Rádio Observador

Super Bock Super Rock

SBSR. Janelle Monáe deixou a mensagem mais forte mas foram os Migos que levaram a taça para casa

Quavo, Offset e Takeoff provocaram a maior enchente do SBSR, que nem Lana Del Rey, grande cabeça de cartaz, foi capaz de produzir. Janelle Monáe esforçou-se por criar memórias e pediu um mundo melhor.

Quavo, rapper que integra o grupo Migos, no concerto dos norte-americanos este sábado no festival Super Bock Super Rock

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

De onde apareceu toda esta gente, que de repente tornou a Herdade do Cabeço da Flauta um sítio claustrofóbico como nunca o foi por estes dias (nem quando atuou a cabeça de cartaz Lana Del Rey)? Que fenómeno é este que leva adolescentes e jovens adultos a desfalecer junto às grades do palco principal do Super Bock Super Rock, devido ao calor provocado pelo aperto e pelos empurrões? Como é que miúdos de chapéu, tranças, camisolas de basquetebol, joalharia ao pescoço, estão ao lado de rapazes de camisas Ralph Lauren e raparigas de purpurinas na cara, todos juntos a saltar e a cantar uns aparentemente indecifráveis e intraduzíveis versos de uns dos maiores proponentes do rap trap, os norte-americanos Migos?

Quem estiver mais desatento ao fenómeno que é o trap — ramificação do hip-hop para a qual as palavras, geralmente poucas e balbuciadas rapidamente, quase com displicência, servem sobretudo para pontuar batidas graves e festivas que fazem tremer o chão –, poderá ter ficado surpreendido com o que viu este sábado seja altura então de despertar: o trap veio mesmo para ficar, domina os gostos de gente suficiente para encher festivais de verão e no Super Bock Super Rock está-se a tornar aposta anual. Depois de Future, em 2017, e Travis Scott, em 2018, eis outros gigantes do género musical em 2019. Respondem pelos nomes artísticos Quavo, Offset e Takeoff, e juntos formaram os Migos há perto de uma década. O sucesso e impacto na última década é tanto que em 2015 o site Complex, dedicado ao hip-hop, proclamava uma provocação que na verdade era mais texto humorístico: “Dez razões pelas quais os Migos são melhores do que os Beatles”.

[O público no último dia de concertos do Super Bock Super Rock:]

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

O melhor talvez seja deixar as piadas de parte, porque isto é a sério — embora sem pretensões a música erudita, muito longe disso. O objetivo é dar o concerto mais enérgico do mundo e isso sente-se, como se o trap dos Migos — que no Meco teve em Janelle Monáe espectadora atenta, surgindo nos ecrãs a dançar em zona sem acesso ao público — tivesse substituído o rock, primeiro, e a eletrónica espampanante de Hardwell, Tiesto e companhia, depois, como grande fenómeno hedonista de adolescentes e jovens adultos.

A Herdade do Cabeço da Flauta começou a virar discoteca quando DJ Durel, apresentado como “o DJ pessoal de Migos”, disparou nas colunas a voz de Drake e as batidas iniciais de “Sicko Mode”, tema que o canadiano gravou com Travis Scott — isto depois de se ouvir o som de uma arma, objeto de que os Migos são aficionados, a ser carregada. De repente já voava cerveja, o espaço lá à frente que antes era respirável começava a tornar-se minúsculo, DJ Durel pedia às pessoas que erguessem “as mãos no céu e batessem palmas assim”, exemplificando o que queria. Era preciso receber as super estrelas de Atlanta em condições, quais celebridades planetárias e divinas. Mas sê-lo-ão mesmo também em Portugal, se não passam nas rádios mais polidas e não recebem as boas graças da imprensa? O Meco respondeu contundente: basta olharem com atenção para o recinto.

