Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Lembra-se dos ‘toques’ do Facebook, aquela aplicação que ninguém sabia muito bem para que é que servia? Pois bem, uma nova aplicação para smartphones tablets está a levantar dúvidas semelhantes, tudo porque parece (à primeira vista) uma inutilidade. Chama-se Yo e serve para dizer isso mesmo: Yo. Ou Yo Yo. Mais nada.

O que, na verdade, pode ter alguma mais-valia, defende o criador da aplicação Or Arbel, que foi chamado pelo criador de outro serviço web (Mobli), Moshe Hogeg, que precisava de uma aplicação que tivesse “um botão que quando se carregasse, enviava uma notificação”. Assim, a sua secretária – que ele tentava chamar por SMS repetidamente sem sucesso – saberia que ele precisava dela.

A princípio, Arbel achou a ideia “parva” e recusou-se a fazer a aplicação. Depois lá a fez e agora defende-a: “As pessoas não percebem. Pensam que a aplicação só serve para dizer Yo. O que aqui temos é uma nova forma de receber notificações – notificações da vida – dos amigos, família…” E dá o exemplo de que uma pessoa pode adicionar o Mundial 2014 à lista da aplicação e receber um Yo sempre que haja um golo.

Para o programador, a partir do momento em que se começa a usar o Yo “a forma como afeta a nossa vida é profunda”, até porque alguma confusão com que os Yo são enviados e recebidos é facilmente ultrapassada, diz. Em inglês – especialmente na América – Yo é uma expressão usada como cumprimento, para chamar alguém ou a atenção de alguém para alguma coisa. “Geralmente percebemos o que significa o Yo com base em quem o envia e quando o recebemos”, explica.

Um simples Yo chamou a atenção de vários investidores – alguns angariados por Moshe Hogeg -, que já decidiram dar um milhão de euros para o desenvolvimento da aplicação. Arbel dedica-se agora exclusivamente a isso. Deixou o seu emprego e mudou-se de Israel, de onde é originário, para São Francisco, nos Estados Unidos. É caso para usar uma outra expressão: wow.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR