Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É elétrica, dobra-se, brilha no escuro e carrega o smartphone. Pode custar a acreditar mas é uma bicicleta. A Gi Bike foi criada por três amigos de Córdoba, na Argentina. Levou-lhes dois anos e todas as poupanças. Agora os criadores da bicicleta procuram quem os queira financiar através da plataforma de crowdfunding Kickstarter. Precisam de arranjar 400 mil dólares (quase 300 mil euros) até dia 12 de junho para começar a produção para comercialização.

As ajudas começam com um dólar (cerca de 70 cêntimos), mas quem financiar com 2.590 dólares (cerca de 1.900 euros) receberá uma Gi Bike manual e com 6.490 dólares (cerca de 4.700 euros) um par de Gi Bike elétricas. As bicicletas existem em duas versões, as que dão apoio elétrico (para não se esforçar a pedalar)  e as simples, mas todas as funcionalidades estão incluídas em ambas, como um sistema antirroubo, que bloqueia as rodas quando a bicicleta se afasta do smartphone do dono, ou uma aplicação com estatísticas sobre a atividade física – medição de calorias, velocidade, tempo e distância percorrida.

A ideia dos três amigos surgiu depois de uma greve nacional dos transportes que impediu as pessoas de se deslocarem. Nesse momento aperceberam-se que a bicicleta era o melhor meio de transporte, mas que há mais de 200 anos não sofria alterações que lhe conferissem melhorias significativas.  Privilegiaram a funcionalidade à estética e ao fim de dois anos tinham desenhado uma bicicleta confortável e ajustável ao tamanho do condutor, segura e fácil de usar. A Gi Bike é feita de alumínio e pesa 17 quilos. Com um movimento simples é mais fácil e mais rápida de dobrar do que um carrinho de bebé. A autonomia da bateria permite-lhe viajar 64 quilómetros antes de ser recarregada.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR