Livros

Feira do Livro de Lisboa: guia prático para não se perder

4.459

Começa esta quinta feira, dia 26, mais uma edição da Feira do Livro de Lisboa. Dizemos-lhe quais a novidades, as tradições que se mantêm e revelamos alguns destaques da programação

Álvaro Isidoro / Global Imagens

Autor
  • Rita Silva Freire

Todo os anos é igual, só muda (e pouco) a data. Desta vez é a 26 de maio, esta quinta-feira, que o Parque Eduardo VII, em Lisboa, se enche para receber a Feira do Livro. É a 86.ª edição, que se estende até ao Dia de Santo António, segunda-feira, 13 de junho. São mais de duas semanas a celebrar a literatura, numa festa que é feita de livros, escritores e leitores, mas também de farturas, algodão doce e tudo o que faz destes dias passados na feira um programa irresistível. Para que não perca nada, o Observador diz-lhe o que há de novo e as tradições que se mantêm.

Pavilhões

Como já vem sendo habitual, ao longo das laterais do Parque Eduardo VII espalham-se os pavilhões das várias editoras e alfarrabistas participantes. Este ano os números batem recordes: estarão presentes 123 (10 deles pela primeira vez na feira) divididos em 277 pavilhões, que representam 600 editoras/chancelas. Será difícil ver tudo em apenas um dia. Um truque? Numa ida à feira conheça a lateral da esquerda, na ida seguinte a da direita. Ou então não siga plano nenhum, também não é má ideia.

Hora H

Começou há poucos anos mas é já um sucesso. É a Happy Hour dos livros. A partir de dia 30, de segunda a quinta, entre as 22h e as 23h, é possível adquirir, nos pavilhões dos editores participantes, livros com 50% de desconto (que se aplica a todos os que estão fora da Lei do Preço Fixo, ou seja, que foram editados há mais de 18 meses). As filas podem ser extensas: vá uma ou duas horas antes, veja que editoras vão aderir a esta happy hour, escolha os livros que lhe interessam e, a partir das 22h, corra para os pagar.

Crianças

Não há programa melhor que um dia passado no jardim, com farturas, pipocas, algodão-doce e livros. Além de deixar os mais novos folhear os livros, permitindo-lhes escolher que mundo encantado levar para casa, há atividades a não perder. Uma das novidades é a iniciativa Acampar com Histórias, dirigida a miúdos entre os 8 e os 10 anos. São oito noites em que será possível acampar na Estufa Fria e passar uma noite dentro da Feira, na companhia de escritores, ilustradores, contadores de histórias. Os telemóveis não entram e na mochila deverá ir um saco-cama, escova e pasta de dentes e uma toalha de rosto. A inscrição custa dez euros mas esta promete ser uma noite verdadeiramente inesquecível (a 27 e 28 de Maio, 3, 4, 9, 10, 11 e 12 de Junho). Para os que vão apenas durante do dia, como já é tradição, a feira conta com vários espaços dedicados aos mais novos: além das zonas reservadas nos pavilhões de cada participante, onde será possível conhecer os autores favoritos e ouvir contar diversas histórias ou encontrar uma personagem de encantar, as Bibliotecas Municipais contam com um espaço com atividades, que vão desde o Yoga Mágico em Família (a 29 de Maio, pelas 11h30) ao workshop Pão a Pão (4 de Junho, às 18h).

[o mapa da Feira do Livro de Lisboa deste ano; clique aqui para ampliar]

Mapa Feira do Livro 2016

Cinema

É uma das novidades desta edição. Para celebrar o aniversário de Virgílio Ferreira vai ser projetado o filme “Manhã Submersa”, numa parceria com a Cinemateca. Antes do filme, será possível assistir a uma conversa entre o realizador, Lauro António, e Lídia Jorge (a 3 de junho, às 21h).

App Mobile Feira do Livro de Lisboa

A feira está cada mais tecnológica. No dia de abertura será lançada a aplicação e, aqueles que a descarregarem, terão no seu telemóvel, entre outros conteúdos, o mapa da feira, a programação e os livros do dia.

