Mundial 2018

Ocidente já fala em boicotar Mundial 2018 na Rússia

Durante uma reunião, anterior ao anúncio do cessar fogo, para discussão das sanções que deviam ser aplicadas à Rússia, a União Europeia ponderou boicotar o Mundial de 2018.

ALEXEY NIKOLSKY /RIA NOVOSTI / KREMLIN POOL/EPA

Caso a Rússia não tivesse declarado o cessar fogo, a União Europeia já tinha ponderado boicotar o Mundial de Futebol de 2018 que  terá lugar na Rússia. Foi nesta terça feira que se começou a delinear a suspensão da Rússia de “eventos internacionais de caráter cultural, económico ou desportivo”. Desta forma, possivelmente deixaremos de ver a camisola russa em corridas de Fórmula 1, Europeus de Futebol e até mesmo no Mundial de Futebol que iria decorrer nesse país. Esta era a manchete desta quarta feira do Financial Times horas antes da conversa entre Vladimir Putin e Petró Poroshenko.

A ideia surgiu durante uma reunião na União Europeia, esta segunda feira, e depressa teve o aval das várias delegações, principalmente a Estónia e a Lituânia. Esta sanção não fazia parte da lista de restrições económicas que deveriam ser impostas à Rússia no final da semana, mas tinha que ser tomada “uma vez que não vemos boa vontade da parte da Rússia” justificou um diplomata da Letónia esta segunda feira.

O acumular destas situações pode significar que o veto aos eventos desportivos se está a tornar uma nova arma geopolítica. Já em 1979 depois da invasão soviética no Afeganistão os Estados Unidos boicotaram os Jogos Olímpicos de Moscovo em 1980. Quatro anos depois, o bloco oriental retaliou boicotando os Jogos em Los Angeles.Mujtaba Rahman, líder de análise europeia na consultadoria de risco do Grupo da Euro-asia, acrescentou que “isto vai pressionar os Russos mais do que qualquer ação financeira da União Europeia”.

A par desta medida, as sanções económicas seriam debatidas, esta quarta feira, na Comissão Europeia e só depois aprovadas pelas capitais europeias. Estas medidas não seriam mais do que uma expansão das já aprovadas em Julho. Em linhas gerais, a proibição das companhias russas acederem aos mercados europeus, que hoje em dia só se aplica a grupos de defesa, a grupos de energia e aos bancos estatais russos. Segundo a proposta discutida esta semana todas as empresas petrolíferas e de defesa russas controladas pelo Estado estariam impedidas de levantar fundos nos mercados europeus, este impedimento iria atingir Rosneft, a maior petrolífera russa que é até detida em 20% pela BP e pela Gazprom Neft.

Estaria também negado o uso dos serviços  das companhia petrolíferas europeias para perfuração de águas profundas, exploração do ártico e produção de óleo de xisto. Esta é uma importante contrapartida uma vez que podem afetar a Technip francesa, a Saipem Italiana e a Inglesa Petrofac. Contudo, não haverá sanções que afetem o setor do gás. Também a banca russa está com um controlo financeiro apertado mas, as novas propostas seriam ainda mas rigorosas, visam impedir os credores estatais russos de usar qualquer instrumento financeiro com vencimento superior a 30 dias, menos do que os 90 dias face aos estipulados nas sanções de julho. Outro dos pontos que preocupa a UE é o das tecnologias de dupla utilização que passarão a constar de uma lista negra e devem ser banidos.

A comunidade internacional estava a traçar um cerco apertado à Rússia. A NATO intensificou a atividade militar nos estados membros de leste após a anexação da Crimeia. E espera que no final desta semana haja uma cimeira no País de Gales para criar uma força de reação rápida.

 

A FIFA já se pronunciou acerca deste assunto aquando do abate do Malysia Airlines MH17 dizendo que “boicotar eventos desportivos não é a forma mais eficaz para resolver os problemas”. Obama está empenhado em demonstrar o seu apoio aos ex estados soviéticos do báltico mas já teria preconizado na terça feira  “é muito importante entender que uma solução militar para este problema não vai ser próxima”.

 

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)