A EDP – Energias de Portugal informou nesta terça-feira que vendeu metade dos 66,67% que possuía na brasileira Empresa de Energia São Manoel S.A. (São Manoel) à subsidiária da China Three Gorges (CTG) no Brasil. A posição era detida pela EDP – Energias do Brasil (EDP Brasil) e foi alienada para a CWEI (Brasil) Participações Ltda (CWEI), conforme informação disponibilizada no sítio da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A EDP explicou que a transação realizou-se “no âmbito da parceria estratégica EDP/CTG acordada em dezembro de 2011 e que entrou em vigor em maio de 2012”. Com esta operação, a CWEI junta-se à EDP Brasil e Companhia Furnas Centrais Elétricas como acionista da São Manoel, resultando em uma participação final detida pela EDP Brasil de 33,334%, por Furnas de 33,333% e pela CWEI Brasil de 33,333%.

A Empresa de Energia São Manoel detém a concessão para a construção e exploração da central hidroelétrica de São Manoel, com capacidade instalada de 700 megawatts, a ser construída na fronteira entre os Estados do Mato Grosso e Pará, no rio Teles Pires. Esta parceria da CTG com a EDP no Brasil foi divulgada à CMVM em 7 de fevereiro, quando foi divulgado que esta associação iria contar “para o compromisso da empresa chinesa de investir dois mil milhões de euros na produção de energia renovável”.

A EDP Brasil ganhou a 13 de dezembro, através do Consórcio Terra Nova (detido a 66,6% pela EDP Brasil e a 33,3% pela Companhia Furnas Centrais Elétricas), a construção da central hidroelétrica São Manoel, entre o Estado do Mato Grosso e o Estado do Pará no Rio Teles Pires.

A elétrica portuguesa adiantou na altura que o “financiamento da construção prevê a utilização de recursos de longo prazo, com alavancagem estimada até 66% do investimento de 2,7 mil milhões de reais [cerca de 800 milhões de euros]”, montante que não considera inflação ou juros capitalizados.

O investimento da CWE Investment Corporation, afirmou na ocasião a EDP, “será considerado para efeitos do cumprimento do acordo de parceria estratégica entre a EDP e a CTG, em relação ao investimento total de dois mil milhões de euros a efetuar pela CTG (incluindo cofinanciamento de investimento operacional) em projetos de produção de energia renovável operacionais e prontos a construir”