Rádio Observador

Literatura

Romance “Viagens”, vencedor do Booker Internacional, chega às livrarias portuguesas

125

O livro levante questões como "de onde provimos?" e "para onde vamos ou regressamos?" e fala de nomes bem conhecidos, do pianista poloca Chopin ao herói grego Aquiles.

FACUNDO ARRIZABALAGA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Viagens, um romance que mapeia diversas viagens no tempo, espaço e corpo humano, ao longo dos séculos, vencedor do Prémio Man Booker Internacional 2018, chegou este mês às livrarias portuguesas, marcando também a estreia da autora em Portugal. Da autoria da multipremiada escritora polaca Olga Tokarczuk, Viagens levanta questões como “de onde provimos?” e “para onde vamos ou regressamos?”, através do cruzamento de histórias de viagem moderna com a história de um anatomista do século XVII, que dissecou a sua própria perna amputada, e a viagem do coração do compositor Frederic Chopin de Paris até Varsóvia, após sua morte.

“Fascinante, intrigante e de uma originalidade rara, este livro é uma resposta sublime a todas estas questões, uma teia de reflexões que entretece ficção, memória e ciência. Uma exploração profunda sobre o corpo humano, a vida que surge, a morte e o movimento, levando-nos ao âmago do próprio significado de humanidade”, destaca a editora.

Publicado em Portugal pela Cavalo de Ferro, chancela da editora 2020, que desta forma inaugura o nome da escritora polaca entre os autores traduzidos e comercializados em Portugal, Viagens é uma obra que o júri do prémio Man Booker Internacional definiu como “espirituosa” e na qual “a condição contemporânea do movimento perpétuo” encontra a certeza da morte.

Entre as histórias desta história, contam-se a do coração de Chopin, que é secretamente levado de volta para Varsóvia pela sua irmã; a de uma emigrante polaca residente na Nova Zelândia, que se vê obrigada a regressar ao país de origem para envenenar o seu primeiro amor, moribundo numa cama; a de um homem que começa a enlouquecer quando a mulher e o filho desaparecem misteriosamente, apenas para, do mesmo modo, reaparecerem subitamente. Conta-se também a história do anatomista holandês Philip Verheyen, que existiu na realidade e descobriu o tendão de Aquiles; de um escravo tornado cortesão do século XVIII na Áustria; ou de uma mulher, na era presente, que acompanha o seu marido num cruzeiro nas ilhas gregas.

“Através destas e outras histórias e personagens, brilhantemente relatadas ou simplesmente imaginadas, Viagens explora, ao longo dos séculos, o significado de se ser um viajante, um corpo em movimento, não apenas através do espaço, mas também do tempo”, acrescenta a editora.

Viagens é um romance no qual os críticos do The Guardian encontraram “ecos” de W G. Sebald, Milan Kundera, Danilo Kis e Dubravka Ugresic, mas num registo “rebelde e habilidoso”, muito característico de Olga Tokarczuk. Já a The New Yorker considerou que a “perspicácia” da visão da autora “transforma o mundo”, da mesma forma que “o seu livro altera as formas convencionais de escrita”.

Nascida em 1962, Olga Tokarczuk é autora de oito romances e de duas coleções de contos, sendo também coorganizadora de um festival literário perto da sua casa, no sul da Polónia. A escritora venceu já múltiplos prémios e é autora de ‘bestsellers’ na Polónia, mas o seu trabalho só agora começa a adquirir reconhecimento no mundo anglófono, o que ficou expresso pela atribuição do prémio Booker internacional do ano passado.

Olga Tokarczuk foi ainda finalista do National Book Award para literatura traduzida, e este ano está novamente nomeada para o Prémio Man Booker Internacional com o livro “Drive your plow over the bones of the dead” (“Conduz o teu arado sobre os ossos dos mortos”, em tradução livre), frase retirada de uma poesia de William Blake, de quem a excêntrica protagonista desta história é uma apreciadora.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)