Vem dar uma voltinha na minha lambreta
Vê só como é bonita
É vaidosa, a rodinha mais vistosa
Deixa um rasto de cometa
É baixinha mas depois
Parece feita para dois
Sem falarmos nos eteceteras
Que fazem de nós heróis

Lambreta, de António Zambujo

“Era uma vez um conjunto de scooters lado a lado”… assim começa a história da Beck, uma nova empresa 100% portuguesa. Paula Cameira recorda-se do dia em que, descendo uma rua no Chiado, reparou num conjunto de scooters paradas. Abrandou o passo e fitou-as: “Imaginei-as com capas coloridas e achei que podia dar uma grande alegria à cidade. Tão simples quanto isso”, conta ao Observador. Estávamos em 2013.

A Beck, junção de bench (banco) e back (costas), é um negócio de estrutura familiar que se propõe a estilizar todas as scooters de 50 e 125 cc. Como? Ao criar capas originais, com cores e padrões diversos, para os assentos das lambretas. Até agora existem mais de 20 modelos disponíveis que podem ser encomendados online (o preço varia entre 18 e 22 euros). E, ao que tudo indica, alguns pontos de venda fazem parte dos planos futuros.

beck

Jorge Castro

 

As capas dividem-se em duas linhas: monocromática, composta por cores lisas, e policromáticas, cujas sugestões apresentam vários estilos, sejam eles urbanos, ousados, masculinos e até femininos. A ideia é fazer poucos modelos de cada capa de modo a promover a exclusividade, mas também há a possibilidade de pedir algo tailor-made. A função das peças vai além do sentido estético, uma vez que podem proteger do calor, dos assentos aquecidos, e ajudam a conservar o banco do seu normal desgaste. Mais do que isso, dão pinta.

A produção fica a cargo de uma empresa no norte do país e é Paula quem a controla. Mas nem sempre foi esta a vida da recém-empreendedora (a marca foi lançada na segunda-feira). Antes trabalhou na área dos estudos de mercado para a indústria farmacêutica e, mais tarde, viria a dar um chuto no desemprego através da criação da Beck. Mas o engenho não cabe só a Paula Cameira; a ela juntam-se ainda o marido, o filho e a nora. O projeto é “pequeno e flexível”, explica.

Beck

Jorge Castro

 

O quarteto (fantástico?) tem como objetivo levar a Beck além-fronteiras, daí o nome de aspiração internacional. Mas o sucesso tem de começar por cá e Paula está ciente disso. “As scooters são um nicho de mercado que vai crescer tendencialmente. Quando venho a Lisboa vejo scooters em diferentes situações: paradas à porta do colégio, do trabalho ou disponíveis para alugar. Se a moda pega ou não, só o tempo dirá, mas a nova empresária não tem problemas em exibir confiança — “acho que vai ser uma coisa contagiante”.