Rádio Observador

Greve

Greve dos motoristas. Serviços mínimos só para hospitais, aeroportos, proteção civil e segurança

Serviços mínimos para greve de motoristas define abastecimento a hospitais e proteção civil aos fins-de-semana. Rede de postos fica de fora. Greve a horas extraordinárias arranca sábado.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

O Governo determinou que os motoristas que fizerem greve às horas extraordinárias, a partir de sábado, ficam obrigados a cumprir serviços mínimos no abastecimento a hospitais, forças de segurança, proteção civil e aeroportos aos fins-de-semana. De acordo com o comunicado do Ministério do Trabalho e Segurança Social, estes serviços mínimos terão de assegurar um nível de abastecimento prestado a estas instalações equivalente ao realizado em igual período do ano passado.

Esta foi a fórmula encontrada para acautelar questões de procura que são sazonais. Por exemplo, em setembro as necessidades da Proteção Civil, por causa da época de fogos, são mais elevadas do que em outras alturas do ano. Com esta decisão, pretende-se também ultrapassar as dúvidas sobre a quantificação de serviços mínimos “imprescindíveis”, reclamados pela ANTRAM (Associação Nacional dos Transportes Públicos Rodoviários Mercadorias). O que está está em causa é o abastecimento a 100% das instalações e grupos de consumidores fixados pelo Governo em relação ao nível verificado em igual período de setembro do ano passado.

A rede de postos de abastecimento rodoviário desta vez fica de fora dos serviços mínimos fixados pelo Executivo. Isto porque a nova greve convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMP) abrange apenas o trabalho suplementar, incluindo as horas extraordinárias feitas além do horário normal de trabalho de 8 horas, e ao fim-de-semana. No entanto, fica assegurado o abastecimento às unidades autónomas de gás natural. Já nos aeroportos, os serviços mínimos aplicam-se apenas ao sábado.

O despacho realça ainda que os serviços mínimos incluem as operações de transporte, mas também de carga e descarga asseguradas normalmente por motoristas.

A fixação dos serviços mínimos pelo Governo surge depois de, uma vez mais, o sindicato e a organização patronal ANTRAM não terem chegado a um acordo sobre os níveis de abastecimento a assegurar na nova paralisação que terminará a 22 de setembro.

De acordo com o despacho aprovado, os trabalhadores que adiram à greve devem prestar as horas de trabalho necessárias aos seguintes serviços ao fim-de-semana para assegurar o grau de abastecimento verificado no mesmo período do ano passado.

  • Transporte a abastecimento de combustíveis e matérias perigosas destinadas ao funcionamento de hospitais, serviços de emergência médica, centros de saúde, unidades autónomas de gás, clínicas de hemodiálise e outras estruturas associadas à prestação de cuidados de saúde.
  • Abastecimento de combustíveis a instalações militares, serviços de proteção civil, aeródromos para serviços de proteção civil e forças de segurança.
  • Os trabalhadores devem ainda prestar as horas necessárias para garantir o abastecimento aos aeroportos e portos, nas mesmas condições em que o devem assegurar aos sábados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)