Histórico de atualizações
  • A incidência do vírus na Alemanha subiu de rompante

    A incidência do novo coronavírus por 100 mil habitantes na Alemanha subiu de 104 para 130 no espaço de uma semana.

    O número total de casos confirmados de coronavírus aumentou em 17 176, elevando o total para 2 772 401, segundo dados do Instituto Robert Koch para doenças infecciosas.

    O número de mortos também aumentou, com 90 novas vítimas mortais que elevam o total de óbitos para 75 870.

    O programa de vacinação na Alemanha teve um arranque atribulado, muito prejudicado pela pouca oferta de vacinas disponíveis. Até este domingo só 10,3% da população recebeu a primeira dose.

  • Juan Guaidó acusa positivo para infeção com Covid-19

    Juan Guaidó está infetado com Covid-19. A notícia surge num momento em que a Venezuela atravessa o pior momento da pandemia, depois dos os excessos cometidos durante o período do carnaval.

    “Quero informar o país de que, após quatro dias de quarentena auto-imposta em que senti alguns desconfortos — e apesar de ter tomado todas as precauções –, testei positivo para Covid-19. Depois de saber o resultado do teste informei todas as pessoas com quem esteve em contacto “, publicou na noite de sábado o líder da oposição a Nicolás Maduro nas suas redes sociais.

    Guaidó descreveu seus sintomas como sendo leves, acusando alguma dificuldade a respirar, febre, tosse, dor de garganta e dor de cabeça, segundo o que o jornal espanhol El Mundo apurou.

    “Enquanto em todo o mundo o vírus está a recuar, na Venezuela vemos o avanço das infeções”, acrescentou o presidente da Assembleia Nacional (AN). Segundo dados do governo revolucionário, apenas 1 543 pessoas morreram até agora, enquanto o número de infeções ronda os 155 mil. Contudo, os números oficiais fornecidos pelo governo não coincidem com o número de fatalidades, que aumenta todos os dias de acordo com relatórios de hospitais e cemitérios — dizem que os valores reais são seis vezes superiores aos oficiais.

    A segunda onda da pandemia, atribuída pelas autoridades à estirpe brasileira, está a colocar os hospitais venezuelanos sob pressão.

  • Números do Brasil: mais 1 656 mortes e 44 326 novos casos de Covid-19

    O Brasil registou mais 44 326 novos casos de infeção com Covid-19 e 1 656 mortes, relata a Reuters.

    O número total de casos ultrapassou 12 53 milhões, enquanto o número de mortes já ultrapassou as 312 000.

  • Angela Merkel pede aos estados regionais restrições eficazes

    A chanceler alemã disse que é favorável à eventual decisão do Governo vir a impor restrições de movimento no país, para evitar o aumento exponencial dos casos na terceira vaga da pandemia.

    Angela Merkel pede aos estados regionais restrições eficazes

  • Portugal vacinou 62 mil pessoas no sábado, o valor diário mais elevado

    Portugal administrou 62 mil vacinas contra a Covid-19 no sábado, segundo uma informação hoje divulgada pela ‘task force’, que adianta ainda que 80% dos maiores de 80 anos já receberam pelo menos uma dose da vacina.

    O número abrange o total de pessoas que receberam uma dose de vacina no sábado e é “o valor mais alto desde que se iniciou o processo de vacinação”.

    Já hoje o coordenador da ‘task force’, o vice-almirante Gouveia e Melo, tinha adiantado que no sábado 44 mil docentes e não docentes tinham sido vacinados, representando a maioria das doses administradas.

    A informação hoje divulgada adianta ainda que a vacinação neste fim de semana permitiu que hoje o país atingisse “uma outra marca relevante para o sucesso do plano de vacinação: 80% das pessoas com mais de 80 anos já foram vacinadas com a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

    Hoje, em Faro, o coordenador da ‘task force’ disse que o país vai precisar de contratar mais profissionais para acelerar o processo de imunização nos próximos meses, mas os números ainda estão em análise.

    No sábado, primeiro dia de vacinação dos professores e funcionários das escolas, já tinha referido uma aceleração do processo de vacinação a partir de abril, estimando que seja possível vacinar 100 mil pessoas por dia, tendo em conta as remessas previstas para o segundo trimestre.

    Se neste primeiro trimestre Portugal recebeu dois milhões de vacinas, a previsão para o segundo trimestre é de nove milhões de vacinas, das quais 1,8 milhões em abril e as restantes nos dois meses seguintes.

  • ONU critica ‘stock’ excessivo de vacinas nos países ricos e apela à partilha

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, criticou hoje o armazenamento excessivo de vacinas contra a Covid-19 pelos países desenvolvidos e voltou a apelar para uma partilha com o resto do mundo, a única forma de vencer a pandemia.

    “Parece-me muito preocupante o sistema muito injusto de distribuição de vacinas no mundo”, disse Guterres em entrevista difundida hoje pela televisão canadiana CBC.

    “É do interesse de todos garantir o mais rápido possível e de forma equitativa que o mundo inteiro seja vacinado e que as vacinas sejam consideradas como um bem público a nível mundial”, pediu.

