Logo Observador
Bitcoin

Banco suíço é o primeiro a oferecer bitcoins aos clientes

113

O Falcon Private Bank tornou-se no primeiro banco convencional a oferecer-se para comprar bitcoins para os clientes mais ricos. Podem até transformar o dinheiro físico em dinheiro digital.

Getty Images

A partir da próxima quarta-feira, 19 de julho, o banco suíço Falcon Private Bank vai tornar-se no primeiro banco convencional a comprar a moeda digital bitcoins para oferecer aos clientes mais ricos. Arthur Vayloyan, chefe global de produtos e serviços da Falcon, explicou à New Scientist que muitos dos clientes preferem usar bitcoins para fazer investimentos e que vão até poder converter o dinheiro físico na moeda digital.

A autorização para a apresentação deste novo serviço foi dada à Falcon Private Bank na última terça-feira pela Autoridade Federal de Vigilância do Mercado Financeiro (FINMA). Mas as preocupações já começaram a vir à tona: Andreas Antonopoulos, que apresenta o podcast Let’s Talk Bitcoin, disse que isso pode tornar o banco mais vulnerável a roubos do que um banco convencional que só gere dinheiro físico por causa dos ataques informáticos por hackers.

O que a Falcon Private Bank vai fazer é inaugurar uma ferramenta de gestão criptográfica que permite comprar, vender ou amealhar a criptomoeda, seja através do site ou aplicação do banco privado ou com o auxílio de um gerente de conta. Esse dinheiro, à semelhança do físico, vai constar em todos os extratos de conta e pode ser consultado numa caixa eletrónica, uma espécie de multibanco, na sede do banco, em Zurique (Suíça). Todo este sistema foi criado através de uma parceria com a Bitcoin Suisse AG, uma corretora financeira codificada e gerente de ativos. Essa parceria foi estabelecida em janeiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Crise financeira

BCE, bancos e governos: lições da crise

Inês Domingos

Agora que a urgência da crise passou é importante refletir sobre a criação de uma instituição Europeia para apoiar os Estados em dificuldades (ilíquidos, mas não insolventes) de forma permanente.