Rádio Observador

Lifestyle

Nike expõe manequins “plus-size” em Londres e nem todas as reações foram boas

743

A Nike expôs manequins "plus-size", com o objetivo de "celebrar a diversidade e a inclusão". Mas houve quem tenha lamentado a decisão, afirmando estar perdida "a guerra contra a obesidade".

Em Oxford Circus, a Nike surpreendeu os seus clientes com manequins "plus-size"

No último fim de semana, a Nike resolveu expor manequins plus-size na sua principal loja de Londres, em Oxford Street, também conhecida como Nike Town. A marca justificou a opção como forma de “celebrar a diversidade e a inclusão no desporto”. Sarah Hannah, vice-presidente da linha feminina para os mercados europeu, africano e do Médio Oriente, trouxe mais substância ao discurso: “Com o fantástico momento que estamos a viver no desporto feminino, a reformulação do espaço é só mais uma demonstração do compromisso da Nike em inspirar e servir as mulheres atletas”.

Os manequins, de formas voluptuosas, chamaram as atenções, mas nem todas as reações foram positivas. No The Telegraph, a cronista Tanya Gold considerou perdida “a guerra contra a obesidade”, classificando o manequim de plástico como “enorme” e “gigantesco”. “O novo manequim é obeso e não se está a preparar para correr no seu impecável equipamento Nike. Ela não consegue correr. Ela está mais para pré-diabética e a caminho de uma operação à anca. Que cinismo terrível por parte da Nike”, escreveu ainda no mesmo artigo de opinião.

A opinião de Gold foi rapidamente categorizada como “gordofobia”, por oposição ao que muitos consideraram “um passo em direção à positividade corporal”. Em resposta ao artigo, há quem argumente a necessidade de normalizar a imagem das pessoas gordas em sociedade. Enquanto isso, outros apelam à lógica, defendendo que, em última análise, o excesso de peso requer exercício físico e que, para praticá-lo, tem de haver vestuário adequado e à medida de todos os corpos. Algumas mulheres chegaram mesmo a reagir às críticas da cronista referindo o facto de praticarem exercício regularmente e de, ainda assim, se manterem acima do seu peso ideal.

A Nike lançou uma linha de vestuário feminino plus-size em fevereiro de 2017 e desde então que tem feito uma comunicação atenta à diversidade de corpos. O exemplo mais recente foi a campanha feita com o grupo de dança HoneyBeez, que há anos faz furor nos campos de futebol americano. A par disso, tem estado associada a personalidades como a modelo Paloma Elsesser, as influenciadoras Grace Victory, Chloe Elliott e Danielle Vanier e a atleta Amanda Bingson.

Em novembro do ano passado, Grace e Chloe estiveram entre as 15 mulheres que assinaram uma carta aberta, publicada pela edição britânica da revista Cosmopolitan. No texto, reclamavam que mais marcas tivessem as suas linhas e coleções plus-size disponíveis nas lojas físicas. Na origem desta espécie de manifesto, esteve uma estatística, segundo a qual 45% dos consumidores com excesso de peso faziam as suas compras online.

Numa outra frente, também este ano, a Nike viu a Associação Internacional de Boxe autorizar o uso de hijab dentro do ringue. Uma peça há muito desenhada pela marca, em especial, para a alemã Zeina Nassar, um rosto da luta por este direito.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)