Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Hoje houve muita coisa errada. Não quero arranjar desculpas. Temos de entrar sempre para ganhar, hoje não conseguimos. Agora é recuperar e pensar na redenção já no próximo jogo. A equipa está mais frágil, infelizmente perdemos muitos jogadores experientes, mas isso não é desculpa. Estamos a trabalhar muito, a fazer sacrifícios. Somos campeões de inverno mas isso não significa nada. O Campeonato está a meio, agora estamos bem, mas ainda há muitos jogos para disputar. A parte difícil começa agora”. No final do encontro frente à Atalanta, que acabou com a vitória da equipa de Bérgamo em San Siro por claros 3-0, Zlatan Ibrahimovic (que também passou ao lado do jogo) deu a cara, assumiu a derrota e começou a pensar no encontro que se seguia. Para a Taça de Itália, nos quartos, e logo um dérbi com o Inter. Mas nem por isso o sueco deixou de ser notícia por outras razões.

Ibracadabra, a Atalanta voltou a fazer a magia (mas o AC Milan termina primeira volta na frente)

Já com o desaire confirmado, o avançado de 39 anos voltou a fazer das suas e, ao não gostar de uma atitude de Zapata (que fechou as contas nos últimos 20 minutos), atirou de forma bem audível a frase “Marquei mais golos do que o número de jogos que jogaste na tua carreira”. Há coisas que não mudam, com os outros e com os seus. Alguns exemplos recentes? Ibrahimovic disse ao estreante Kalulu para tirar as luvas na estreia porque nenhum avançado teria receio de um central vestido dessa forma e ofereceu algumas PlayStation 5 a quem respondeu que queria por um certo preço para que, a partir daí, todos no balneário ouvissem a sério o que diz. “Hoje sinto-me um líder. Eu conduzo e a equipa segue-me. Há 10 anos era um outro AC Milan, este que encontrei em 2020 é diferente. Temos uma equipa jovem, trabalhamos, sacrificamo-nos e aí estão os resultados”, destacou em entrevista.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em jogo, e mais uma vez, Ibrahimovic não perdoou: frente a um Inter que representou entre 2006 e 2009 antes de sair para o Barcelona (e não ser campeão europeu com José Mourinho em 2010), o sueco marcou o oitavo golo em sete jogos e confirmou que tem os nerezzurris como principal “presa” desde que está no AC Milan. Mas também esteve no mais polémico, com uma altercação fortíssima com Romelu Lukaku que envolveu cabeças encostadas, empurrões, pelo menos dois minutos de provocações e vários jogadores a tentarem segurar o belga que estava de cabeça perdida para conseguir chegar ao sueco. E no pior, com uma expulsão por acumulação de amarelos a mais de meia hora do final ao fazer uma falta imprudente sobre Kolarov quando estava tapado pela discussão no final da primeira parte. Se o AC Milan estava na frente, o Inter aproveitou para dar a volta com mais um no sétimo minuto de descontos, passando assim às meias onde irá defrontar o vencedor do Juventus-SPAL.

Numa primeira versão sobre o que se passou entre os avançados, e depois de Lukaku se ter levantado para ir na direção de Romagnoli por não ter gostado de uma falta do argentino, Ibrahimovic atirou a frase “Vai lá fazer as tuas mer*** de voodoo, seu burro”, com o belga a responder com “Vai-te f***, tu e a tua mulher. Queres falar sobre a minha mãe?”. As provocações continuaram, com Ibrahimovic a repetir alguns impropérios a rir para o adversário, Lukaku a dizer para parar de se rir e o sueco a responder “Vamos lá para dentro [balneário], vamos!”.

Com algumas alterações na equipa que perdeu com a Atalanta na última jornada da Serie A, o AC Milan começou com um primeiro sinal de perigo pouco depois do primeiro minuto, com uma grande jogada iniciada no movimento entre linhas de Rafael Leão até ao calcanhar de Brahim Díaz para o remate do português a rasar o poste da baliza de Handanovic. O Inter sentia dificuldades nas ações ofensivas pela maior intensidade dos rossoneri corporizada no incansável Kessié e voltou a ver a baliza de Handanovic ameaçada, num cruzamento de Rafael Leão desviado com o ombro por Ibrahimovic a não ser desviado para a baliza por muito pouco por Brahim Díaz (13′). Só mesmo a meio da primeira parte houve uma resposta dos nerazzurri, após a saída de Kjaer por lesão.

Apenas num minuto, Lukaku colocou Tatarusanu à prova por duas vezes: primeiro a rodar na área com Romagnoli nas costas antes do remate de pé esquerdo para defesa com o pé do romeno, depois a atirar de primeira após uma assistência de Perisic (24′), croata que criou também perigo apenas dois minutos depois. No entanto, e quando há Ibrahimovic em campo, já se sabe que a história pode sempre mudar. Mais uma vez, foi isso que aconteceu. E em grandes estilo, claro: depois de uma interceção de cabeça de Meïté, o sueco recebeu fora da zona mais entre os centrais, rematou cruzado entre as pernas de Kolarov e fez o 1-0 com a bola a bater ainda no poste (31′). Alexis Sanchéz, pouco depois, viu Theo Hernández e Tomori impedirem o golo perto da linha e ainda houve um remate de ressaca de Brozovic a passar muito perto do poste já nos descontos mas o intervalo chegaria mesmo com o AC Milan em vantagem e Lukaku de novo a ser agarrado pelos companheiros enquanto Ibrahimovic saía com calma para os balneários como se nada tivesse acontecido e a olhar para trás ainda a “gozar” com a situação.

No regresso, tudo parecia mais calmo (com a certeza de que as frases que deixaram Lukaku naquele desespero farão várias notícias nos próximos dias) mas as características do encontro mudaram por completo, com o Inter a tornar o encontro num sentido único ainda antes da expulsão de Ibrahimovic: Tatarusanu desviou um livre de Kolarov por cima da trave, defendeu depois para canto um desvio de Alexis Sanchéz ao primeiro poste após passe de Hakimi e viu ainda Tomori cortar um remate de Lukaku que parecia levar a direção da baliza. O golo parecia uma questão de tempo e chegou num lance que gerou muitos protestos nos rossoneri, com Rafael Leão a ir de carrinho tentar roubar a bola a Barella na área e a tocar no médio quando parecia que o italiano já estaria a cair. Confirmada a decisão, Lukaku assumiu a marcação e fez o empate (71′). Depois, o AC Milan aguentou-se. Quase não atacava mas tentava defender-se. Até que Eriksen, acabado de entrar, fez o 2-1 de livre direto aos 90+7′.