Histórico de atualizações
  • Vamos encerrar por aqui este artigo liveblog, que seguiu a atualidade relacionada com a pandemia de Covid-19 ao longo do dia de ontem, segunda-feira.

    China. Autoridades pedem às pessoas que armazenem alguns mantimentos

    Continue, por favor, a acompanhar-nos nesta nova ligação. Muito obrigado!

  • Rússia com mais 40.402 novos casos e 1155 mortes. Autoridades alertam para cansaço dos médicos

    Os números da pandemia de Covid-19 na Rússia continuam a aumentar e só esta segunda-feira as autoridades reportaram 40.402 novos casos de contágio no país e 1155 mortes.

    Ao contrário dos restantes países da Europa que estão a viver um ciclo mais positivo, a Rússia tem vivido dias difíceis e o Governo obrigou a que os cidadãos tirassem uma semana de férias — pagas pelo Estado —, para se conseguir conter a pandemia.

    Rússia em contraciclo: as imagens de um país e de uma cidade, Moscovo, que a Covid-19 voltou a parar

    A baixa taxa de vacinação do país está a ser dada como responsável pelo aumento de casos, mas as autoridades também atribuem esta vaga à variante Delta, devido à agressividade e à rapidez dos contágios, bem como à falta de cumprimento das regras por parte dos russos.

    Só em outubro foram registados um milhão de casos pelo país.

    Esta segunda-feira, as autoridades vieram alertar para o facto de os médicos estarem sobrecarregados, com hospitais cheios de doentes com Covid-29.

    “É claro que a situação não é fácil. As camas estão amplamente ocupadas […] e é um fardo excessivo e extraordinário para os nossos médicos”, disse aos jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, citado pela Agência France-Presse (AFP).

    Os médicos estão, segundo o mesmo responsável, a enfrentar “um stress físico e emocional extremo”.

  • Indonésia é o primeiro país a aprovar nova vacina da norte-americana Novavax

    A vacina pode ser armazenada a entre os 2 e 8 graus Celsius, o que deverá facilitar a sua distribuição, sobretudo em paísesJ com menor acesso a vacinas.

    Indonésia é o primeiro país a aprovar nova vacina da norte-americana Novavax

  • Joe Biden com teste negativo à covid-19 após porta-voz ter sido infetada

    O “presidente também foi testado, um teste de PCR ontem e deu negativo”, disse uma porta-voz do presidente. Jen Psaki, porta-voz da Casa Branca, foi infetada mas não foi por isso que Biden fez teste.

    Joe Biden com teste negativo à covid-19 após porta-voz ter sido infetada

  • Boletim. Portugal está com mais de 100 casos por cada 100 mil habitantes e em 24 horas ficaram mais 25 doentes internados

    Nos últimos 8 dias, o número de camas ocupadas em hospitais por doentes com Covid-19 aumentou de 269 para 360 (mais 91). Número de casos está a aumentar mas R(t) desceu. Três mortes na região Centro.

    Boletim. Portugal está com mais de 100 casos por cada 100 mil habitantes e em 24 horas ficaram mais 25 doentes internados

  • Três das cinco pessoas que morreram eram da região Centro

    Das cinco pessoas que morreram em Portugal, três eram da região Centro, uma de Lisboa e Vale do Tejo e outra do Alentejo — o que reflete a propagação da pandemia e o aumento do número de novos casos na região Centro nas últimas semanas.

  • Incidência sobe e Portugal tem mais de 100 casos por cada 100 mil habitantes. R(t) cai

    A incidência — o número de casos de infeção por cada 100 mil habitantes — aumentou no país.

    Portugal estava com 97,4 infeções por cada 100 mil habitantes — agora, após nova atualização, está com 101,5.

    Já o R(t) — índice de transmissibilidade, que calcula em média quantas pessoas cada infetado contagia — desceu de 1,08 para 1,05.

  • Madeira com 29 novos casos, Algarve com 46 novas infeções

    Em termos de distribuição geográfica, as regiões em que o número de novos casos detetados é superior continuam a ser as regiões com mais habitantes: Lisboa e Vale do Tejo, com 189, e Norte, com 125.

    Na região Centro, que tem concentrado parte dos novos casos neste aumento de infeções das últimas semanas, foram detetadas 73 novas infeções, no Algarve 46 e no Alentejo 19.

    Na Madeira foram reportados 29 casos detetados em apenas 24 horas e nos Açores 10.

