Desde as primeiras invenções até às mais recentes criações tecnológicas — a tecnologia está muitas vezes envolta em mitos. Manter a bateria do computador sempre ligada à corrente vicia? Será que os Macs apanham vírus? E os megapíxeis, quantos mais melhor? Estas são algumas das questões mais comuns relacionadas com a tecnologia, e para as quais nem sempre se obtém a resposta certa.

O jornal britânico Telegraph fez uma lista com os “maiores mitos tecnológicos” e o Observador selecionou alguns. Fique a conhecê-los:

Os Macs não apanham vírus

Qualquer computador pode apanhar um vírus e os Macs não são exceção. Alguns programas maliciosos (malwares) podem afetar o sistema operativo dos Macs da mesma foram que afetam o Windows. Contudo, isto raramente acontece. Isso deve-se ao facto de os vírus terem de ser desenhados especialmente para os computadores da Apple para que estes sejam afetados. A maioria dos ataques tem como alvo empresas que usam o Windows, que é ainda o sistema operativo mais comum no mundo empresarial, como refere o Telegraph.

Assim que a Reciclagem é esvaziada, os ficheiros desaparecem

A informação guardada no computador pode não desaparecer por completo. Apesar de apagados (depois de esvaziada a reciclagem) os ficheiros permanecem escritos no disco rígido, o que significa que podem depois ser recuperados por programas específicos. Para eliminar completamente os dados é preciso reescrever com 0 e 1 (código binário) as secções livres do disco onde permanecem os ficheiros “apagados” — eles estão lá, mas não estão indexados, ou seja, não são reconhecidos. Os sistemas operativos modernos já incluem esta função.

As radiações dos computadores podem tornar os homens estéreis

Ao contrário do que é muitas vezes defendido, os eventuais problemas de infertilidade masculina associados ao uso no colo dos computadores não estão nas radiações emitidas, mas no calor por ele gerado. Isto porque o escroto garante a temperatura ótima de produção dos espermatozóides, aproximadamente um grau a menos da temperatura corporal, ou seja, 36ºC. Um computador em funcionamento pode atingir temperaturas elevadas que aquecem a zona pélvica muito acima da temperatura do corpo.

Mais barras, melhor rede

Na verdade, isto não é bem assim. As barras que assinalam a intensidade do sinal de rede ilustram a proximidade do telemóvel em relação à torre de transmissão mais próxima, e não a sua qualidade. O sinal pode ser afetado por outros factores, como a quantidade de pessoas que está a usar a mesma rede (ou antena), condições meteorológicas, interferências  eletromagnéticas, entre outras.

A bateria só deve ser recarregada quando está vazia

As baterias modernas de lítio podem ser recarregadas a qualquer altura, mesmo que não estejam completamente descarregadas. Ao contrário das antigas, as baterias recarregáveis dos computadores e smartphones atuais (e não só) não correm o risco de ficarem “viciadas” se estiverem sempre ligadas à corrente.

O número de megapíxeis determina a qualidade da fotografia

A qualidade de uma câmara fotográfica é determinada também pelo tamanho dos megapíxeis, e não apenas pela quantidade. Isto acontece porque a fotografia é moldada pela quantidade de luz que o sensor de uma câmara consegue captar e não (só) pelo número de megapíxeis. Isto significa que diferentes câmaras, com diferentes números de megapíxeis, podem captar fotografias muito semelhantes.