Animais

Governo trava proposta para proteger golfinhos do Estuário do Sado

1.979

Biólogos contratados pelo Estado propuseram classificação ecológica para proteger golfinhos no Sado. Ministério do Ambiente chumba proposta que dificultaria aprovação das polémicas dragagens.

EDUARDO COSTA/LUSA

Uma proposta liderada por Catarina Eira, investigadora da Universidade de Aveiro, que estudou durante 7 anos quatro zonas que deveriam ser classificadas e incluídas na rede ecológica da União Europeia, a  Rede Natura 2000, foi chumbada. O objetivo da equipa de biólogos, vindos de vários centros de investigação do país, seria proteger cetáceos, nomeadamente golfinhos.

A discussão pública teve início em 2016, já depois do prazo dado pela União Europeia para classificar e proteger as áreas marinhas. Mas, mesmo assim, nunca chegou a haver uma decisão definitiva. Só em agosto deste ano,  se decidiu retomar a discussão e definir uma estratégia de gestão com o objetivo de determinar como serão mantidos os valores naturais das zonas, mais precisamente dos recifes e bancos de areia.

Contudo, das quatro zonas inicialmente propostas, apenas duas viriam a avançar. As propostas para o Estuário do Sado e a costa próxima de Setúbal não passaram do papel. Essas duas foram automaticamente postas de lado pelo Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e colidem de forma evidente com as dragagens que irão ser realizadas na entrada do Rio Sado para que o Porto de Setúbal receba navios de maior dimensão.

Em entrevista à TSF, Catarina Eiran confessa-se espantada e refere não ter recebido qualquer explicação sobre essa situação. ”Não nos foi dada nenhum explicação do porquê de duas áreas sim e duas áreas não, a nível de coordenação de projeto”.

O Ministério o Ambiente admitiu à mesma estação que a classificação  ecológica da entrada do Sado ainda não reuniu consenso, apesar de estar pronta no lado científico. O ministro João Matos Fernandes, responsável pela pasta do Ambiente, refere que estas aprovações são feitas em conjunto e os vários ministérios envolvidos têm que estar de acordo.

De salientar que as dragagens de grandes dimensões têm início em meados de novembro e têm gerado várias polémicas junto de pescadores, grupos de cidadãos e ambientalistas devido à forte presença da comunidade de golfinhos residente naquela área.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)