Os truques imagéticos para dar ao espetáculo uma apresentação megalómana estiveram todos lá, das chamas que por vezes surgiram em palco aos disparos de fumo regulares. Mas seria injusto dizer que é isso que cativa multidões — não é. Também não são as letras e as rimas, que lidas atentamente são confrangedoras, e usar o contexto social que dá origem aos Migos para as enaltecer ou legitimar seria perigosamente paternalista, como se a glorificação das drogas, da violência, da luxúria de que são alvo e do “eu” fossem o máximo a que quem cresce como eles pode almejar. O segredo está nas batidas e no modo de balbuciar palavras, vertiginoso, enérgico, quase punk, como se o modo de as dizer tivesse suplantado (suplantou mesmo) em importância o que se quer dizer. Junta-se a isso o auto-tune usado como ferramenta para acrescentar uns pós melodiosos na descarga rap, está ganho o equilíbrio para o mosh pit dançado e cantarolado.

Andando pelo palco de um lado para o outro, os três com igual experiência nas rimas que quase gritavam — mas Quavo é o mais habilitado para a comunicação com o público, e pediu barulho, mostrando os dentes metalizados para a câmara para gáudio geral —, foram mantendo o entusiasmo nos píncaros durante um concerto curto no qual se ouviram os êxitos quase todos: “Kelly Price” (que gravaram com Travis Scott), “Slippery”, “Narcos”, “T-Shirt”, “Walk It Like I Talk It” e por aí fora…

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Em “Open It Up”, canção que é também expressão repetida até à exaustão pelos Migos, pedem que se abra “um grande círculo no lado direito”, para o mosh. Riam-se, dentes todos a brilhar, eram eles que pediam ao público satisfações (constantemente desafiando-o a fazer barulho, a portar-se à altura da dimensão de quem recebiam) e não o contrário. No final, abandonaram o palco sem dar cavaco, a missão estava cumprida, deixando DJ Durel a tocar hip-hop dançante até também este sair sem mais palavras. Foi um tornado que deixou o Meco a suar e a ferver, foram os Migos que se estrearam em Portugal dando um concerto para milhares e milhares de acólitos. Não convenceram quem lhes torce o nariz, mas deram molas nos pés a quem encheu o recinto.

Janelle Monáe, “mulher negra queer do Kansas”, quer um mundo melhor

Janelle Monáe foi o primeiro nome internacional a pisar o grande palco — 1,52 m de artista irrequieta que voltou a aproximar o Super Bock Super Rock da habitual estrutura de um espetáculo pop, com jogos de luzes impressionantes, uma curadoria visual irrepreensível, dançarinas sincronizadas e mudanças de figurino. A afroamericana está longe de ser uma estranha para o público português. Depois de se ter estreado no Super Bock em Stock, em 2010, passou duas vezes pelo MEO Sudoeste, em 2011 e 2013, e visitou o país pela última vez em 2014, no Vodafone Paredes de Coura. Pela última vez, até agora.

A digressão “Dirty Computer” (título do último disco, lançado no ano passado) trouxe-a pela quinta vez e o concerto deste sábado encerrou a agenda europeia da cantora. Monáe prossegue dividida entre dois amores: a soul e os ritmos funk, muito mais presentes na discografia inicial da cantora (The ArchAndroid, o primeiro álbum, apareceu em 2010) e as sonoridades pop e R&B, aproximações a um registo mais comercial que se refletiram na sua própria imagem. O espetáculo que deu foi enérgico, com uma Janelle irrepreensível, quer do ponto de vista vocal, quer na afabilidade com que comunicou com o público.

“Crazy, Classic, Life” abriu as hostilidades. “Screwed” veio em segundo lugar e “Django Jane” completou o tríptico de apresentação do mais recente álbum. À terceira música, ocupou um trono posto no centro do palco de propósito para a ocasião. Janelle Monáe, de 33 anos, entretém e convence até para o mais incrédulo e desconhecedor dos espectadores do seu talento. “Quero criar memórias esta noite. Quero ser uma memória para vocês”, desabafou entre temas. Para o palco, trouxe as mesmas calças que usa no videoclipe de “PYNK”. Intensifica-se o discurso feminista — a peça faz lembrar uma vagina e, enquanto isso, as imagens projetadas no ecrã atrás eram de cuecas, virilhas, flores a desabrochar e gatos felpeludos.

