Rádio Observador

Companhia Nacional de Bailado

Companhia Nacional de Bailado apresenta “La Valse” e “A Sagração da Primavera”

As coreografias "La Valse", de Paulo Ribeiro, e "A Sagração da Primavera", segundo Vaslav Nijinski, vão ser apresentadas pela Companhia Nacional de Bailado no Teatro Camões, em Lisboa.

SERGEI ILNITSKY/EPA

Autor
  • Agência Lusa

As coreografias “La Valse”, de Paulo Ribeiro, e “A Sagração da Primavera”, segundo Vaslav Nijinski, vão ser apresentadas pela Companhia Nacional de Bailado (CNB) no Teatro Camões, em Lisboa, a partir de esta sexta-feira.

Os espetáculos — um deles em curta-metragem – vão ser apresentados até 17 de novembro, de acordo com a programação da companhia.

“La Valse” é uma curta-metragem de João Botelho, na qual os bailarinos da CNB interpretam uma coreografia de Paulo Ribeiro, ao som da música de Maurice Ravel, que teve estreia absoluta em 2012, pela companhia.

Esta criação, que agora é reposta, é o resultado de uma coprodução da Ar de Filmes com a CNB, interpretada ao som de uma música que Maurice Ravel, cerca de 1906, quis compor para orquestra em tributo à valsa e a Johann Strauss II.

Pretendia que fosse uma obra romântica, que intitulou “La Valse, un poème chorégraphique”, e sobre a qual escreveu ser “uma espécie de apoteose da valsa vienense”, que se misturava na cabeça do compositor, “com a ideia de turbilhão fantástico do destino”.

Acontece, porém, que Ravel acabou por se alistar no exército e interrompe a sua criação musical, e, só em 1919, após o final da 1.ª Guerra Mundial, retoma a ideia, em resposta a uma encomenda de Sergei Diaghilev, para os Ballets Russes.

Ravel refez integralmente a conceção inicial, influenciado pela experiência da guerra, o romantismo perdeu dominância, e o ritmo da valsa deriva frequentemente para o caos, numa metáfora à Europa de então.

A estreia acabou por acontecer em dezembro de 1920, sem que Diaghilev a tivesse utilizado, por a ter considerado, “não como um ballet, mas como um retrato de um bailado”, mas o coreógrafo George Balanchine viria a coreografar a composição, cerca de trinta anos mais tarde.

Em 2012, a CNB desafiou um coreógrafo e um realizador a explorarem a composição de Ravel e a conceberem um olhar cinematográfico sobre o movimento dos corpos.

Por seu turno, “A Sagração da Primavera”, também neste programa, tem coreografia segundo Vaslav Nijinski, com reconstrução coreográfica e encenação de Millicent Hodson, música de Igor Stravinski, e argumento de Igor Stravinski e Nicolas Roerich, cenografia e figurinos segundo Nicolas Roerich.

A estreia de “A Sagração da Primavera”, a 29 de maio de 1913, provocou um enorme escândalo, remetendo esta obra ao esquecimento, ao mesmo tempo que viria a tornar-se num marco da história da dança, pelo seu vanguardismo.

Em 1987, e após anos de pesquisa, Millicent Hodson e Keneth Archer, estrearam, no Jofrey Ballet, a reconstrução desta obra que se encontrava praticamente perdida e, em 1994, passou a fazer parte do repertório da CNB.

A estreia absoluta de “A Sagração da Primavera” foi em Paris, no Théâtre des Champs-Élysées, em 29 de maio de 1913, e a estreia pela CNB, em Lisboa, no Centro Cultural de Belém, foi a 22 de junho de 1994.

Para a produção de “A Sagração da Primavera”, a CNB contou com Millicent Hodson e Kenneth Archer no trabalho de remontagem da peça, os dois responsáveis pela recuperação da obra que implicou quase uma década de pesquisa.

Desde outubro de 2018 em Lisboa, ambos têm estado a desenvolver um processo de transmissão e remontagem do bailado junto do elenco da CNB, segundo a companhia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)