Histórico de atualizações
  • Vamos encerrar por aqui este artigo liveblog, que seguiu a atualidade relacionada com a pandemia de Covid-19 ao longo do dia de ontem, domingo.

    Continue, por favor, a acompanhar-nos nesta nova ligação.

    Maioria de inquiridos em estudo satisfeita com gestão da pandemia em Portugal

    Muito obrigado!

  • Covid-19. Moçambique com 20 mortes e 933 novos casos positivos

    As vítimas mortais eram todas moçambicanas, com idades entre 38 e 76 anos e os novos casos positivos representam um terço de todos os testes feitos.

    Covid-19. Moçambique com 20 mortes e 933 novos casos positivos

  • Covid-19: Angola com mais 77 casos, seis óbitos e 29 doentes recuperados

    Angola notificou 77 novos casos de covid-19 e seis óbitos nas últimas 24 horas, enquanto 29 pessoas recuperaram da doença.

    Covid-19: Angola com mais 77 casos, seis óbitos e 29 doentes recuperados

  • Covid-19. Madeira com oito novos casos e 104 situações ativas

    A região autónoma da Madeira registou este domingo mais oito casos de Covid-19. Há 104 situações ativas na região, que também contou com mais 8 recuperados.

    Covid-19. Madeira com oito novos casos e 104 situações ativas

  • Covid-19. África regista 151.232 mortes e 5.919.408 casos da doença

    O continente africano contabiliza 151.232 mortes devido à Covid-19 e 5.919.408 casos de contágio. A África do Sul é o país mais afetado pela pandemia — regista 47% infeções reportadas.

    Covid-19. África regista 151.232 mortes e 5.919.408 casos da doença

  • Cabo Verde contabiliza mais 37 novos casos

    Cabo Verde registou mais 37 novos casos positivos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas e elevou para 33.006 o número de infeções acumuladas desde o início da pandemia, informou hoje o Ministério da Saúde.

    Em comunicado, aquele ministério cabo-verdiano avançou que, do total de 478 resultados recebidos dos laboratórios, há 37 casos novos positivos, representando uma taxa de positividade de 7,7%.

  • África regista 151.232 mortes e 5.919.408 casos dae Covid-19

    África regista 151.232 mortes devido à Covid-19 e 5.919.408 casos de contágio desde o início da pandemia, segundo dados divulgados este domingo pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).

    Segundo a organização regional, África soma também 5.155.452 recuperações desde o primeiro caso registado no continente, no Egito, em 14 de fevereiro de 2020.

    A África Austral continua a ser a região mais afetada do continente, com 2.798.961 casos, 76.307 óbitos associados à Covid-19 e 2.419.037 recuperações. Nesta região, encontra-se o país mais atingido pela pandemia no continente, a África do Sul, que já registou 2.179.297 casos, 64.138 mortes e 1.904.107 recuperações.

    O Norte de África, que sucede à África Austral nos números da Covid-19, atingiu os 1.684.287 infetados com o vírus SARS-CoV-2, 49.583 mortes associadas à doença e 1.432.009 recuperações.

    A África Oriental contabiliza 746.452 infeções, 15.744 mortes e 661.441 recuperações, e a região da África Ocidental regista 494.417 casos de infeção, 6.529 mortes e 470.907 recuperações.

    A África Central é a que tem menos casos de infeção e de mortes: 195.291 contágios, 3.069 óbitos e 172.058 recuperações.

  • Alunos que vão de Erasmus este ano letivo já começaram a ser vacinados

    Os estudantes que vão fazer Erasmus fora de Portugal no próximo ano letivo começam este domingo a ser vacinados contra a Covid-19, revelou fonte da task force à Rádio Observador.

    Os estudantes que vão estudar para outros países da Europa no próximo semestre receberam uma mensagem este sábado a pedir que se dirigirem aos centros de vacinação estes domingo.

    Leonor Peres é aluna do Instituto Superior Técnico, vai de Erasmus para Roma e explica à Rádio Observador que no final do mês passado foi contactada pela universidade para preencher um formulário e ontem recebeu uma mensagem para ser vacinada.

    “Ontem recebi uma mensagem por volta das 16h00 [a dizer] que ia ser vacinada no dia a seguir de manhã e assim foi, levei a vacina hoje e sei se muitos amigos que estão também a ser vacinados devido ao programa Erasmus”, explicou.

    Os estudantes que por motivos de força maior não podem ser vacinados na data prevista devem dirigir-se aos centros de vacinação ou ligar a explicar a situação, mas o motivo de férias não é admitido.

  • Mais de mil pessoas recuperaram da Covid-19 nas últimas 24 horas

    O boletim da DGS deste domingo reportou ainda 1019 recuperados da doença nas últimas 24 horas e 1127 pessoas em vigilância devido a contactos de risco.

  • Mortes registaram-se em Lisboa, no Alentejo e no Algarve

    Das oito mortes registadas em território nacional nas últimas 24 horas, seis delas ocorreram na região de Lisboa, uma no Alentejo e uma no Algarve.

