Os ativos ponderados pelo risco respeitante à exposição consolidada do BCP às administrações centrais e ao banco central angolanos vão aumentar em 560 milhões de euros a 1 de janeiro de 2015, informou hoje o grupo. De acordo com um comunicado enviado nesta quarta-feira pelo BCP à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), este aumento deve-se à não inclusão da República de Angola na lista de países terceiros com regulação e supervisão equivalentes às da União Europeia, decidida pela Comissão Europeia.

O banco informou que, a 30 de setembro deste ano, a aplicação dos ponderadores de risco ditados pelo Banco Nacional de Angola avaliava a exposição consolidada de ativos do BCP em Angola (administrações centrais e banco central) a um total de 87 milhões de euros.

No entanto, devido à decisão da Comissão Europeia sobre aquele país, a necessidade de aplicar os ponderadores de risco de acordo com a regulamentação comunitária resulta num aumento da exposição do BCP ao risco para cerca de 647 milhões de euros, a partir de 1 de janeiro de 2015. “Este facto não determina qualquer excesso da exposição consolidada do BCP às administrações centrais e banco central da República de Angola face ao limite dos grandes riscos”, adianta ainda o grupo português.