Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Taylor Swift trocou as letras de canções por…uma coluna de opinião no The Wall Street Journal (WSJ). Na curta tese, publicada na segunda-feira, a cantora de country faz uma análise sobre o atual estado do setor músical. Ao contrário de muitos, ela acredita que a indústria “está agora a ganhar vida”. Mas fala sem rodeios dos aspetos negativos, como a importância dos seguidores no Twitter, que poderão vir a ser definitivos para o sucesso de um artista, e a procura das selfies em detrimento do tradicional autógrafo.

Taylor

Taylor Swift Official Instagram

A artista contraria aqueles que temem a queda acentuada das vendas geradas pela música que, consequentemente, pode significar a irrelevância do álbum. Para Swift, o valor de um álbum está, e vai continuar a estar, baseado na quantidade de alma que um artista coloca num trabalho, mas também no valor financeiro que este, e a sua discográfica, lhe atribui.

Apesar de serem poucas, ainda há pessoas que compram álbuns, diz. “Estão a comprar aqueles que as atingem, como uma flecha que atravessa o coração” — não fosse a dicotomia artistas-fãs ser muito semelhante a uma relação amorosa. Sendo a música uma forma de arte, é importante e rara. Mais uma razão, argumenta a cantora, pela qual as pessoas devem pagar por ela.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas o texto publicado no jornal não é feito apenas de palavras otimistas. “Na geração Youtube em que vivemos, entro no palco todas as noites (…) sabendo que quase todos os fãs já viram o espetáculo online“. Explica que os fãs mais novos estão (ou são?) cada vez mais impacientes, pelo que o desafio é claro: cabe ao artista musical surpreender constantemente quem o ouve e vê, de forma a estreitar a relação.

Mas muito mudou nessa relação, como os autógrafos, que se tornaram obsoletos: “Não me pedem um autógrafo desde a invenção do iPhone com uma câmara virada para a frente”. A única coisa que ‘os miúdos de hoje’ querem é uma selfie. É uma espécie de moeda que define “quantos seguidores temos no Instagram”.

Por falar em seguidores, Swift conta a história peculiar de uma atriz sua amiga que foi escolhida, em última análise, por ter um maior número de seguidores no Twitter. A cantora deixa ficar o aviso: “No futuro, os artistas vão conseguir contratos discográficos porque têm fãs — e não o contrário”.