Logo Observador
Festival Eurovisão da Canção

RTP vai encontrar condições para fazer Eurovisão “sem excessos”

277

O presidente da RTP, Gonçalo Reis, afirmou esta terça-feira que a estação pública vai "encontrar condições para fazer a Eurovisão [o festival]", que se realiza em Portugal em 2018, "sem excessos".

JOÃO RELVAS/LUSA

O presidente da RTP, Gonçalo Reis, afirmou esta tera-feira que a estação pública vai “encontrar condições para fazer a Eurovisão [o festival]”, que se realiza em Portugal em 2018, “sem excessos”. Portugal ganhou no sábado, pela primeira vez, o Festival Eurovisão da Canção, com “Amar pelos dois”, interpretada por Salvador Sobral, e vai organizar no próximo ano o evento.

O Festival Eurovisão da Canção “vai ser uma grande oportunidade”, acrescentou Gonçalo Reis aos jornalistas, à margem da inauguração do parque fotovoltaico da RTP. “Estou entusiasmado”, disse o gestor, salientando que esta é uma oportunidade não só para Portugal como também para o turismo, entretenimento e para a RTP.

Sem falar em valores, já que o dossiê ainda está a ser estudado, o presidente do Conselho de Administração da RTP disse esperar que o valor envolvido esteja “dentro do razoável”. “Já nos passaram o caderno de encargos, com requisições técnicas muito específicas”, o que vai ser “trabalhado nas próximas semanas e meses”, acrescentou, apontando que ainda está a ser definida a equipa que vai acompanhar o tema.

Para já, está agendada uma reunião com os responsáveis da Eurovisão para 13 de junho. “Do ponto de vista técnico há muitas exigências e a RTP tem de o saber fazer”, salientou, acrescentando que a realização do Festival Eurovisão da Canção vai levar à mobilização de recursos da RTP. Gonçalo Reis disse que o local do evento ainda não está definido.

Sobre os custos do evento, que os media têm apontado entre os 30 e os 50 milhões de euros, tendo como referência a realização do mesmo evento em outros países, Gonçalo Reis apontou que há casos em que foi necessário construir pavilhões de raiz, o que não acontece em Portugal, que tem “infraestruturas excelentes”. “É prematuro” avançar com valores, adiantou o gestor.

Gonçalo Reis adiantou que na noite em que Portugal venceu foi contactado “por grandes marcas nacionais”, que manifestaram a sua disponibilidade para patrocinar o evento. “Têm chovido manifestações de interesse”, sublinhou, acrescentando que a RTP conta que o evento, que será realizado em Portugal no próximo ano, apresente um “tom de qualidade, elegância e simplicidade”. Destacou ainda que o turismo e as autarquias também beneficiam da realização do Festival Eurovisão da Canção e que haverá articulação com essas entidades.

Durante a inauguração do parque fotovoltaico da RTP, que está a funcionar desde 07 de abril, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, lançou um repto à administração da empresa para que seja feito um festival “com produção de energia renovável” apenas. “É possível fazê-lo”, considerou o governante, que sublinhou que o país vai ter visibilidade por ocasião da realização da Eurovisão.

Por sua vez, a administradora Cristina Vaz Tomé adiantou que o parque fotovoltaico resultou de um investimento de 300 mil euros, com um retorno previsto entre nove a 10 anos. “Vamos ficar com menor dependência” energética, acrescentou a gestora, que também avançou que este ano a RTP vai “ter carros elétricos na frota” e que tal não será apenas em Lisboa, alargando-se às ilhas. A RTP está ainda a estudar a possibilidade de “aproveitar as águas pluviais”, disse.

A infraestrutura inaugurada esta terça-feira é constituída por 900 painéis fotovoltaicos, instalados numa área de 1.450 metros quadrados e que irá produzir por ano o equivalente ao consumo energético de 118 lares portugueses, tendo a empresa portuguesa Enforce sido responsável pela execução do projeto. Os painéis foram colocados numa zona de parque automóvel, permitindo ainda servir de sombra para os mesmos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt