No final do Torneio de Cinco Violinos, Bruno Fernandes passou atrás do jovem Eduardo Quaresma no relvado mas as câmaras ainda foram a tempo de apanhar as lágrimas do capitão do Sporting, quase como se tivesse acabado de fazer a despedida de um palco que lhe foi grato nas últimas duas temporadas. No final da Supertaça, essa imagem não foi propriamente decifrável. O internacional português fitava quase perdido o relvado, resignado à goleada sofrida, e acabou ainda por ser abraçado por um pequeno adepto verde e branco que surgiu naquela zona só para poder estar com o número 8. Se foi ou não o último encontro no clube, só os próximos dias poderão dizer – mas despedida ou não, acabou por tornar-se um pesadelo.

Depois de uma derrota com imagens fortes como a cara de estupefação do guarda-redes suplente Luís Maximiano no banco ou as lágrimas do titular Thierry Correia, os adeptos do clube manifestaram também a sua insatisfação no final do jogo e chegaram mesmo a arremessar algumas cadeiras para o relvado entre assobios e lenços brancos pela goleada sofrida.

“Não posso dizer nada sobre isso. A última final que fizemos ganhámos frente ao FC Porto e todos estavam felizes. Temos de aprender com os erros. Na próxima semana começa o Campeonato e temos de estar prontos e responder da melhor forma possível”, comentou o treinador leonino, Marcel Keizer, antes de voltar a remeter para a Direção qualquer esclarecimento sobre a hipótese de Bruno Fernandes poder sair ainda nesta janela de mercado.

“É um resultado que pesa, muito difícil de aceitar pelo que fizemos na primeira parte. Penso que interpretámos bem o jogo, tivemos três ou quatro oportunidades para fazer golo, iniciámos na frente. Parece-me que entrámos bem mas depois há uma sucessão de erros que não se podem cometer a este nível. O resultado, após o livre de Grimaldo, foi complicado. Quero agradecer aos adeptos. Críticas? Temos de aceitar, olhar, refletir e tentar já no próximo jogo, para o Campeonato, começar bem. Isto é para apagar rápido, não há outra maneira de dar a volta por cima”, salientou Luís Neto na flash interview da RTP.