PSP

PSP regista mais de duas dezenas de fogos em ecopontos e caixotes de lixo

408

Foram registados incêndios em 13 ecopontos e um caixote do lixo em Massamá, Cacém e Queluz e três ecopontos em Loures. Na Bela Vista, em Setúbal, foram registados sete pequenos incêndios em caixotes.

Segundo a PSP, não foram feitas quaisquer detenções

RUI MINDERICO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A PSP registou mais de duas dezenas de ocorrências entre as 23h30 de terça-feira e as 7h10 desta quarta-feira relacionadas com incêndios em ecopontos e caixotes de lixo na Grande Lisboa e em Setúbal.

Em comunicado, a PSP esclareceu que foram registados incêndios em 13 ecopontos e um caixote do lixo em Massamá, Cacém e Queluz e três ecopontos em Loures. Na Bela Vista, concelho de Setúbal, foram registados sete pequenos incêndios em caixotes de lixo e uma viatura ficou danificada.

Em Camarate houve incêndios em quatro viaturas, mas sem origem criminosa e que foram causados por uma anomalia no sistema elétrico de uma delas, segundo a PSP. “A pronta intervenção conjugada dos polícias e dos bombeiros de várias corporações permitiu controlar todos os focos de incêndio e evitar males maiores”, sublinha a PSP na nota.

A PSP adianta que está a investigar estes casos e até ao momento não há suspeitos identificados.

No comunicado, a PSP lembra que “as ações criminosas relatadas constituem crimes de dano qualificado e incêndio que afetam diretamente o bem-estar e qualidade de vida das populações, e passíveis de ser punidos com pena de prisão”.

Por isso, aquela força de segurança apela às pessoas para que “denunciem imediatamente às autoridades todas as ações idênticas que presenciem ou de que tenham conhecimento, de forma a possibilitar a identificação e detenção dos suspeitos da prática dos crimes”.

Num comunicado anterior, a PSP esclareceu que “nada indicia, até ao momento, que [estes incidentes] estejam associados à manifestação” de protesto contra uma intervenção policial no bairro da Jamaica, no Seixal (distrito de Setúbal), no domingo. O Ministério Público abriu um inquérito aos incidentes no bairro da Jamaica e a PSP abriu um inquérito para “averiguação interna” sobre a “intervenção policial e todas as circunstâncias que a rodearam”.

Detidos na Avenida da Liberdade tinham antecedentes criminais

Três dos quatro detidos durante os confrontos com a polícia na Avenida da Liberdade tinham quase todos cadastro ou ficha na polícia, avançou esta quarta-feira o Diário de Notícias. Segundo fonte policial, um dos detidos tem mais de 40 registos de crimes ou incidentes e todos têm problemas com a polícia, desde ofensas à integridade física a desacatos.

Do grupo que foi detido, apenas há um português, sendo os restantes dois guineenses (um deles não estava referenciado na polícia) e um cabo-verdiano. Nenhum é do bairro da Jamaica: dois são do Cacém, um de Paço de Artos, outro da Póvoa de Santo Adrião e outro de Paio Pires.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)