museus do Vaticano, mas também da sacristia da Capela Sistina. Entre elas, há joias de valor incalculável, algumas já usadas por anteriores papas. Lado a lado, estão criações de autores contemporâneos. A seleção de peças de passerelle inclui elementos dos arquivos da Versace e da Christian Dior, entre muitos outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)