Rádio Observador

Auto

Se um pneu for na sua direcção, fuja (mesmo)

512

Esta é uma situação a que a generalidade dos condutores não dá o devido valor. Se um dia, numa auto-estrada, vir um pneu a rodar na sua direcção, faça (mesmo) tudo para evitar o embate frontal.

É impressionante a força destruidora de um pneu pesado a rodar a uma velocidade considerável. Algo que se deve evitar a todo o custo

Autor
  • Observador

A esmagadora maioria dos condutores já manuseou um pneu, montado numa jante e cheio de ar. E sabemos, por experiência própria, que uma roda completa (jante + pneu) de um veículo ligeiro, a maioria com jantes em liga de alumínio, ronda os 15 a 20 kg, dependendo da largura e do tipo de pneu, com os dos SUV a serem mais pesados (para a mesma largura) do que os que equipam os modelos desportivos.

A conversa passa a ser outra quando a roda em causa é de um camião, pois não só as jantes são em ferro e um verdadeiro ‘pesadelo’, como esses pneus estão feitos para suportar grandes cargas, o que os obriga a serem consideravelmente mais robustos e, como tal, mais pesados. Isto atira o peso para valores entre 50 e 70 kg, tirando casos mais extremos.

Segundo a cadeia de televisão norte-americana ABC, um camião perdeu um pneu, que continuou a rodar à mesma velocidade auto-estrada fora. Para azar de quem viajava em sentido contrário, o pneu saltou o separador central, depois de saltitar em cima dele, e passou a dirigir-se contra os veículos. Uma primeira viatura foi tocada ao de leve pelo pneu fora de controlo, mas com o carro de trás o embate foi em cheio e de frente. Apesar de se tratar de um Jeep Wrangler, um veículo pesado e robusto, os danos foram brutais. Mas muito menores do que aconteceria caso se tratasse de um automóvel convencional, mais pequeno e leve.

Não é fácil para qualquer condutor aperceber-se à distância que se aproxima um pneu, especialmente numa via rápida com trânsito intenso. Mas, mais difícil (ainda) que avistar um pneu perdido é evitá-lo. Até porque há a tendência para pensar que se trata apenas de um pneu. E esse é um erro que se paga caro. A massa é elevada e, associada à velocidade, faz disparar a energia cinética do pneu, bem como a sua capacidade destruidora. Veja o vídeo e imagine a violência do impacto:

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estilo de Vida

Um vício anacrónico

Rui Martins

Num padrão de vida urbano, com uma saída de fim-de-semana por mês e trabalhando e vivendo em Lisboa, ter carro e não o substituir pelo transporte público ou mobilidade partilhada é um vício anacrónico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)