Pelo menos três militares russos morreram esta segunda-feira de madrugada na sequência de um ataque, perpetrado por um outro soldado, na base aérea de Malshevo (também conhecida como Baltimore), nos arredores de Voronej, a cerca de 320 quilómetros de Moscovo. Uma quarta vítima foi hospitalizada e, de acordo com a imprensa russa, ficou gravemente ferida mas não corre risco de vida.

vários relatos sobre o que aconteceu depois do ataque, às 5h45 (menos 5h em Portugal continental): umas testemunhas reportam que o atirador se pôs em fuga, outras dizem que se barricou no interior do aeródromo.

Certo é que as autoridades ainda não conseguiram capturar o homem, já identificado como Anton Mikhailovich Makarov, um soldado contratado de apenas 20 anos, que, segundo a agência russa Interfax, seria um dos responsáveis pela patrulha da base militar.

Também de acordo com esta agência, o suspeito ter-se-á apropriado das armas de fogo de um dos oficiais antes de fugir. Segundo a correspondente do El País na Rússia, mais de 100 elementos da brigada anti-motins e da Guarda Nacional estão neste momento a desenvolver buscas, apoiados por drones, para localizar Makarov.

De acordo com a TASS, a agência estatal russa, as vítimas fatais do ataque são dois oficiais e um soldado contratado. Também segundo esta agência, a partir de declarações de uma fonte do Distrito Militar Ocidental, a que pertence a base militar atacada, está a ser considerada a tese de que Makarov tenha sofrido uma espécie de “colapso nervoso”. Não há notícia de discussões ou desentendimentos prévios entre o soldado, contratado na primavera passada pelo exército, e os quatro militares atacados.