Logo Observador
Enfermeiros

Enfermeiros discutem formas de luta contra discriminação no pagamento de trabalho extra

258

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) está a analisar formas de luta contra a discriminação de profissionais no pagamento do trabalho extraordinário decidido pelo Ministério da Saúde.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) está a analisar formas de luta contra a discriminação de profissionais no pagamento do trabalho extraordinário decidido pelo Ministério da Saúde. Segundo o sindicato, num decreto-lei publicado na sexta-feira o Ministério da Saúde impôs “a alteração do pagamento do trabalho extraordinário aos profissionais de saúde que exercem funções nos serviços de urgência e nas unidades de cuidados intensivos”. Assim, a partir de abril, será pago 75% e, a partir de 1 de julho, será pago nos termos resultantes da negociação com os sindicatos.

Para o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses é “inadmissível e intolerável” que o Ministério da Saúde “discrimine negativamente todos os restantes profissionais que realizam trabalho extraordinário em todos os restantes serviços” e também todos os profissionais que trabalham por turnos, mantendo o corte em 50% do valor das horas penosas ou de qualidade. Os sindicalistas alegam ainda que o Ministério impôs a não aplicação da legislação sobre concursos relativos à carreira de enfermagem no processo de recrutamento excecional de enfermeiros a concretizar este ano.

O SEP exige medidas para “os graves problemas dos enfermeiros” e adianta que a direção nacional irá discutir formas de luta para combater a “discriminação negativa” por parte do Ministério da Saúde.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ciência

Dos testículos e das vacinas

João Pires da Cruz

Se bem que a pseudociência abre caminho para todo o tipo de disparate e este pode matar, a verdade é que a comunidade científica, e a economia que forma, dificilmente sai incólume nesta história.

Serviço Nacional de Saúde

Vacinação obrigatória

Fernando Leal da Costa
205

Não posso aceitar, a coberto da liberdade de informação, que se dê cobertura jornalística igual e intensa aos que, por total ignorância ou má-fé, insistem em negar o direito dos filhos serem vacinados

Catolicismo

Fátima (1): Aparições ou visões?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Na Cova da Iria os pastorinhos tiveram visões e não aparições, mas o valor não é menor porque, como notou Bento XVI, visões têm uma força de presença tal que equivalem à manifestação externa sensível.