Comida

As farturas Otário marcam presença, tal como as pipocas, o algodão doce e as bifanas. Mas há mais. São vários os restaurantes a marcar presença no parque: ao todo são 40 espaços de restauração, 10 deles em estreia na feira, como as Piadinas, os pastéis de massa tenra da Maria Tenra e a comida biológica da The Cru. De resto, há comida para todos os gostos: pizzas, hamburgures, comida de autor, comida mexicana, bagels, cachorros, bolas de Berlim e muitas outras iguarias.

Dê Nova Vida aos Livros

É a campanha promovida pela APEL e o Banco de Bens Doados. No seu pavilhão será possível deixar um ou mais livros nas estantes. Livros esses que serão, no fim, entregues a crianças de instituições que fazem parte da rede do Banco de Bens Doados. No ano passado foram angariados três mil livros. Este ano a organização esperar superar este número.

Escritores

Ninguém esquece o encontro com o escritor favorito. Serão centenas os que passarão pela feira nestas duas semanas, entre sessões de autógrafos, lançamentos de livros e debates. O Observador deixa-lhe alguns destaques:

26 de maio: Sessões de autógrafos com Pepetela, Inês Pedrosa, Maria Teresa Horta, Sandro William Junqueira.

28 de maio: Sessões de autógrafos com António Lobo Antunes, Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, Patrícia Reis, Rita Ferro, João Tordo e João de Melo. Rui Cardoso Martins lança Levante-se o Réu Outra Vez. John Banville apresenta A Guitarra Azul.

29 de maio: Sessões de autógrafos com Manuel Alegre, David Machado, Ana Margarida de Carvalho e Gonçalo M. Tavares. Lançamento de Putinlândia, de Bernardo Pires de Lima. Showcooking de comida vegetariana pelo casal David Frenkiel e Louise Vindahl e de Sopas, Saladas e Chás Detox por Lillian Barros.

3 de junho: Debate e Leituras em torno de As Coisas que os Homens me Explicam, de Rebecca Solnit. Debate e leituras em torno de As Coisas que os Homens me Explicam, com Patrícia Müller, Maria do Rosário Pedreira, Andréa Zamorano, Ana Cássia Rebelo, Helena Vasconcelos, Filipa Martins e Tânia Ganho

04 de junho: Sessões de autógrafos com Lídia Jorge, Inês Pedrosa e Rui Miguel Tovar. Entrega do Prémio Leya a António Tavares; lançamento de O Cão que Comia a Chuva, de Richard Zimler e Júlio Pomar.

05 de junho: Sessões de autógrafos com Maria Teresa Horta, Ondjaki, Afonso Cruz e Pepetela. Showcooking de Ágata Roquette.

08 de junho: Lançamento de Vinte Poemas para Camões, de Manuel Alegre.

09 de junho: Lançamento de Para lá do Relvado: o que podemos aprender com o futebol, de Raquel Vaz-Pinto. Apresentação por Ricardo Araújo Pereira, António Lobo Xavier e Bernardo Pires de Lima.

10 de junho: Sessões de autógrafos com Nuno Júdice e Manuel Alegre.

11 de junho: Sessões de autógrafos com Luís Sepúlveda, João de Melo e Maria Teresa Horta

12 de junho: Sessões de autógrafos com Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, Inês Pedrosa e João Tordo. Debate sobre a liberdade de expressão, com Fernanda Câncio, Daniel Oliveira e Ricardo Araújo Pereira.

13 de junho: Daniel Sampaio e Ondjaki estarão na Praça Leya.

[site oficial da Feira do Livro de Lisboa aqui]

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

A verdade a que temos direito

Gabriel Mithá Ribeiro

Os manuais de História recomendados no nosso sistema público de ensino condenam, bem!, o nazismo alemão (1933-1945), mas conseguem encontrar formas para legitimar (mal!) o maoísmo chinês (1949-1976).

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site