Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

De que forma se pode olhar a escrita de Vergílio Ferreira? Abrindo-a à possibilidade de a percorrer pelo risco, pela surpresa, pelo acaso. Abra-se o livro Pensar, como quem mergulha no caos organizado da reflexão filosófica do seu autor, e surge uma inesperada luminosidade no pensamento 420. Diz o seguinte:

“Esquece a amargura, os atropelos, o cansaço. E as maledicências, as traições, os rancores. Esquece o trabalho que te traz em alvoroço e os fracassos de uma vida inteira e os projectos falhados para antes de começarem a ser projectos. E as invejas, as calúnias, as insídias como dentes por entre o sorriso. Esquece. E sê contente. E respira”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.