Sporting

Marcel Keizer e o culto do altruísmo que lhe valeu seis meses como não se viam há mais de uma década

552

É preciso recuar a 2008 para encontrar uma época com dois troféus ganhos pelo Sporting mas, após mais uma vitória, foi dos jogadores e de quem trabalha no clube que Keizer falou. E de Bruno, claro.

Marcel Keizer estreou-se pelo Sporting na Taça de Portugal (Lusitano Vildemoinhos) e acabou temporada a levantar o troféu

AFP/Getty Images

Quando Marcel Keizer chegou a Alvalade, o Sporting já não tinha um treinador estrangeiro desde Franky Vercauteren (com o sucesso, ou a falta dele, que registou nos poucos meses que esteve no clube). O único ponto em comum era mesmo a anterior equipa, o Al Jazira. Mas nem isso, nem a falta de um currículo com muitos títulos, nem o desconhecimento de uma realidade complexa como a que os leões atravessavam nessa fase impediu a sua contratação. Seis meses depois, os resultados surgiram.

“Ganhar dois troféus é muito bom. A mentalidade desta equipa é inacreditável, lutaram até à exaustão e no final não havia uma gota mais de energia. Foi uma grande luta, de novo com penáltis, e estou muito satisfeito. Este jogo foi ainda mais complicado do que as meias-finais e a final da Taça da Liga porque sofremos um golo no final do prolongamento e tínhamos apenas três minutos para recuperar o foco e voltarmos a estar preparados. Todos os jogadores estiveram muito bem, com um guarda-redes também muito bom a defender penáltis”, começou por referir o holandês na conferência.

“Fizemos tudo juntos, adjuntos, funcionários do Sporting, outras pessoas que trabalham aqui. Pensar em novembro que podíamos ganhar dois troféus… é muito bom. O que senti quando Bruno Fernandes levantou o troféu? Bem, quando vamos para cima é algo mais para os jogadores, o treinador está mais atrás apenas a ver os seus jogadores celebrarem. Os jogadores merecem todo o crédito porque a mentalidade do grupo é excelente e fizeram no jogo o que fazem nos treinos”, atiraria mais tarde, em mais uma ideia altruísta que foi mantendo com sucesso ao longo dos meses em que está em Portugal.

Sobre a próxima época, Keizer voltou a passar um pouco ao lado da permanência de Bruno Fernandes mas garantiu que a ideia passa por ter um plantel mais competitivo. “Estamos preparados para perder jogadores, acontece sempre no verão. Outros virão para os seus lugares. Espero que a maioria fique mas quando os jogadores têm uma época de grande rendimento, tudo pode acontecer. Início de ciclo? É difícil dizer isso, depende da próxima janela de transferências. O clube está a fazer tudo para preparar da melhor forma este plantel. Ganhámos duas taças mas não é a mesma coisa do que o Campeonato e aí ficámos a mais de dez pontos dos nossos adversários. Temos de reduzir essas distâncias”, sublinhou.

Por fim, o técnico recordou ainda o “ano muito emocional que fez com que a equipa soubesse a importância do jogo” mas não se lembrou das palavras que teve com Bruno Fernandes após o penálti decisivo de Luiz Phellype. “Não me recordo mesmo… Talvez tenha dado os parabéns pelo jogo e pela temporada que fez”, confessou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)