O traficante de armas belga, Jacques Monsieur, conhecido por ser “um dos maiores traficantes de armas do mundo”, segundo a imprensa da Bélgica, ficou esta sexta-feira em prisão preventiva até ser extraditado, decidiu o Tribunal da Relação de Évora.

Fonte ligada à investigação adiantou à agência Lusa que Monsieur não se opôs à extradição perante o juiz-relator do Tribunal da Relação de Évora e que irá aguardar a conclusão do processo em prisão preventiva.

Segundo a polícia belga a detenção do traficante de armas ocorreu após investigações que se prolongaram durante mais de um ano.

Jacques Monsieur foi interpelado na quarta-feira à noite “numa grande casa de campo” perto da cidade de Évora, refere o comunicado da polícia belga, acrescentando que o indivíduo foi localizado graças “à intensa cooperação entre os investigadores belgas, franceses e portugueses”.

Em outubro de 2018, Jacques Monsieur, 66 anos, foi condenado pelo Tribunal de Apelação de Bruxelas a quatro anos de prisão e ao pagamento de um milhão de 200 mil euros por tráfico de armas e participação em organização criminosa, mas não cumpriu a sentença porque se encontrava em parte incerta.

Em 2010, nos Estados Unidos, Jacques Monsieur, já tinha sido condenado a 23 meses de prisão por tentar vender peças de aviões de combate ao Iraque. Oito anos mais tarde, um tribunal de Bruxelas condenou o traficante de armamento a três meses de prisão por ter vendido lança-foguetes e peças de mísseis ao Irão, Equador, Bósnia e Croácia nos anos 1980 e 1990.

De acordo com os investigadores, a detenção de quarta-feira, na região de Évora, foi possível graças à “paixão do traficante por cavalos” assim como por ter sido detetada uma fatura de 2.500 euros referente ao transporte de nove cavalos para Portugal e que se encontravam em França.

A investigação que conduziu as autoridades a encontrar o traficante belga começou em Tarascón, Provença, França, onde Jacques Monsieur tinha uma propriedade que vendeu no passado mês de março.

Devido ao interesse que dedicava aos cavalos, o traficante contratou um criador francês o transporte de nove animais que se encontravam na antiga propriedade da Provença para Portugal. O preço do transporte dos cavalos foi fixado em 2.500 euros, mas o valor nunca foi saldado.

O transporte foi, segundo a polícia belga, a pista definitiva que levou os investigadores até Évora onde o traficante vivia escondido. De acordo com a cadeia de televisão flamenga VTM, da Bélgica, Jacques Monsieur esteve envolvido “em todos os conflitos armados” dos últimos 35 anos como traficante de material bélico.