  • Mais 178 novos casos do que na segunda-feira passada

    O número de novos casos de infeção pelo coronavírus reportados pela DGS esta segunda-feira, 1 de novembro, é superior ao número de casos reportados no mesmo dia da semana passada, segunda-feira, 25 de outubro.

    O boletim de esta segunda-feira reporta 491 novas infeções, mais 178 do que há uma semana (313).

  • Mais 25 pessoas internadas em apenas 24 horas

    Em 24 horas, o número de pessoas internadas com Covid-19 em hospitais portugueses aumentou exponencialmente: estão agora hospitalizados 360 doentes, mais 25 do que 24 horas antes.

    Destes 360 doentes internados, 60 (mais um do que há 24 horas) estão em unidades de cuidados intensivos, dedicadas ao tratamento dos casos de desenvolvimento mais grave de doença.

  • Mais 491 casos e 5 mortes em Portugal

    Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde detetaram mais 491 infeções pelo novo coronavírus em Portugal. Há ainda registo de mais 5 mortes.

    Os dados são avançados no mais recente boletim diário da DGS relativo à evolução da pandemia, divulgado esta segunda-feira.

  • Com 66,7% da população vacinada, Alemanha quer reabrir centros para administrar 3ª dose

    A ideia passa por apelar a maiores de 60 anos para receberem a 3ª dose da vacina. Só 66,7% da população alemã tem vacinação completa e há muitos céticos que resistem a vacinar-se.

    Com 66,7% da população vacinada, Alemanha quer reabrir centros para administrar 3ª dose

  • Sydney e Melbourne removem a quarentena de chegada para os australianos vacinados

    “A Austrália está aberta. Os australianos estão de novo em viagem”, disse o primeiro-ministro, Scott Morrison. Desde a chegada da Covid-19, só agora australianos e residentes podem sair do país.

    Sydney e Melbourne removem a quarentena de chegada para os australianos vacinados

  • Pandemia fez disparar o número de faltas de profissionais do SNS, a maioria das vezes por motivos de doença

    Em setembro os profissionais do SNS estiveram mais 22% de dias sem trabalhar face ao mesmo mês de 2019. Infeções por Covid-19, isolamentos profiláticos e burnouts e pressão serão responsáveis.

    Pandemia fez disparar o número de faltas de profissionais do SNS, a maioria das vezes por motivos de doença

  • Vacinados perdem anticorpos nos meses seguintes mas 89% mantêm "imunidade celular positiva"

    Um estudo do Serviço de Patologia Clínica do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), que agrega hospitais de Torres Novas, Tomar e Abrantes, concluiu que a população vacinada perde “cerca de 92%” dos anticorpos após seis meses mas na sua larga maioria — em 89% dos casos — mantém “uma imunidade celular positiva”.

    Os resultados do estudo foram já antecipados pelo diretor deste serviço do CHMT, Carlos Cortes, em declarações ao Diário de Notícias. E trazem essa notícia aparentemente contraditória: o número de anticorpos cai vertiginosamente ao longo dos meses seguintes à vacinação mas a imunidade celular mantém-se.

    Ao Diário de Notícias, Carlos Cortes explica que”o nosso organismo é protegido por dois tipos de imunidade”. Uma deles, “a humoral, mediada pelos anticorpos, as imunoglobulinas G, que se mantêm no organismo e que reagem quando este entra em contacto com o vírus”. O outro tipo de imunidade é “a imunidade celular, mediada pelas células T”.

    Estas células T “são, precisamente, aquelas que guardam a memória do vírus e que, quando entram em contacto com este, produzem substâncias – como o Interferão-Gama – que vão ajudar o organismo a destruir as células infetadas e a neutralizar o vírus“.

  • Covid-19 causou mais de cinco milhões de mortes em todo o mundo

    Bom dia, bem-vindos ao Observador.

    O número total de mortes associadas à Covid-19 — óbitos de doentes infetados com o novo coronavírus — já passou a barreira dos cinco milhões.

    A estimativa foi feita pelo jornal britânico The Guardian, que cita dados divulgados pela Universidade de Johns Hopkins mas que refere também que alguns peritos, incluindo da Organização Mundial da Saúde, acreditam que o número de vítimas real pode ser duas a três vezes superior — já que estes dados apontam apenas para mortes de pessoas com caso de infeção diagnosticado.

    Mais de metade do número total de mortes contabilizadas ocorreram nos Estados Unidos da América, Brasil, México e Reino Unido.

1 de 1