História

Rede de Judiarias é mais-valia determinante para desenvolvimento da região Centro

208

O investimento de sete milhões de euros na Rede de Judiarias de Portugal constitui para a diretora regional de Cultura do Centro uma "mais-valia determinante" para o desenvolvimento da região.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O investimento de sete milhões de euros realizado no âmbito da Rede de Judiarias de Portugal constitui para a diretora regional de Cultura do Centro uma “mais-valia determinante” para o desenvolvimento da região.

“Numa região que tem problemas que estão absolutamente identificados, do ponto de vista da desertificação dos territórios, a criação deste tipo de oportunidades de negócio pode vir a revelar-se no futuro, aliás, penso que já se está a revelar, neste momento, como uma mais-valia absolutamente determinante para o desenvolvimento da região”, disse Susana Menezes à agência Lusa.

O programa “Rotas de Sefarad, Valorização da Identidade Judaica Portuguesa no Diálogo de Culturas” desenvolveu-se entre 2014 e 2017 e teve como entidade promotora a Rede de Judiarias de Portugal.

A medida permitiu um investimento de sete milhões de euros (financiamento do programa EEA Grants, do Estado Português e dos municípios envolvidos) e teve uma execução superior a 95%.

Segundo a responsável pela Direção Regional de Cultura do Centro (DRCC), o programa permitiu reorganizar o património relacionado com a presença judaica e criar uma rota que, “do ponto de vista do turismo, de todas as atividades relacionadas com a indústria do lazer, é absolutamente estruturante”.

Para o futuro, adiantou que há “outras parcerias que poderão vir a ser potenciadas, nomeadamente com Espanha”, que também tem uma Rede de Judiarias.

“Há um caminho óbvio de internacionalização, que vai ser feito, como é evidente, mas há também investigação a ser aprofundada, desenvolvimento de outros estudos, para abrir potencialidades e para abrir outro leque de oportunidades dentro da região”, disse.

Susana Menezes valoriza o programa por permitir fazer a ligação do local com o global.

“Isto [Rede de Judiarias] liga-nos numa grande rede global com os Estados Unidos da América, por exemplo. Portanto, não apenas com países europeus, mas com países na América do Norte e até mesmo na América do Sul. A Rede pode consubstanciar uma ligação universal muito maior do que aquilo que neste momento até está a acontecer”, vaticina.

Um dos projetos apoiados pelo programa foi o Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes, em Vilar Formoso, Almeida, que abriu em agosto de 2017.

O presidente da Câmara Municipal de Almeida, António José Machado, disse à agência Lusa tratar-se de um equipamento “importante”, por “esbater a interioridade”.

“É com a ligação entre os equipamentos e a parte económica, da hotelaria, da restauração, que poderemos dar a volta ou, pelo menos, minimizar esta avalanche de despovoamento”, disse.

Segundo o autarca, o espaço, que possui seis núcleos expositivos relacionados com as temáticas “Gente como nós”, “Início do pesadelo”, “A viagem”, “Vilar Formoso fronteira da paz”, “Por terras de Portugal” e “A partida”, já acolheu cerca de nove mil visitantes nacionais e estrangeiros.

“Temos aqui várias segmentações de público. Segmentações a nível nacional e a nível internacional. Somos um museu recente, por isso ainda não muito conhecido no mercado turístico, mas já conseguimos captar algum, nomeadamente excursões, escolas, universidades, investigadores, professores, um pouco de tudo”, disse Fernanda Cruz, coordenadora do equipamento que custou cerca de 1,2 milhões de euros.

A responsável lança o desafio aos professores de História para que visitem o espaço, alegando que “vale a pena darem uma aula viva” naquele local.

Os habitantes de Vilar Formoso valorizam o projeto museológico por considerarem que tem contribuído para captar turistas.

Jorge Fonseca, proprietário de um quiosque/bar, disse que a movimentação de pessoas “melhorou um bocadinho” desde a inauguração do museu.

“Não é assim muito, mas faz diferença, bastante diferença. Ao fim de semana há sempre mais movimento”, declarou.

Manuel Costa, que possui um quiosque de venda de jornais, também reconhece que o equipamento cultural “trouxe mais movimento” ao largo da Estação da CP, onde se situa.

“As pessoas já se espalham, já ficam a almoçar, já é bom para os restaurantes e tudo”, disse.

Outra comerciante da vila, Maria José, admite que a obra “veio dinamizar” Vilar Formoso.

“É uma coisa boa. Precisamos é cá de outras obras como esta. Mas penso que sim, que é uma coisa boa e espero que traga, efetivamente, mais turistas”, afirmou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)