Professores

Sindicatos dos professores reúnem-se esta quarta-feira para decidir novas formas de luta

São dez as organizações sindicais que se sentam à mesa para decidir como reagir ao chumbo, pelo parlamento, da recuperação integral do tempo de serviço.

Jose Sena Goulao/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Dez organizações sindicais de professores reúnem-se esta quarta-feira para decidir novas “ações e lutas” pela recuperação integral do tempo de serviço, que foi chumbada na sexta-feira pelo parlamento em votação final.

Os professores reclamam a reposição de nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado entre 2011 e 2017.

Na sexta-feira, PSD, PS e CDS-PP reprovaram, em votação final global, o texto proveniente da comissão parlamentar de Educação para a reposição integral do tempo de serviço dos professores, que teve o apoio do BE, PCP e PEV.

Como resultado desta votação, em que o PAN optou pela abstenção, fica em vigor o decreto do Governo que recupera apenas dois anos, quatro meses e 18 dias do tempo de serviço da carreira docente congelado.

Com o chumbo na Assembleia da República do princípio da recuperação integral do tempo de serviço dos professores ficou afastado o cenário da demissão do Governo, que foi colocado em cima da mesa pelo primeiro-ministro, António Costa, em03 de maio.

Na sexta-feira, no exterior do parlamento, o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, prometeu continuar a luta.

As duas principais estruturas sindicais de professores, Fenprof e Federação Nacional de Educação (FNE), reúnem-se esta quarta-feira com mais oito organizações sindicais e, após a reunião, dão uma conferência de imprensa, em Lisboa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Despedir os professores todos

João Pires da Cruz
882

A minha proposta é despedir os professores todos e entregá-los a Bruxelas. A escolha dos professores e a sua gestão deve ser feita pelas escolas; o pagamento dos seus salários deve vir de Bruxelas.

Escolas

Como travar o Processo de Elitização em Curso?

Rodrigo Queiroz e Melo

O atual sistema prejudica fortemente e condiciona a mobilidade socioeconómica. A maior das ironias é que tenha sido a atual solução governativa a causadora de tamanha desigualdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)