    Entre os óbitos três tinham idades entre os 60 e os 69 anos, duas mulheres e um homem, duas mulheres tinham entre 70 e 79 anos e três infetados com mais de 80 anos, dois homens e uma mulher.

  • Lisboa continua a ser a região com mais contágios. Centro aproxima-se do Algarve em número de novos casos

    Entre os 2323 novos casos de infeção por Covid-19, 45,54% são na região de Lisboa e Vale do Tejo, que registou 1058 contágios nas últimas 24 horas.

    Seguiu-se a zona Norte com 693 casos, o que representa 29,83% das infeções a nível nacional, e o Algarve com 242 novos contágios, ou seja, 10,41% do total.

    O Centro surge quase com os mesmos números do Algarve, com 226 novos contágios desde o último boletim, quase 10% dos contágios.

  • Número de internamentos volta a subir: mais 40 em enfermaria e nove em cuidados intensivos

    O número de internados volta a subir, com mais 40 doentes em enfermaria nas últimas 24 horas, o que totaliza 672 pessoas internadas nos hospitais nacionais. Também nos cuidados intensivos se regista uma subida de nove doentes, sendo que agora estão 153 pessoas nestas unidades.

    Trata-se do pior dia em número de internamentos de enfermaria desde 25 de março e não havia tantos doentes em cuidados intensivos desde 26 de março.

  • Portugal regista oito mortes e 2323 novos contágios nas últimas 24 horas

    Portugal regista, este domingo, mais 2323 novas infeções pelo novo coronavírus e mais oito mortes provocadas pela Covid-19, revela o boletim da Direção-Geral da Saúde.

  • Pandemia já matou pelo menos 4,02 milhões de pessoas no mundo

    A pandemia de covid-19 matou, até hoje, pelo menos 4.028.446 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um levantamento realizado pela agência de notícias francesa AFP com base em fontes oficiais.

    Mais de 186.368.360 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia.

    Os números são baseados em relatórios diários das autoridades de saúde de cada país até às 11:00 em Lisboa, e excluem revisões posteriores de agências estatísticas, como ocorre na Rússia, Espanha e Reino Unido.

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou que, levando em consideração o excesso de mortalidade direta e indiretamente vinculado à covid-19, os resultados da pandemia podem ser duas a três vezes superiores aos registados oficialmente.

    No sábado, 8.073 mortes e 436.321 novos casos de contágio foram registados em todo o mundo.

    Os países que registaram o maior número de mortes nos seus levantamentos mais recentes são o Brasil com 1.205 novas mortes, Índia (895) e Indonésia (826).

    Os Estados Unidos são o país até agora mais afetado em termos de mortes e casos, com 607.135 mortes para 33.847.784 casos, segundo o levantamento realizado pela Universidade Johns Hopkins.

    Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 532.893 mortes e 19.069.003 casos, a Índia com 408.040 mortes (30.837.222 casos), o México com 234.907 mortes (2.586.721 casos) e o Peru com 194.249 mortos (2.078.815 casos).

    Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 589 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Hungria (311), Bósnia (295), República Checa (283) e Macedónia do Norte (263).

    A Europa totalizou até hoje 1.178.970 mortes e 55.394.178 casos, a América Latina e Caraíbas 1.309.289 mortes (38.698.994), os Estados Unidos e Canadá 633.562 mortes (35.268.020 casos), a Ásia 601.193 mortes (41.394.488 casos), o Médio Oriente 153.087 mortes (9.631.737 casos), a África 151.180 mortes (5.920.173 casos) e a Oceania 1.165 mortes (60.778 casos).

  • Mulher morre infetada com duas variantes de Covid-19

    Idosa de 90 anos ainda não tinha sido vacinada quando foi infetada. Especialista realça que se trata de um dos primeiros casos de coinfeção com duas variantes preocupantes de SARS-CoV-2.

    Mulher morre infetada com duas variantes de Covid-19

  • Reino Unido quer reduzir intervalo entre as duas doses da vacina

    O intervalo entre as duas doses da vacina contra a covid-19 pode vir a diminuir de oito para quatro semanas no Reino Unido, para acelerar a administração da vacinação completa, noticiou hoje o jornal The Sunday Times.

    Segundo o jornal, o Governo britânico pediu ao Comité Conjunto de Vacinação e Imunização (JCVI, na sigla em inglês), um parecer urgente no sentido de reduzir o intervalo entre as duas doses, com vista ao levantamento de todas as restrições a partir de dia 19 em Inglaterra.

    O Comité Conjunto de Vacinação e Imunização é o organismo que aconselha o Governo sobre a implementação do programa de vacinação, nomeadamente os grupos prioritários.

    Se este comité der ‘luz verde’ a esta alteração, vai ser possível viagens ao exterior para milhões de pessoas durante as férias escolares, que começam no final deste mês e prolongam-se até ao início de setembro.

