Rádio Observador

Crítica de Livros

A casa dos nossos livros

"Vamos Descobrir a Biblioteca Nacional", um livro que é toda uma pequena pedagogia dirigida a futuros utilizadores, a que não faltam algumas curiosidades sobre esse património acumulado de séculos.

Autor
  • Vasco Rosa

Título: “Vamos Descobrir a Biblioteca Nacional”
Autora: Luísa Ducla Soares
Ilustradora: Mariana Rio
Design: Pato Lógico
Editora: Imprensa Nacional
Páginas: 88
Preço: 15 €

O trabalho dum editor — de qualquer editor — pode e deve ser escrutinado enquanto tal, isto é, enquanto ofício envolvendo escolha de autores e títulos e o modo ou arte de os tornar “papéis pintados”. Aí revelam-se preferências pessoais ou de tendência, mas também e não poucas vezes todo um pacto de silenciamentos, hostilidades e exclusões que ajudam bastante a perceber o carácter dos protagonistas, o palco e os bastidores duma época. Esse escrutínio crítico é, portanto, também uma forma de memória cultural, todavia ainda muito negligenciada no nosso país, onde é reduzidíssimo o número de obras que foram ou são dedicadas ao mundo editorial e livreiro, e depois a atenção que estas recebem, ou pura e simplesmente não recebem. Esse défice também traduz a desatenção ou baixa estima que à figura dinâmica do editor dedicam historiadores e sociólogos culturais ou a política pública de arquivos e os arquivistas literários, um problema antigo e sem solução à vista que bastante nos há-de fazer amargar um dia, quando se perder a oportunidade de registo de testemunhos vívidos de monta — mas quem se ralaria com isso, a começar pelo Ministério da Cultura e o seu inútil Instituto do Livro? Uma recentemente anunciada série de biografias de “grandes figuras da cultura portuguesa” não inclui um único editor no lote dos escolhidos, e isso é bem significativo do estado destas coisas.

Um depoimento memorialístico como o de Serafim Ferreira, agora mesmo reabilitado e contextualizado com grande mérito por Pedro Piedade Marques (Olhar de Editor, ed. revista e aumentada, Montag, Fevereiro de 2019, 210 pp.), o pioneiro Edição e Editores: O Mundo do Livro em Portugal, 1940-1970 de Nuno Medeiros (Imprensa de Ciências Sociais, 2010, 332 pp.), o admirável & etc, uma Editora no Subterrâneo (Letra Livre, 2013, 229 pp.), ou os ainda muitos frescos de tinta O Livro no Portugal Contemporâneo também de Nuno Medeiros (Le Monde Diplomatique, Dezembro de 2018), Democracia do Livro em Portugal. Transições, Protagonistas e Evolução Sociocultural de Rui Beja (Âncora, Março de 2019, 248 pp.), são praticamente tudo o que temos, e sendo, todos eles, documentos válidos, ficam muito aquém do que precisa de ser feito e ao nível em que precisa de ser feito — algo que, aliás, nunca seria almejado pelas três ou quatro entrevistas apressadas a editores e ao jeito de monografias laudatórias, que a agência Booktailors a dado momento decidiu fazer com o fito de uma aproximação estritamente clientelar…

Vem isto um pouco a pretexto da denúncia feita por João Pedro George, na Sábado online do passado dia 1 de Abril (e que continua sem réplicas ou desenvolvimentos), do que parece ser um deplorável e muito imprudente favorecimento nepótico do editor da Imprensa Nacional a seu tio, o sinuoso António Mega Ferreira: sem dúvida, uma mancha negra que, a ter consequências, pode interromper um trabalho todavia digno de boa nota — porventura ainda pouco ou mal avaliado em toda a sua extensão —, atendendo desde logo ao que foi, e sobretudo não foi, todo o sucessivo histórico da editora do Estado desde o já muito longínquo consulado do saudoso Vasco Graça Moura, e diante do qual a acção de Duarte Azinheira representa, inequivocamente, um muito considerável passo em frente. E um dos seus maiores méritos foi precisamente a busca da colaboração de designers e ilustradores de primeira linha, capazes de refrescar e actualizar as produções da casa, com o vigor artístico e o prestígio já internacional que lhes estão associados (algo que, de resto, em diferentes ocasiões já sublinhei neste jornal, a respeito, por exemplo, dum roteiro lisboeta de José de Almada Negreiros, do catálogo duma exposição histórica na Casa do Design de Matosinhos ou de um prodigioso livrinho sobre arte popular). E no mesmo movimento, parece-me estar a abrir o ambiente oficinal, tecnicamente evoluído mas de resistente tradicionalismo estético, aos exigentes desafios experimentais de designers novos, como tão magnificamente ficou demonstrado no álbum “Imprimere”. Arte e processo nos 250 anos da Imprensa Nacional, de Rúben Dias e Sofia Meira.

