Rádio Observador

Prémios Emmy

Telenovela portuguesa “Ouro Verde” vence Emmy

594

Sete anos depois, Portugal volta a vencer um International Emmy Award: a telenovela "Ouro Verde", da TVI, foi distinguida esta segunda-feira. "La Casa de Papel" foi a estrela da noite.

PETER FOLEY/EPA

A telenovela portuguesa “Ouro Verde”, da produtora Plural Entertainment Portugal, foi distinguida na segunda-feira nos International Emmy Awards, em Nova Iorque, numa noite em que a protagonista foi a série espanhola “A Casa de Papel”.

“Ouro Verde”, da autoria de Maria João Costa e protagonizada por Diogo Morgado e Joana de Verona, disputava a categoria Telenovela com “Cesur ve Guzel”, “Istanbullu Gelin”, ambas da Turquia, e “Paquita La Del Barrio”, do México. “Ouro Verde” foi emitida na TVI entre janeiro e outubro do ano passado.

A primeira telenovela portuguesa distinguida com um Emmy Internacional foi “Meu Amor”, em 2010, emitida na TVI e protagonizada por Margarida Marinho, Alexandra Lencastre e Rita Pereira. No ano seguinte, Portugal voltou a vencer na categoria Telenovela dos Emmy Internacional, com “Laços de Sangue”, telenovela emitida na SIC e protagonizada por Joana Santos, Diana Chaves e Diogo Morgado.

Depois disso, Portugal somou apenas nomeações naquela categoria: “Remédio Santo” (TVI) e “Rosa Fogo” (SIC), em 2012, “Belmonte” (TVI), em 2014, e “Mulheres” (TVI), em 2015.

Na 46.ª edição dos Emmy Internacional, que decorreu esta noite em Nova Iorque, a série espanhola “A Casa de Papel” chamou a si todas as atenções ao vencer na categoria “melhor série dramática”, uma das mais importantes.

“La Casa de Papel”, transmitida no país vizinho pela emissora Atresmedia, enfrentava outras três ficções: “Urban Myths”, do Reino Unido, “Inside Edge”, da Índia, e “Um Contra Todos”, do Brasil.

“É o culminar de muitas horas de trabalho”, disse à agência Efe a diretora de ficção da Atresmedia, Sonia Martinez, minutos após receber a estatueta.

“Esta é a última paragem de um ano incrível e um sonho que nunca sonhámos”, disse o criador da série, Álex Pina. Pina descreveu a série, a mais bem-sucedida da Netflix em língua não-inglesa, como “entretenimento puro”. O projeto, prometeu, vai continuar agora com “ainda mais força” .

Outra das estrelas da noite foi a minissérie chilena “Uma história necessária”, que conta, em 16 capítulos, histórias que ocorreram durante a ditadura militar de Augusto Pinochet.

“A nossa motivação em a produzir é poder impactar as novas gerações e lembrar as mais velhas o quão importante é ter memória do que aconteceu no nosso país”, disse à Efe o diretor e produtor executivo do projeto, Hernán Caffiero.

“Especialmente no momento em que o discurso de ódio e a violência estão tão presentes nos momentos de hoje”, sublinhou.

Fundada em 1969, a Academia Internacional das Artes e Ciências da Televisão dos Estados Unidos é uma organização que está representada por membros de mais de 60 países e de cerca de 500 empresas da indústria televisiva.

Na 46.ª edição dos Emmy Internacional, a decorrer em Nova Iorque, serão entregues prémios em 11 categorias, nas quais estão nomeadas produções e personalidades de 20 países.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)