    O Governo de Boris Johnson anunciou, recentemente, que os britânicos com a vacinação completa contra a covid-19 não terão de ficar em quarentena 10 dias quando regressarem a Inglaterra provenientes de países considerados de médio risco.

    De acordo com especialistas, o aumento de casos da variante Delta registado no Reino Unido nas últimas semanas deve-se a infeções entre jovens que ainda não foram vacinados ou que apenas receberam a primeira de duas doses.

    No dia 19, as últimas restrições serão levantadas em Inglaterra e, assim, manter distância social ou usar máscaras passará a ser opcional, embora a oposição política e especialistas peçam o uso de máscara no transporte público.

    Até ao momento, 86,8% da população adulta recebeu a primeira dose e 65,3% dos adultos as duas doses.

    De acordo com os dados oficiais mais recentes, 35.707 novas infeções e 29 mortes foram registadas no Reino Unido na sexta-feira.

  • DGS. Apenas 0,1% das pessoas com vacinação completa adoeceu com Covid-19

    A diretora-geral da saúde repetiu, em entrevista à TSF/JN, uma ideia que já tinha sido deixada pelo vice-almirante Gouveia e Melo, responsável pela task force de vacinação, e lembrou que “mais tarde ou mais cedo todos vamos ser vacinados”: “A grande diferença é que uns vão ser vacinados por um vírus selvagem e vão pagar um preço por essa imunidade que é ficar doente, e outros vão ter a oportunidade de ficar imunizados através de uma vacina que é segura, eficaz e tem qualidade.”

    A DGS destacou a eficácia das vacinas ao referir que “foram identificados, num total de 2.984.095 pessoas com esquema vacinal completo, e passados 14 dias sobre a segunda dose, um pequeno número de 3580 que, mesmo assim, adoeceram“, ou seja, 0,1% do total de inoculados.

    Ao frisar que “teoricamente as vacinas são mais ou menos semelhantes em termos da sua efetividade”, Graça Freitas disse que “há pequenas diferenças, de facto há, das várias marcas”. “E há até pequenas diferenças entre as duas vacinas MRNA [Pfizer/BioNTech e a da Moderna]”, referiu.

  • Graça Freitas diz que Marcelo fez "reparo pertinente" sobre isolamento de Costa e confirma que regras estão a ser estudadas

    Graça Freitas considera que, “na incerteza”, se deve optar pela “prevenção”. A diretora-geral da Saúde esclareceu que apenas 0,1% dos totalmente vacinados adoeceram.

    Graça Freitas diz que Marcelo fez “reparo pertinente” sobre isolamento de Costa e confirma que regras estão a ser estudadas

  • GNR acaba com festa ilegal no concelho de Sintra onde estavam mais de 300 pessoas

    A GNR terminou na madrugada de sábado com uma festa ilegal no concelho de Sintra onde estavam mais de 300 pessoas e que desrespeitava as medidas para conter a pandemia de covid-19, anunciou hoje esta força de segurança.

    Num comunicado, a GNR informa que a ação foi desencadeada após uma denúncia anónima de que “estaria a decorrer uma ‘rave’ ilegal numa zona pública do concelho de Sintra”, distrito de Lisboa.

    Os militares da deslocaram-se ao local pelas 01:20, tendo constatado que no espaço se realizava “uma festa ‘rave’ previamente anunciada pelas redes sociais, com cerca de 300 pessoas, a decorrer em pleno desrespeito pelas normas vigentes”.

    A GNR, através do Destacamento Territorial de Sintra, cessou “de imediato a festa ilegal”, tendo identificado “o organizador do evento e respetivo ‘staff’, para, posteriormente, serem levantados os respetivos autos de contraordenação e auto de notícia”, adianta o comunicado.

    Segundo a GNR, “foi ainda apreendido todo o material de som”.

    Fonte da GNR acrescentou à Lusa que a festa ilegal decorria num pinhal e que a maioria dos participantes era jovem.

  • Estados Unidos "muito preocupados" com ameaça da variante Delta na recuperação económica global

    Os Estados Unidos estão “muito preocupados” com a variante Delta do SARS-CoV-2 e outras mutações do vírus que possam “ameaçar” a recuperação económica global, disse este domingo a secretária do Tesouro norte-americana, Janet Yellen, em Veneza.

    “Estamos muito preocupados com a variante Delta e outras variantes que possam surgir e ameaçar a recuperação [económica]. Estamos numa economia global conectada, o que acontece em qualquer parte do mundo afeta todos os outros países”, disse Janet Yellen durante uma conferência de impresa à margem do G20.

    “As variantes representam uma ameaça para o mundo inteiro”, insistiu, pedindo “um trabalho conjunto para acelerar o processo de vacinação e ter como meta a vacinação de 70% da população mundial no próximo ano”.

    Quando se trata de vacinas, “precisamos fazer mais e ser mais eficazes”, disse a secretária do Tesouro.

    Estados Unidos “muito preocupados” com ameaça da variante Delta na recuperação económica global

1 de 2