“You Are My Everything” foi dedicada a Prince, amigo e mentor de Monáe. A morte do cantor, em 2016, afetou profundamente a artista do Kansas, que admitiu que teve de fazer uma pausa na música depois disso. O novo álbum, Dirty Computer, foi profundamente inspirado por Prince, que estaria a trabalhar nele juntamente com Janelle Monáe. O tema “Make Me Feel” terá inclusivamente sido escrito em parte por ele. E foi talvez por isso que, no concerto do Super Bock Super Rock, Monáe encarnou o cantor (e um bocadinho do de Michael Jackson) durante a canção. Sozinha em palco, dançou em contraluz até colocar uma guitarra ao ombro. Nunca o espírito de Prince esteve tão presente como naqueles curtos minutos.

Há muito que Janelle Monáe, “uma mulher negra queer do Kansas”, juntou a sua voz à luta pelos direitos das mulheres e das minorias fez questão de o lembrar, primeiro em “I Like That”, que dedicou “a todas as mulheres” (“esta música é sobre amor-próprio e sobre abraçar aquilo que nos torna únicas, mesmo que deixe os outros desconfortáveis, como a maneira que nos vestimos ou a forma como penteamos o cabelo”, disse), e depois durante uma versão mais calma de “Cold War”. “Temos de continuar a lutar pelos direitos das mulheres, pela comunidade LGBT, pela classe trabalhadora, pelos deficientes, pelos negros. Porque a vida dos negros importa”, declarou perante uma ovação.

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Apelando também à defesa dos imigrantes, porque “não vivemos em jaulas”, a norte-americana apontou o dedo aos políticos corruptos e a Donald Trump. “Não podemos deixar que aqueles que apelam ao ódio governem o país”, disse, antes de começar a cantar os primeiros versos de “Tightrope”. O seu primeiro single oficial, um regresso ao passado, serviu de despedida antes de um abandono repentino do palco e da enchente que se seguiu para Migos.

O coração aberto de Rubel tem pop digital, samba, MPB e jazz

Antes de Janelle Monaé e antes de ProfJam, rapper que foi o único português este ano no palco principal do festival Super Bock Super Rock, a revelação da tarde veio da América do Sul. Rubel, assim se chama o guitarrista, compositor e cantor brasileiro que está entre os grandes talentos recentemente revelados da música brasileira (a par, por exemplo, de Cícero Rosa Lins ou de Tim Bernardes e a sua banda O Terno), começou o seu concerto por volta das 18h.

Apareceu de alças e gorro na cabeça, barba por aparar, pose blaisé de rapaz romântico pouco interessado nos afazeres chatos do quotidiano. Na música, Rubel é mesmo romântico inveterado, derrete corações com a sua pop delicada e aconchegante, que tantas vezes descamba para o samba e para o jazz, com as declarações de amor das cantigas. Apresentou-se com uma banda alargada, que incluía um teclista, um baterista, um contrabaixista, um DJ, um guitarrista, um trombonista, um saxofonista e um talentoso — e muito interventivo — trompetista.

O início, ainda o sol brilhava forte na paisagem campestre da Herdade do Cabeço da Flauta, fez-se ao som de “Colégio”, canção do seu segundo álbum de Rubel, Casas, que expandia alguma da intimidade da estreia discográfica para sonoridades igualmente delicadas, mas mais expansivas e eletrónicas (flirtando até, aqui e ali, com o hip-hop). Seguiu-se “Cachorro” e só de seguida as primeiras palavras de Rubel ao público: “Boa tarde Portugal. Meu nome é Rubel, é um prazer muito grande estar aqui hoje”.

Com a guitarra acústica, para ele violão, nos braços, foi guiando a banda naquela canção muito sua, nem samba-jazz descendente da bossa-nova nem MPB na senda de Caetano Veloso e companhia, mas súmula das duas com um acrescento de composição de digital. Quando chegou à canção “mais conhecida” que já fez, como a apresentou — “Quando Bate Aquela Saudade”, um êxito com dezenas de milhões de visualizações no Youtube — pôs o público a cantar. Via-se já, nesse momento, uma bandeira do Brasil e o diretor do festival, Luis Montez, a cantar a letra do hit.

