Arte

Que Cultura?

Autor
  • Leonel Moura

Não é com um Ministério antiquado, sem visão, que não reconhece relevância à aplicação tecnológica nas artes que se consegue alterar o comportamento do meio artístico e das instituições que o apoiam.

Recentemente o meio cultural voltou a agitar-se para exigir mais subsídios. Praticamente ninguém discutiu o que significa fazer cultura hoje, que objetivos civilizacionais se alcançam e, sobretudo, que retorno tem a sociedade de tais investimentos?

Que a criação cultural é importante, decisiva para a evolução social, todos o sabemos. A par da preservação do que foi feito pelos nossos antepassados, a criação cultural de cada época é o seu espelho, mas também um elemento fundamental na abertura dos caminhos de futuro. Uma das mais importantes missões das artes é antecipar o que pode ser. Ideia que se torna uma evidência a partir do modernismo e, para os mais ativos criadores, um verdadeiro programa de ação cultural.

Na era dos computadores, da Internet e da Inteligência Artificial, não se pode pensar a criação cultural sem perceber a alteração radical que se operou nas nossas sociedades nas últimas décadas. Não se pode certamente continuar a fazer cultura com base nos pressupostos do século 19, nem sequer já do século 20.

Robots pintores na exposição “Artistes et Robots”, Grand Palais, Paris

A recente evolução científica e tecnológica coloca a humanidade perante desafios nunca antes experimentados. De que o prolongamento da vida, a manipulação da mesma, a possibilidade de se criarem entidades tão ou mais inteligentes do que nós, são destacados exemplos. Estes avanços carecem de enquadramento cultural, no sentido, em que este fornece a orientação ética e de destino da espécie humana, sem o qual nos arriscamos a caminhar para o desastre. Veja-se o caso da Inteligência Artificial. Às mãos do mero desenvolvimento tecnológico estamos a construir máquinas autónomas com capacidade letal. Um dia podem virar-se contra nós.

Quanto mais o conhecimento científico e tecnológico avança mais precisamos da cultura artística, enquanto visão aberta, livre e independente de interesses conjunturais. Mas não de uma criação disparatada, irrelevante, infantil.

A criatividade artística pode não ser objetiva como a ciência, mas tem um objeto claro: enquadrar o conhecimento no melhor interesse da humanidade como um Todo. É, aliás, uma das poucas atividades em que a humanidade é entendida como Espécie e não como mera acumulação de partes. Por isso Shakespeare, Leonardo da Vinci ou as máscaras africanas são universais. E milhões de pessoas correm aos Museus para as ver. Ou seja, para ver a humanidade no melhor da sua capacidade criativa.

Infelizmente, a chamada cultura contemporânea perdeu esta noção. Na generalidade dos casos, resigna-se hoje a banais, repetitivas e derivativas expressões sem qualquer interesse, sem capacidade de influência na educação geral, na formação dos mais jovens e, ainda mais grave, sem contribuir para a orientação civilizacional. A criação cultural banalizou-se, cedendo na maioria dos casos ao entretenimento, ao decorativo, quando não à estupidez arrogante.

Por outro lado, um errado entendimento de que as artes são o oposto da ciência, quando na verdade são complementares e mais do que isso simbióticas, conduziram a uma cultura contemporânea conservadora, reacionária mesmo no seu frequente e declarado antagonismo ao conhecimento científico. A tecnofobia domina os meios artísticos, assim como muitas instituições que se dedicam à divulgação cultural. É certo que tem menor expressão na música dada a natureza técnica da mesma, mas é endémica nas artes visuais, no teatro, dança, etc.. Em resultado, para além do entretenimento, temos uma criação cultural contemporânea incapaz de suscitar interesse público, manifestando-se frequentemente como fomento da ignorância.

Precisamos de uma criação cultural realmente contemporânea, informada, atualizada, ativa na conversa sobre o nosso futuro comum. Precisamos de uma política cultural dinâmica, visionária, promotora da colaboração entre as artes e as ciências, porque essa é a única forma de garantir que a evolução científica e tecnológica se mantém no campo das utopias e não derrapa para as distopias. As artes são fundamentais para definir a orientação da evolução tecnológica. Porque, na sua componente verdadeiramente criativa, não decorativa ou anedótica, têm uma ambição que excede os interesses pontuais do mercado e o conservadorismo do que está instalado. As artes, no seu melhor, são uma permanente construção e reconstrução do mundo. Pela sua radical liberdade, são a componente do conhecimento que gera as visões de que se faz o futuro. Desse modo são também um contributo essencial para a inovação em muitos domínios, decisivo no design e na produção empresarial.

Mas não é com um Ministério da Cultura antiquado, sem visão, que não reconhece relevância à aplicação tecnológica nas artes que se consegue alterar o comportamento do meio artístico e das instituições que o apoiam. E não é certamente simplesmente com mais subsídios que isso se consegue.

Artista

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Ministério da Cultura

Leonel Moura

O passado está feito e, em muitos casos, orgulha-nos. O futuro está por fazer e a generalidade dos agentes culturais não está pronta a dar um contributo significativo. É aí que o Estado deve intervir.

Futuro

Inteligência Artificial

Leonel Moura

Podemos imaginar dois cenários: extermínio às mãos das máquinas superinteligentes ou passagem a uma condição subalterna. Mas provavelmente, pois a nossa imaginação é limitada, não sucederá nada disto.

Touradas

O PS e as touradas

Leonel Moura
150

O PS é, no essencial e prática corrente, um partido que representa a velha cultura. Desde logo porque, pela sua história e cumplicidades, tem uma conceção de cultura que remonta a meados do século 20.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)