É o monopólio mais antigo do mundo. E está prestes a terminar. A partir de 2016, a China vai começar a liberalizar o monopólio do sal de mesa que já contava com quase 2600 anos, avança a Bloomberg.

Os órgãos de comunicação social revelam que este será um passo decisivo nas reformas de mercado do presidente Xi Jinping e do Partido Comunista. O governo quer promover a concorrência leal prescindindo do monopólio do sal de mesa, refere a Foreign Policy, citando o Ministério da Indústria e Informação Tecnológica. A liberalização inclui a remoção do controlo de preços de todos os produtos a partir de 2016.

O sal de mesa é um negócio importante na China, que é o maior produtor de sal do mundo. Até agora, a Sociedade Nacional da Indústria do Sal da China era a única entidade autorizada a vender sal de mesa no país. Mais: se se juntar a procura da indústria química, a China consome um quarto do valor total do planeta, salienta a Quartz citando o China Daily.

O controlo do governo sobre o sal começou na atual província de Shandong, durante a primavera e outono entre 722 a.C. e 479 a.C – no mesmo período em que o político e filósofo Confucius viveu. Em 119 antes de Cristo, coube ao imperador Han introduzir este monopólio em termos nacionais. Muitas das fortunas da China imperial dependiam do controlo do abastecimento do sal, que permitiu a acumulação de fortunas e a formação e derrocada de dinastias ao longo de mais de dois milénios.