Rádio Observador

Bibliotecas

A Biblioteca Nacional chegou ao Campo Grande há 50 anos. Data vai ser comemorada com grande exposição

742

Os 50 anos da mudança da Biblioteca Nacional do Convento de São Francisco para o edifício do Campo Grande vão ser assinalados com uma exposição com documentação inédita. Inauguração é na terça-feira.

A Biblioteca Nacional de Portugal (BNP) mudou-se para o edifício do Campo Grande em 1969

Orlando Almeida

A Biblioteca Nacional de Portugal (BNP) mudou-se do Convento de São Francisco, onde estava instalada desde 1837, para o Campo Grande em 1969. De modo a assinalar os 50 anos da mudança, será inaugurada, no próximo dia 30 de maio, uma exposição que pretende “dar a conhecer como foram detalhadamente pensados e construídos os interiores e equipamentos do novo edifício”, projetado por Porfírio Pardal Pinheiro e continuado, depois da morte deste, por António Pardal Monteiro.

“Reconstituindo o contraste através de peças originais, algumas mostradas ao público pela primeira vez”, a mostra, intitulada Do Convento ao Campo Grande, irá incidir sobretudo “nos processos de arquitetura de interiores e mobiliário”, explicou a BNP num comunicado emitido esta quarta-feira. Em exibição estarão, além de desenhos de projeto e fotografias, também relatos do então diretor da biblioteca, Manuel dos Santos Estevens, entre outros materiais.

“Cada função, cada utilizador, cada ocasião – sala a sala, móvel a móvel – denotam a preocupação de criar condições adequadas para o trabalho, de materializar um sentido de rigor e de ordem”, explicaram os comissários João Pardal Monteiro e João Paulo Martins na mesma nota, sublinhando a surpresa causada pela descoberta do cuidado na “conciliação do rigor, funcionalidade e estética” evidenciado pelas peças que recolheram para esta exposição.

A Biblioteca Nacional foi inicialmente instalada no Terreiro do Paço. A falta de condições para receber as livrarias dos conventos extintos em 1834, levou a que fosse transferida para o antigo Convento de São Francisco, também em Lisboa. Depois de sucessivas direções terem manifestado a desadequação destas instalações, foi iniciado, em 1952, o processo de mudança da BNP, já sob a direção de Santos Estevens, para o atual edifício no Campo Grande.

O projeto de arquitetura foi entregue ao arquiteto Porfírio Pardal Monteiro e continuado por António Pardal Monteiro. Este envolveu “uma equipa multidisciplinar de jovens projetistas para as infraestruturas técnicas, paisagismo, interiores e mobiliário”, lembrou a BNP: o arquiteto José Luís Amorim ficou encarregue do projeto dos depósitos e das salas de trabalho dos serviços e o designer Daciano da Costa pela arquitetura de interiores e mobiliário das salas de direção e principais espaços públicos; o arquiteto Manuel João Leal desenho algumas peças complementares e os móveis foram construídos por empresas como a Olaio, Altamira e Fábrica Osório de Castro.

exposição Do Convento ao Campo Grande vai aberta ao público no dia 30 de abril, terça-feira, pelas 18h, na BNP. Na inauguração estará presente a ministra da Cultura, Graça Fonseca. Depois disso, poderá ser visitada gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 19h30, e ao sábado, das 9h30 às 17h30.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)