Taça de Portugal

As mãos de André Almeida e Coates e a queda de Diaby na área: os casos do dérbi

201

Benfica pediu penálti de Coates, Sporting pediu penálti de André Almeida, Diaby caiu na área e pediu falta de Cervi. Os casos do dérbi que teve (muito) menos VAR do que o de domingo.

Encarnados reclamaram uma grande penalidade de Coates logo nos primeiros minutos da segunda parte

Pedro Rocha / Global Imagens

Ainda que menos escaldante do que o dérbi do passado domingo – talvez face à inferior qualidade exibicional do Benfica no ataque, a alguma melhoria exibicional do Sporting e ao diminuir dos golos que ilustravam o marcador na altura do apito final –, o Benfica-Sporting da primeira mão da meia-final da Taça de Portugal teve vários casos e diversos lances que suscitam dúvidas. Sem a intervenção recorrente e o protagonismo que adquiriu no jogo do Campeonato, o VAR que tinha Jorge Sousa no comando não foi um elemento ativo no jogo desta quarta-feira e grande maioria das decisões a Luís Godinho se devem.

Logo aos 12 minutos, ainda antes do golo inaugural de Gabriel, o Benfica ficou a pedir grande penalidade de Tiago Ilori sobre Salvio. O árbitro da partida mandou jogar.

Três minutos depois, pediu penálti na outra área. O estreante Borja cruzava a partir da esquerda e viu a tentativa esbarrar no corpo de André Almeida – os jogadores leoninos pediram mão na bola do lateral português mas, mais uma vez, Luís Godinho nada assinalou.

Já na segunda parte, num lance muito semelhante mas com as posições entre acusado e acusador a inverterem-se, o Benfica ficou a pedir penálti por mão na bola de Sebastián Coates depois de um cruzamento de João Félix. Desta vez, o árbitro da partida ficou à espera da decisão do VAR, que terá considerado que a ação do central uruguaio foi involuntária.

Aos 56 minutos, novamente o Sporting a pedir grande penalidade. Cruzamento de Bruno Gaspar na direita e é Acuña quem surge a tentar desviar para a baliza de Svilar. O médio argentino ficou a pedir falta do central Jardel, que acabou por aliviar o lance e não permitir o cabeceamento de Acuña.

Aos 86 minutos, já após o grande golo de Bruno Fernandes e com o Sporting a tentar utilizar os últimos instantes da partida para chegar ao empate, Diaby surgiu em boa posição a entrar na grande área pelo corredor direito mas acabou por cair antes de conseguir o cruzamento ou o remate. O maliano ficou a pedir penálti de Cervi mas Luís Godinho mandou seguir.

Mesmo em cima do minuto 90, Borja cruzou para tentar encontrar Bas Dost mas Luís Godinho assinalou falta do avançado holandês sobre o guarda-redes Svilar. Dost ainda introduziu a bola dentro da baliza mas o lance não pode ser considerado um golo anulado, já que o árbitro apita ainda antes do avançado rematar.

Naquele que foi o penúltimo lance da partida, Grimaldo foi mais forte do que Bruno Gaspar no corredor esquerdo do ataque do Benfica e obrigou à dobra de Coates, que acabou por fazer falta sobre o lateral espanhol. Os encarnados pediram grande penalidade mas Luís Godinho considerou que o puxão aconteceu antes da grande área defendida por Renan.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)