Em comunicado, as Organizações Representativas dos Trabalhadores (ORT) da empresa informam que vai ser esse o horário do plenário geral de trabalhadores na estação de recolha de Francos, marcado para debater, informar e eventualmente aprovar “formas de luta” devido ao parecer negativo da tutela “quanto à admissão de motoristas” e a subconcessão da STCP.

Contactado pela Lusa, Pedro Silva, da Comissão de Trabalhadores da STCP, explicou que “a Secretaria de Estado dos Transportes recusou admitir novos motoristas, alegando que está a decorrer um concurso público para a concessão da STCP”.

No comunicado, as ORT defendem que “manter a STCP a operar na Área Metropolitana do Porto contribui para o aumento na mobilidade dos cidadãos, com aumento de ganhos de eficiência para a empresa, para o Estado e consequentemente para as autarquias”.

As ORT afirmam que a STCP recorre diariamente “a dezenas de motoristas para a realização do trabalho extraordinário” para “atenuar o incumprimento generalizado dos horários previstos, sobrecarregando os motoristas com horas excessivas de condução e de duração ilegal.

Os trabalhadores da STCP reclamam a contratação de mais motoristas há vários meses e este mês cumpriram mesmo uma semana uma greve às horas extraordinárias por esse motivo.

Na ocasião, os trabalhadores afirmaram que a greve de zelo era “a forma encontrada para sensibilizar a população do Grande Porto para a degradação propositada do serviço público que este Governo tenta a todo o custo e pelos vistos a qualquer preço”.