Nadal foi eliminado dos quartos-de-final do Australian Open pelo checo Tomas Berdych por 3-0, com os parciais de 6-2, 6-0 e 7-6 (5). Mas o jogador espanhol, que assim perder uma oportunidade de chegar a mais uma final do Grand Slam, tem uma boa explicação: segundo o New York Daily News, os grandes culpados desta derrota são os seis meses de pausa feitos pelo jogador. Mas, na realidade, os créditos têm de ser divididos com Tomas Berdych, o tenista checo que soube resistir a todas as tentativas de recuperação feitas por Nadal ao longo do jogo.

Rafael Nadal já devia prever que alguma coisa não ia correr bem, pois avisou antes da prova começar que 2014 tinha sido um ano de lesões e que o facto de ter estado doente no final do ano não permitia antever grande sucesso na Austrália. Foi um discurso a que regressou depois da derrota: “Como eu disse aqui, é sempre difícil voltar depois de lesões. Sinto-me bem, mas não foi o meu dia. Os quartos aqui não foram para mim.”

De junho até ao Australian Open, o campeão espanhol apenas disputou oito jogos, tudo por causa de uma cirurgia ao apêndice e de uma lesão no pulso direito. No Melbourne Park, durante a partida, Nadal ainda conseguiu ganhar 17 vezes seguidas a Berdych, chegou ao empate, mas no fim perdeu os pontos decisivos.

Mesmo avisado, o público recebeu a derrota como uma surpresa. Até Berdych esperava outro final: “Eu estava pronto para tudo e achei que fosse ser diferente. Comecei muito bem, mas quando se joga contra o Rafa tem que se jogar até ao último ponto.” Foi o que aconteceu.