Escolas

CDS-PP acusa Governo de “estalinização da comunicação”, ministro desvaloriza “ruído”

135

Cecília Meireles, deputada do CDS-PP, acusou o Governo de "estalinização da comunicação" quanto aos rankings das escolas. O ministro da Educação desvalorizou o "ruído".

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A deputada do CDS-PP Cecília Meireles acusou esta quarta-feira o Governo de “estalinização da comunicação” quanto aos dados disponíveis sobre os ‘rankings’ das escolas, enquanto o ministro da Educação desvalorizou aquele “ruído”.

“Chama-se a isto a estalinização da comunicação e também a antítese do que deve ser o sistema de ensino”, declarou a deputada democrata-cristã, referindo-se ao facto de os dados sobre os resultados de exames e provas não terem sido disponibilizados no final do ano, no fim de uma interpelação parlamentar ao Governo.

Segundo a parlamentar centrista, “no fim do ano, tem sido habitual a publicação dos dados que permitem que a informação seja trabalhada e várias entidades façam os chamados ‘rankings’ da educação”, mas, “no fim de 2017, houve uma novidade – os dados ainda não foram publicados e foi publicado um documento que é, basicamente, opinião do Governo sobre estes dados”.

“Ainda antes de termos a informação, já temos aqui, prontinha a consumir, a opinião que devemos ter sobre a informação. Se os alunos devem pensar pela sua própria cabeça, todos nós devemos pensar pela nossa cabeça. Muito obrigada ao Governo por me dizerem o que devo pensar, mas prefiro que me deem os dados e me deixem a mim tirar as conclusões que eles me permitem tirar”, disse.

O ministro da Educação contrapôs que, “agora e não antes, todos os cidadãos têm acesso, à distância de um clique, aos resultados de cada escola nas provas e exames para todos os ciclos e vias de ensino e acesso aos dados finos”.

“Nada melhor do que a realidade para desmentir quem a dispensa apenas para que o ruído que emite seja mais estridente. Esse ruído não sobrevive porque a realidade o desmente e todos a podem conhecer. Por isso alargámos o saudável princípio democrático da transparência e prestação de contas, ao contrário do que aqui foi dito”, insistiu.

Cecília Meireles lembrou ainda várias propostas do CDS-PP para o setor da educação, desafiando o executivo a acolhê-las: estabilidade por seis anos nas políticas educativas, organização dos ciclos ensino em apenas dois e revisão do calendário escolar com um período de férias grandes menor e com pausas maiores ao longo do ano letivo.

“Fala numa estabilidade importante de seis anos. Recordam-se bem que, quando o anterior Governo [PSD/CDS-PP] entrou, o nome e o apelido do ministro [Nuno] Crato rimava com xis-acto porque os cortes com o passado eram absolutamente agudos”, ironizou, criticando as alterações então introduzidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

A verdade a que temos direito

Gabriel Mithá Ribeiro
204

Os manuais de História recomendados no nosso sistema público de ensino condenam, bem!, o nazismo alemão (1933-1945), mas conseguem encontrar formas para legitimar (mal!) o maoísmo chinês (1949-1976).

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site