Rádio Observador

Greve

Aquém para uns, além para outros. ANTRAM e Pardal Henriques reagem a serviços mínimos

ANTRAM diz que serviços mínimos ficam aquém do necessário. Pardal Henriques responde a Vieira da Silva e acusa o Governo de alinhar em esquemas de "fraude fiscal".

À esquerda, Pardal Henriques, assessor jurídico do sindicato. À direita, André Matias de Almeida, porta-voz da Antram

LUSA

Há uma coisa em que o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) conseguem concordar: nem um, nem outro estão satisfeitos com os serviços mínimos estabelecidos esta quarta-feira para a greve às horas extraordinários que os motoristas marcaram que começam neste sábado.

André Matias de Almeida, porta-voz da associação, queixa-se do critério que relaciona as necessidades previsíveis com o que havia em setembro de 2018. “Basta que exista, por exemplo, um abastecimento a serviços militares que tenha sido feito a apenas 70% ou 50%, consoante as necessidades, uma vez que não havia greve, [para que seja] esse o montante dos serviços mínimos para esses casos”. Para ele, os serviços mínimos ficam “muito aquém da proposta da Antram e daquilo que ficou estabelecido na outra greve”.

Em declarações aos jornalistas no final da manhã desta quinta-feira, André Matias de Almeida argumenta que “a ANTRAM não só pedia serviços mínimos de 100% para todos os setores, como pedia também o alargamento destes setores”: “Em alguns casos, o que foi decretado foram esses 100%. É o caso da área de saúde e de outras. Mas houve uma ou duas áreas onde isso não aconteceu. E que são setores vitais. Não compreendemos a reação do sindicato”.

Para o SNMP, os serviços mínimos estão além do necessário. Na quarta-feira à noite o sindicato já tinha contestado a decisão e nesta quinta-feira o seu assessor jurídico já veio acusar o Governo de compactuar com uma “fraude fiscal”,  reagindo às declarações do ministro Vieira da Silva, ministro com a pasta do Trabalho, que, em entrevista à Rádio Observador, comentou: “Estupefacto fico eu”.

A expressão usada pelo ministro é repescada do comunicado enviado às redações pelo sindicato, que manifestou uma “total estupefação” pelos serviços mínimos decretados pelo Governo: “Não deixamos de estranhar que os senhores ministros entendam que deverá existir uma obrigatoriedade de prestação de serviços em regime de trabalho suplementar, tendo em conta que a nossa legislação entende que o trabalho extraordinário deve ser prestado somente em regime excecional”, comenta a direção do sindicato.

Entretanto, Pardal Henriques, assessor jurídico do sindicato e candidato a deputado pelo PDR, já respondeu ao ministro: “Isto é uma coisa inconcebível, quando em Portugal existem regras e o trabalho suplementar não pode ser feito de forma contínua; e o Governo vem dizer que estas pessoas, que são tratadas como portugueses de segunda, têm de fazer trabalho extra para abastecer o país. E o pior é o Governo saber que este trabalho suplementar não é pago. E, quando é, é pago através de fraude fiscal”, disse ele à Rádio Observador.

As críticas do sindicato referem-se sobretudo ao facto de o Governo ter determinado que o número de trabalhadores necessários para cumprir os serviços mínimos devem ser calculados pelas próprias empresas em função do nível de abastecimento prestado aos hospitais, forças de segurança, proteção civil e aeroportos aos fins de semana no mesmo período do ano passado.

“Mais uma vez voltaram os ministérios a não determinar concretamente as quantidades a que se referem os serviços mínimos, deixando ao critério arbitral das empresas qual o valor de referência dos períodos homólogos”, critica o sindicato em comunicado. E exige: “Requeremos que as empresas nos forneçam as quantidades, números de trabalhadores e número de carros necessários à prestação daqueles serviços relativamente ao período homólogo. Caso contrário, não será possível determinar se os serviços mínimos estão ou não a ser cumpridos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)