Livros

Magalhães. 500 anos depois, um explorador franco-suíço reconta a viagem do português

518

A mítica viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães é agora recontada num livro de banda desenhada por Christian Clot, um explorador franco-suíço que seguiu os passos do português há 500 anos.

Autor
  • Helena Cristina Coelho

O autor começa por deixar uma espécie de aviso à navegação. “Magalhães é um enigma. É um dos maiores exploradores de todos os tempos, revolucionou a navegação mundial. E no entanto ninguém conhece a sua vida“, escreve Christian Clot nas primeiras linhas do prefácio do livro de banda desenhada ‘Magalhães – Até ao Fim do Mundo’ que dedica ao explorador português que, há precisamente 500 anos, fez a viagem de circum-navegação. A data é, aliás, o pretexto para a edição de banda desenhada que o autor franco-suíço — que se apresenta como “explorador, aventureiro e escritor” — editou em França e que se prepara para lançar em Portugal na próxima semana com a chancela da Gradiva e a parceria da Comissão Cultural de Marinha.

O livro ‘Magalhães – Até ao Fim do Mundo’ é uma edição Gradiva, em cooperação com a Comissão Cultural de Marinha. Apresentação é no próximo di 1 de outubro, em Lisboa, no Pavilhão das Galeotas do Museu de Marinha, às 17h30. O autor Christian Clot estará presente.

A ousadia da expedição que Magalhães liderou na altura, entre 1519 e 1522, foram o mote que inspirou Christian Clot a recontar a sua aventura — o mistério à volta desta figura histórica só reforçou a sua intenção. “É porque ele é apresentado, por vezes, como um ser austero, frio e pouco afável? Com que base, pois praticamente não existe nenhuma linha, nenhum escrito, da sua autoria? Tudo foi destruído”, questiona o autor da obra. “De acordo com a maioria dos seus biógrafos, ele jamais pensou fazer a volta ao mundo: partiu apenas para descobrir uma nova rota para as ilhas das especiarias, para as riquezas”, recorda Clot que escreve os textos do livro ilustrado por Thomas Verguet e Bastien Orenge.

O livro procura ilustrar momentos-chave dessa aventura marítima de quase três anos, numa época em que a Inquisição ainda contestava os contornos da Terra e ameaçava com excomunhão e morte a heresia de quem a considerava redonda. Christian Clot recorda assim o que Magalhães teve de sacrificar para seguir os seus ideais: teve de “renunciar a tudo: aos seus ideais, ao seu amor de juventude e à sua pátria”, até à sua vida.

“Uma vez que os seus méritos não foram reconhecidos em Portugal”, o português acabou por oferecer o seu projeto a Espanha que lhe financiou a jornada marítima. E com essa viagem provou que era possível, partindo em direção a oeste, regressar por leste: foi assim a primeira viagem de circum-navegação do mundo. A mítica jornada de Fernão de Magalhães levaria o português e a sua tripulação a diferentes geografias, como a Patagónia ou as (agora denominadas) Filipinas (onde acabou por morrer, no final da viagem) e ao contacto com várias culturas e populações indígenas. No final da viagem, a tripulação de 18 homens que sobreviveu à dureza dos oceanos, a a tempestades, ataques e doenças como o escorbuto, muito comum entre marinheiros, tinha o porão carregado de especiarias e materiais exóticos.

São alguns dos episódios que o livro de Christian Clot tenta recriar através dos traços desenhados por Bastien Orenge e Thomas Verguet.

Quem foi Magalhães

Fernão de Magalhães nasceu por volta de 1480 em Trás-os-Montes, numa família de pequena nobreza. Atraído pelo mar, embarca em 1505 na armada de D. Francisco de Almeida, vice-rei da Índia, onde começa como suboficial pronto para todas as tarefas. É nesse trabalho que aprende as artes da navegação, combate, estratégia. Liderou, financiado pela coroa espanhola, a que se tornaria na primeira viagem de circum-navegação do mundo, entre 1519 e 1522. O pinguim-de-Magalhães recebeu o seu nome como homenagem, já que foi o primeiro europeu a ver um, bem como vários objetos associados à astronomia, incluindo as Nuvens de Magalhães, as crateras lunares de Magalhães ou as crateras marcianas de Magalhães. O navegador terá morrido no reino de Mactan, atualmente localizado nas Filipinas.

A história resume-se ao que hoje é possível saber sobre o passado. Como explica o editor da edição portuguesa, Guilherme Valente, “sabe-se muito pouco sobre a viagem de Fernão de Magalhães. Sobretudo sobre as circunstâncias que rodearam ou determinaram o seu desfecho”. Um dos exemplos que dá é sobre as Molucas. Magalhães terá verificado que ficavam do lado português definido pelo Tratado de Tordesilhas, “facto que colocava o navegador, ao serviço do rei de Espanha, numa posição delicada. Ainda assim, reforça, Christian Clot, “ele próprio um reputado explorador e bom conhecedor dos mares terríveis que Magalhães foi o primeiro a navegar”, conseguiu recriar algumas das peripécias desta epopeia portuguesa.

Christian Clot, uma vida de aventuras

O autor de ‘Magalhães’ é, ele próprio, um explorador. Habituado a dirigir expedições de exploração científica em ambientes extremos, tem assinado várias publicações — especialmente de banda desenhada, uma das duas paixões — e protagonizado filmes e conferências.

O franco-suíço Christian Clot, também ele um explorador, retrata a viagem de Fernão de Magalhães feita há 500 anos (foto de Joel Saget/AFP/Getty Images)

Embora tenha estudado para ser comediante, e tenha chegado a trabalhar como ator e realizador, Christian Clot, de 46 anos, acabou por se dedicar ao montanhismo, paraquedismo e expedições em locais com condições climatéricas extremas. Já atravessou a  América do Sul por selvas, desertos, montanhas e mares, percorreu o Nepal a pé e muitos outros locais sem o recurso a qualquer meio de transporte motorizado. Cruza regularmente as suas expedições com trabalhos científicos que desenvolve para laboratórios franceses e internacionais: recolhe dados para trabalhos de entomologia ou glaciologia, por exemplo, mas também informação no domínio da psicofisiologia, nomeadamente acerca do modo como os indivíduos se adaptam e tomam decisões em ambientes extremos.

Em 2006, e após três tentativas e cinco anos de trabalho de pesquisa, foi o primeiro homem a entrar no centro das montanhas da cordilheira na Terra do Fogo, no Chile, uma exploração que lhe valeu vários prémios. Mas o prazer de comunicar e contar histórias nunca o deixou. Em paralelo com o seu trabalho de campo usa vários meios para dar a conhecer o planeta, os seus lugares mais remotos, os seus habitantes e a importância de ir atrás dos sonhos. Realizou  vários filmes e já deu centenas de palestras. Mas foi na escrita que encontrou o meio de expressão perfeito para transmitir a sua visão do mundo.

Chistian Clot estará em Lisboa na próxima segunda-feira, 1 de outubro, para apresentar o livro ‘Magalhães’ no Pavilhão das Galeotas do Museu de Marinha, às 17h30.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)