Pedro Baltazar, candidato à presidência do Sporting em 2011, mostrou-se esta segunda-feira “disponível” para se envolver em “soluções convenientes” para os leões, considerando que teria feito um melhor trabalho do que as últimas direções do clube.

À margem de um almoço-debate com José Couceiro, organizado pelo International Club of Portugal (ICP), realizado numa unidade hoteleira de Lisboa, Pedro Baltazar disse não se arrepender da candidatura em 2011 e lamentou que o clube e o futebol estejam a “dar sinais muito negativos aos sportinguistas”.

“Acho que teríamos feito muito melhor do que foi feito até aqui. Pior, era relativamente difícil. Estarei sempre disponível a arranjar soluções que acho mais convenientes para o Sporting. Há alguma falta de agregação da família sportinguista e o que está à vista é um conjunto de decisões e fatores que tem levado o Sporting a esta situação”, afirmou.

Pedro Baltazar, que em 2011 foi o quarto candidato mais votado, com 8,80%, atrás do vencedor Godinho Lopes (36,55%), Bruno de Carvalho (36,15%) e Dias Ferreira (16,54%), realçou a preocupação pelo rumo do futebol ‘leonino’.

Estou preocupado com o futebol do Sporting, que é o que move 90% ou mais do mundo do Sporting. Estou muito preocupado porque não vejo grandes soluções. Continuo a achar que o apoio às equipas é quase nulo. Esta administração da SAD está mais preocupada em arranjar modelos de relações internacionais ou com agentes do que em desenvolver o futebol e resolver assuntos do dia a dia”, criticou.

O candidato de há oito anos sugere que a atual direção abandone o clube: “Quando as pessoas de bom senso, e que gostam das instituições que dirigem, acham que não têm mais nada para dar, têm de se demitir”, disse. Já José Couceiro, durante o painel de debate, com o tema “Deixa jogar… E formar para o mundo”, rejeitou uma possível candidatura à presidência dos ‘leões’.

“Não sei o que vai acontecer no futuro, mas, neste momento, não está nas minhas ideias. Não há condições, nem sequer é uma matéria que me tenha debruçado. Está fora de questão”, declarou. José Couceiro foi candidato em 2013, na sucessão a Godinho Lopes, mas ficou em segundo lugar, com 45,29%, atrás do vencedor Bruno de Carvalho, que angariou 53,69%.