    O secretário-geral da ONU acusou os países ricos de fazerem ‘stock’ das vacinas para além das necessidades das suas populações.

    “Apelamos para os países desenvolvidos partilharem uma parte das vacinas que compraram”, disse, referindo que “em muitos casos, foram compradas mais do que as que são necessárias”.

    Guterres lamentou que o sistema internacional de distribuição de vacinas Covax, de ajuda aos países mais desfavorecidos, esteja em “dificuldades”, por ‘stock’ de vacinas, limitações às exportações e por falta de fundos para o Covax.

    Para o secretário-geral da ONU, a saída da pandemia depende da “possibilidade de vacinar o mais rápido possível a população mundial”, e pediu um “mecanismo impulsionado pelo G20 para pôr em prática um plano de vacinação mundial”.

    Interrogado sobre a eventual adoção de passaportes de vacinação, António Guterres mostrou-se muito circunspecto, referindo que antes de qualquer decisão deve haver “uma discussão séria para garantir a equidade” da medida e garantir que existe uma “cooperação mundial eficaz sobre a forma de atuar”.

    “O pior seria que uns países tivessem o passaporte e outros não. Isso seria devastador se significasse que as pessoas teriam a possibilidade de se deslocar no mundo desenvolvido, mas não no mundo em desenvolvimento”, disse.

  • Primeiro-ministro eslovaco demite-se devido a vacina russa

    A crise política na Eslováquia eclodiu há três semanas, quando foi revelada a existência de um acordo secreto entre Bratislava e Moscovo para a compra de 2 milhões de doses da vacina russa Sputnik V.

    Primeiro-ministro eslovaco demite-se devido a vacina russa

  • Angola anuncia mais 32 casos e 20 pessoas recuperadas

    Angola reportou, nas últimas 24 horas, 32 casos novos de Covid-19, elevando o total para 22.063, e a recuperação de mais 20 pacientes, segundo o boletim epidemiológico da Direção Nacional da Saúde Pública.

    Trinta casos foram notificados em Luanda e dois no Namibe, com idades entre 18 e 66 anos, sendo 19 do sexo masculino e 13 feminino.

    Não foram reportados óbitos nas últimas 24 horas, período em que foram recuperadas 20 pessoas, com idades dos 3 aos 55 anos.

    Os laboratórios processaram 714 amostras por RT-PCR, num cumulativo de 425.585 testes, com uma taxa de positividade de 5,2%.

    Angola soma 22.063 casos de Covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 20.289 recuperados, 1.241 ativos (incluindo 9 críticos e sete graves) e 533 óbitos.

    Estão internados 81 doentes e em quarentena institucional 26 pessoas.

  • França. Número de internados em UCI atingem novo máximo este ano

    França registou este domingo um novo máximo de internamentos por Covid-19 em Unidades de Cuidado Intensivo este ano. Segundo dados do ministério da Saúde francês citados pela Reuters, 4 872 pacientes encontram-se internados, em estado grave — mais 81 em comparação com sábado.

    Os médicos franceses já alertaram para a eventualidade desta terceira vaga de infeções poder sobrecarregar os hospitais.

    Os dados deste domingo, contudo, não chegam ao máximo histórico registado em abril do ano pasado, quando sete mil pessoas estavam internadas em UCI.

    O número total de pacientes Covid-19 positivos em hospitais franceses aumentou para de 27 259 para 27 712 e o total de mortes causados pelo vírus chegou este domingo aos 68 597, mais 131 que no dia anterior.

  • Investigadores mexicanos criam máscara para usar no nariz, durante refeições

    A inovação é apresentada num vídeo onde um homem e uma mulher usam esta máscara mais pequena por baixo de uma mais convencional. O objetivo é garantir proteção extra à mesa.

    Investigadores mexicanos criam máscara para usar no nariz, durante refeições

  • Mais duas mortes em Moçambique e 186 novos casos

    Mais duas pessoas morreram vítimas do novo coronavírus em Moçambique e outras 186 foram infetadas nas últimas 24 horas, anunciou este domingo o Ministério da Saúde.

    Segundo uma nota do ministério, as duas vítimas, de nacionalidade moçambicana, com 63 e 87 anos, morreram entre sábado e domingo.

    Moçambique tem um total acumulado de 764 mortes associadas à doença da Covid-19 e 67.197 casos e, destes, 82% estão recuperados. O país africano conta ainda com 11.154 casos ativos, dos quais 105 estão internados (60% na cidade de Maputo).

    Um total de 476.561 casos suspeitos foram testados em Moçambique desde que foi anunciado a primeira infeção com o vírus que provoca a Covid-19, em 22 de março de 2020.

  • Itália. Mais 297 mortos e 19 611 infetados

    A Itália acaba de atualizar os dados em relação à evolução da pandemia nas últimas 24 horas: mais 297 mortes e 19 611 infetados. No sábado passado houve 380 mortes e 23 839 infeções, conta a Reuters.

    No mesmo intervalo de 24 horas foram feitos 272 mil 630 testes, número relativamente inferior aos 357 154 do dia anterior.