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Foi porém quando Rubel apresentou ao vivo as canções feitas em parceria com Rincon Sapiência (em “Chiste”) e Emicida (“Mantra”), rappers do seu país, a última das quais tocada com imagens de violência policial no ecrã que tinha atrás de si e com um #elenão a rematar (em direção a Bolsonaro), que elevou o nível do concerto. A atuação terminou quase em beleza com essa belíssima canção de coração aberto que é “Partilhar”. Só não acabou assim porque ainda havia tempo para mais: “Dá mais uma”, e a escolhida foi “Sapato”. Acabou aplaudido em mais um concerto em Portugal, depois de esgotar por duas vezes a sala lisboeta de concertos Musicbox e após atuar no festival MIL e em cidades como Espinho e Famalicão. A popularidade tem crescido e o talento de Rubel justifica, claramente, salas de concerto maiores e mais público português nos seus concertos.

Depois de uma loucura chamada ProfJam, Masego fez a festa no palco secundário

ProfJam tinha então acabado quando Masego subiu ao palco EDP, na outra ponta do festival, pelas 20h45. E o espaço estava cheio para o receber — de braços abertos. Acompanhado por um teclista, um baterista, um guitarrista/baixista e uma vocalista, o artista norte-americano transformou o palco secundário do Super Bock Super Rock numa grande festa ao ar livre, com o por do sol e as árvores da Herdade do Cabeço da Flauta como pano de fundo e o seu “TrapHouSeJazz” — o nome que dá à música, única, que cria misturando diferente géneros, como o R&B, o funk ou o jazz —, como banda sonora.

Com um primeiro álbum centrado na figura da mulher, “Lady Lady”, Masego não esqueceu o público feminino presente, e atirou rosas vermelhas para a multidão. Simpático e divertido, foi um bom aquecimento para os nomes que se seguiram no palco Super Bock. É só pena que a segunda parte do concerto tenha coincidido com a subida ao palco de Janelle Monáe, o que certamente terá deixado muitos espectadores divididos.

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Disclosure, uma grande festa ao ar livre

Foi aos irmãos Howard e Guy Lawrence que coube fechar o Super Bock Super Rock com um grande serão de música eletrónica dançante. Os Disclosure, em modo Dj Set, subiram ao palco principal do festival quando Mike El Nite a terminar a atuação no Palco Somersby, não muito longe dali. Isso explicou a correria desenfreada de festivaleiros pelo recinto, ainda que muitos tivessem escolhido não arredar pé da zona do palco principal após o concerto de Migos, um dos nomes fortes deste último dia.

Os irmãos Lawrence começaram com “When A Fire Starts To Burn”, o primeiro tema de um set recheadinho de grandes hist, como “F For You”, uma colaboração com Mary J. Blige, e “White Noise”. Apesar da hora tardia (já passava da 1h), o público do Super Bock Super Rock não mostrou sinais de cansaço, e atirou-se de bom grado à eletrónica dos Disclosure e à dança. Foi um final electrificante depois de três dias festival com alguns bons concertos mas nenhum suficientemente entusiasmante para fazer o ambiente aquecer. O grande ponto positivo desta edição do Super Bock Super Rock foi, surpreendentemente, o lugar onde decorreu.

Apesar das dúvidas que o regresso ao Meco fez levantar (quem passou pelas edições na Herdade do Cabeço da Flauta não foi capaz de esquecer a poeira), o Super Bock Super Rock voltou, este ano, a parecer-se mais com um festival de verão. Um evento deste género pede ar livre, uma boa paisagem e, caso havendo essa possibilidade, uma zona de campismo. Três coisas que o Parque das Nações, uma zona residencial e de escritórios com prédios altos, não podia oferecer (ainda que o Tejo estivesse mesmo ali ao lado). Para quem gosta de viver a verdadeira experiência festivaleira, esta renovada edição junto à praia só pôde ter deixado boas memórias.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Gonçalo Correia, Mauro Gonçalves e Rita Cipriano, fotografia de André Dias Nobre.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)