Rádio Observador

Futebol

Costinha diz que Nacional “não pode cometer erros” se quiser vencer Braga

O treinador do Nacional diz que a sua equipa terá de ser muito competitiva e que não pode cometer erros, se quiser vencer o Sporting de Braga. As duas equipas vão estar frente-a-frente na sexta-feira.

Costinha, o treinador do Nacional

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador do Nacional afirmou esta quinta-feira que, para vencer na sexta-feira o Sporting de Braga, na 18.ª jornada da I Liga de futebol, a sua equipa terá de ser “muito competitiva” e está “proibida de cometer erros técnicos”. “Temos de ser uma equipa extremamente competitiva. Tecnicamente, não poderemos cometer erros, quer ao nível do passe quer na receção da bola, porque o Braga tem uma forma de pressionar muito personalizada”, frisou Costinha.

De acordo com o técnico luso, o Nacional sofreu face ao Belenenses (0-1), na última ronda, uma “derrota marcante”, porque a equipa insular jogou “bem” e acabou por “sofrer um golo” e sair derrotada “de forma injusta”. “Isto é futebol. Temos agora de reagir na receção ao Sporting de Braga, que é uma grande equipa e está a lutar em todas as frentes, em termos das competições nacionais”, destacou Costinha, em conferência de imprensa.

Para o técnico do Nacional, não há adversários fáceis nem difíceis, mas sim um compromisso que a equipa tem e que passa “pela ambição de conquistar os três pontos e regressar às vitórias nos jogos em casa”. “Sabemos que a nossa tarefa será muito complicada, mas estaremos preparados para enfrentar essas dificuldades”, adiantou.

Referindo-se ainda à derrota com o Belenenses, Costinha diz que não se dá bem com resultados negativos. “Custa-me dormir, mas tento encontrar logo as soluções. Este grupo de jogadores que tenho também tem demonstrado uma vontade férrea e, por isso, trabalharam bem durante a semana para darmos a volta à situação já neste jogo”, explicou.

Para o treinador dos insulares, por maiores que sejam as dificuldades, a equipa tem de ter “sempre a ambição de vencer”. “Sei que o Braga tem processos que complicam a vida a qualquer equipa, mas nós temos que estar focados naquilo que temos que fazer, porque temos que olhar para todos os adversários da mesma forma, independentemente dos nomes e da grandeza”, observou.

Costinha analisou também os reforços de inverno, afirmando que a equipa fica “mais apetrechada com os jogadores contratados”. “A equipa em si tem crescido muito ao longo da competição, e só não gostei da atitude dos jogadores em dois jogos: a goleada com o Benfica e a derrota com o Portimonense, porque fomos muito permissivos”, destacou.

Ainda sobre a reabertura do mercado de transferências, afirmou não ser “muito a favor desta janela de mercado”, mesmo reconhecendo a possibilidade de “fazer algumas alterações que são benéficas”. “Por aquilo que temos feito, haverá alguns jogadores do nosso plantel a serem cobiçados por outras equipas e, se saírem, é normal que tenhamos que reforçar o plantel”, admitiu.

O Nacional, 12.º classificado, com 19 pontos, recebe na sexta-feira, pelas 18h45, o Sporting de Braga, terceiro colocado com 37, em jogo da 18.ª e primeira jornada da segunda volta da I Liga portuguesa de futebol.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)