  • Reino Unido regista mais 19 mortos e 3 862 infetados nas últimas 24 horas

    No mesmo dia em que ultrapassou a marca dos 30 milhões de vacinados, o Reino Unido reportou mais 3 862 casos positivos de Covid-19 e mais 19 mortes.

  • Reino Unido ultrapassa o marco dos 30 milhões de vacinados

    Mais de 30 milhões de pessoas no Reino Unido já receberam a primeira dose da vacina contra o coronavírus.

    Um total de 30 151 287 pessoas, entre 8 de dezembro e 27 de março, receberam a primeira toma, o equivalente a 57% de todos os adultos do país. Os dados são do Departamento de Saúde e Assistência Social (DSAS) britânico.

    Outras 3 527 481 pessoas (6% da população adulta) receberam a segunda dose da imunização. Tudo somado, nas ilhas britânicas já foram administradas 33 678 768 vacinas.

    O mesmo DSAS disse que a próxima meta é dar a primeira dose da vacina a todos os maiores de 50 anos, isto até ao dia 15 de abril. Matt Hancock, o secretário de Saúde britânico, disse estar “absolutamente emocionado” com o objetivo conquistado. “A vacina está a salvar vidas e é será o nosso caminho rumo à saída desta pandemia.”

    Este marco foi alcançado a poucos dias do Reino Unido receber a primeira remessa de vacinas norte-americanas da Moderna, algo que deverá acontecer já no mês que vem.

  • Covid-19. Médicos alertam que cuidados intensivos na Alemanha estão no limite

    Perante o avanço no número de casos e internamentos, presidente da Associação de Medicina Intensiva e de Urgências alemã pediu restrições mais severas para reverter a tendência.

    Cuidados intensivos no limite na Alemanha. Em França, médicos alertam que situação é pior do que “nos ataques terroristas”

  • Médicos de Paris alertam Macron: "Nunca nos deparámos com uma situação como esta, nem durante os piores ataques" terroristas

    Quarenta e um médicos de Paris publicaram um artigo de opinião no Journal du Dimanche a alertar para a situação crítica dos cuidados de saúde com o agravamento da pandemia no país. No artigo, avisam Emmanuel Macron que podem ter de chegar ao ponto de escolher que doentes tratar.

    O artigo surge numa altura em que o presidente francês tem rejeitado voltar a um confinamento geral em França e optado por restrições como o recolher obrigatório.

    Com o aumento do número de infeções e de camas ocupadas nos cuidados intensivos, os médicos apelam a Macron para que mude de estratégia. “Nunca nos deparámos com uma situação como esta, nem mesmo durante os piores ataques [terroristas]”, como os de 2015, defendem, no Journal du Dimanche.

    Os médicos preveem que o aligeirar das restrições em vigor em março não vai controlar a pandemia. Os recursos hospitalares, adiantam, não são suficientes para responder às necessidades, o que os levará a ter de praticar uma “medicina de catástrofe”.

    “Já sabemos que a nossa capacidade de resposta está sobrecarregada. (…) Seremos obrigados a fazer a triagem dos doentes para salvar o maior número de vidas possível. Esta triagem vai abranger todos os pacientes, com e sem Covid, em particular no acesso dos pacientes adultos aos cuidados intensivos”, consideram.

    No sábado, França reportou mais de 42 mil novos casos de infeção e 190 mortes.

  • Covid-19. Pandemia agravou desigualdades na repartição da riqueza em Portugal, segundo um estudo

    Economista Eugénio Rosa conclui que o fosso entre os trabalhadores e os “donos do capital” aumentou durante a pandemia. Covid-19 “está a agravar ainda mais as desigualdades que já eram enormes”, diz.

    Covid-19. Pandemia agravou desigualdades na repartição da riqueza em Portugal, segundo um estudo

  • Sindicato dos Enfermeiros diz que são necessários 2.500 enfermeiros para vacinação em massa

    O Sindicato dos Enfermeiros avança que serão necessários 2.500 enfermeiros para ajudar no processo de vacinação em massa. Guadalupe Simões, dirigente nacional do Sindicato dos Enfermeiros, recorda que cerca de dois mil enfermeiros serão em breve dispensados depois de terem ajudado no período mais crítico da pandemia.

    “Há que tomar as necessárias para que os enfermeiros possam ser efetivados, são muitos e são necessários nos serviços”, apontou a dirigente em declarações na SIC Notícias frisando que a solução de colocar farmacêuticos a vacinar as pessoas dá uma resposta “inferior” aos portugueses.

    Há já vários enfermeiros na reforma que se disponibilizaram a ajudar na vacinação, mas a dirigente do sindicato diz que serão insuficientes.

  • Boletim DGS. Primeira semana desde final de janeiro que casos sob vigilância sobem

    Há mais 616 pessoas em vigilância pelas autoridades de saúde no espaço de uma semana. Hospitais têm mais 15 internados em enfermaria nas últimas 24 horas, uma tendência que é comum aos fins de semana.

    Boletim DGS. Primeira semana desde final de janeiro que casos sob vigilância sobem

1 de 2