Ora, o presente livro sobre a Biblioteca Nacional — onde, assinale-se, a IN abriu uma livraria em Agosto do ano passado — cumpre perfeitamente esse hábil e profícuo conjugar de talentos de escritor, ilustrador e designer, desta feita em benefício e sucesso duma obra útil ao conhecimento ou reconhecimento duma instituição patrimonial da maior importância por “leitores de palmo e meio”, com tudo o que isso comporta de tentativa de construção duma consciência cultural inclusiva. Luísa Ducla Soares, de 79 anos, é uma autora de reconhecidos méritos e créditos neste exigente género literário, e os empáticos desenhos da jovem ilustradora e designer Mariana Rio — integrando a excelência duma geração ímpar — já receberam uma mão cheia de distinções, inclusive em Bolonha, evereste da mostra internacional dessas realizações pictóricas, em fulgurante ascensão qualitativa, do digital ao artesanal. Além disso, o facto de Ducla Soares ter sido durante muitos anos funcionária da própria Biblioteca, facilitou-lhe sobremaneira a tarefa de apresentar a instituição — e a sua história verdadeira, em traços gerais, naturalmente — a um público habitualmente seduzido pela fantasia da imaginação literária tout court, e com “pouca paciência para longas explicações” (p. 21).

A narrativa consiste numa visita guiada a dois adolescentes, Joana e João, de 12 anos, na companhia do primeiro bibliotecário-mor da Real Biblioteca Pública da Corte, o famoso António Ribeiro dos Santos (por sinal, saído do seu retrato na Sala do Conselho da própria biblioteca; pp. 68-69), e de “um professor japonês”, certamente um dos investigadores de todo o mundo que ali vêm trabalhar. Passa pelo Terreiro do Paço, de 1796 a 1837, e pelo convento de São Francisco, desta data até 1969 e ao edifício projectado por Porfírio Pardal Monteiro no Campo Grande, a que foi acrescentada uma segunda torre em 2008-11. A um “percurso do livro”, da desinfectação à catalogação, da encadernação ao restauro, segue-se um “percurso do leitor”, do serviço de referência e inscrição como leitor às diferentes salas de leitura, incluindo a de reservados e as de música, cartografia e iconografia (e a sala de leitura para deficientes visuais).

É toda uma pequena pedagogia dirigida a supostos futuros utilizadores, a que não faltam algumas curiosidades sobre esse património acumulado de séculos, desde códices medievais iluminados e respectivos bestiários, aos primeiros incunábulos, à cartografia dos descobrimentos, ao arquivo de cultura portuguesa, com os papéis de alguns escritores, o livro maior e o livro menor (1,69 m e 5 mm, respectivamente). “A guia não quis deixar de frisar que, por muito boa que seja uma biblioteca, ela tem de evoluir, adaptar-se aos novos tempos, às novas necessidades” (p. 24), no entanto, nada é dito ou esclarecido sobre como práticas contemporâneas de leitura e actuais suportes digitais estão a ser integrados na patrimonização cultural — de que a BNP é vértice —, ou como a própria digitalização documental e seu acesso à distância, tornando-a inclusiva para todos e para todo o território, está a ser ou vai ser uma prioridade institucional.

Menos ainda, e podia ter sido feita essa essencial pedagogia — a pretexto, por exemplo, do “período de ouro” (p. 18) que consistiu o consulado do Grupo da Biblioteca, com Jaime Cortesão, Raul Proença e outros, e da exibição pública feita no convento de São Francisco de uma enorme quantidade de velhos livros degradados à espera de meios de restauro —, que sobre os vindouros recai sempre a árdua tarefa de conservar heranças recebidas e de vigiar governos e os meios por eles investidos na conservação e ampliação do património nacional, com a turbulência acrescida pela aceleração, proliferação e sobreposição de meios em uso, e que a Biblioteca Nacional tem em tudo isso — em teoria, e espera-se que também na prática — um papel fundamental. Algum alarme sobre a situação actual da instituição (que nada tem a ver com o oiro e azul da capa deste simpático livro), repetidamente sublinhada por alguns dos seus destacados leitores, parece-me hoje indissociável de qualquer discurso que a tenha como motivo e referência. E um livro destinado a jovens sobre uma instituição de gente envelhecida podia ter ido mais além no seduzi-los para o silencioso e maravilhoso mundo das bibliotecas, onde cada ofício ou função é um serviço nobre e gratificante. Mas talvez — como Luísa Ducla Soares saberá muito melhor do que eu — isso não se consiga num só dia, numa única visita guiada e num pequeno, sugestivo e muito bem feito livro, como este realmente é.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)